Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

13
Ago22

Brasileiros vão às ruas para defender democracia em dia de mobilização contra ameaças golpistas de Bolsonaro

Talis Andrade

iott carlos urnas fiscalizadas forças armadas co

urnas apoio.jpg

Protesto contra cortes salariais dos servidores federais e do governo Bolsonaro em Brasília, Brasil. 3 de Agosto de 2022Protesto contra cortes salariais dos servidores federais e do governo Bolsonaro em Brasília, Brasil. 3 de Agosto de 2022 REUTERS - UESLEI MARCELINO

Com assinaturas de mais de 800 mil pessoas, a carta pela democracia da Faculdade de Direito da USP será lida nesta quinta-feira (11) em São Paulo, com mobilização em várias outras cidades do Brasil. A adesão de artistas, juristas, empresários, estudantes e trabalhadores deu força ao movimento, diante de repetidas declarações do presidente Jair Bolsonaro contra o sistema eleitoral brasileiro.

Nesse Dia do Estudante, quando se comemora 45 anos da Carta aos Brasileiros, documento histórico de repúdio ao regime militar, será lido o manifesto da Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo) com apoio de centrais sindicais e, no Largo São Francisco, também na capital paulista, a Carta em Defesa da Democracia, idealizada por ex-alunos da Faculdade de Direito da USP, que teve forte apoio nas redes sociais.

Unificando ações, o movimento contra o atual governo tenta mobilizar manifestantes em várias cidades do país. O cientista político André Felipe Rosa disse à RFI que isso mostra a reação de uma parte da sociedade brasileira a um discurso golpista.

Arcadas da Faculdade de Direito USP – Largo São Francisco, São Paulo, 9 de agosto de 2022.

arcadas fac.jpg

Arcadas da Faculdade de Direito USP – Largo São Francisco, São Paulo, 9 de agosto de 2022. © Foto: Roberto Parizotti.

 

De acordo com Felipe Rosa, a sociedade civil se organiza visando mitigar efeitos golpistas. Isso vem muito em decorrência de uma possível não aceitação do resultado das urnas. "Esse é um efeito que ocorreu nos Estados Unidos e que se ventila muito por aqui, com vários defensores. A mobilização de uma parcela da opinião pública portanto é um contra ataque a essa postura de golpe", avalia o cientista político. "E isso não é a favor de um ou outro candidato, mas uma defesa por eleições democráticas e transparentes”, enfatiza.

 

Quebrando a tradição, a Ordem dos Advogados do Brasil ficou de fora dessa mobilização e não assinou a carta da USP nem a da Fiesp, o que gerou uma acirrada discussão interna entre os membros da entidade. Na última segunda-feira, a OAB acabou divulgando um manifesto próprio, alegando que é contra o golpe, mas que não quer endossar documentos que expressam também críticas políticas.

 

Ataques de hackers

 

A carta da USP recolhe assinaturas via internet e tem sofrido milhares de tentativas de ataques que visam derrubar o sistema de coleta de apoio. Num deles, esta semana, um hacker criou um robô que disparava oito milhões de acessos simultâneos.

 

 

A guerra virtual começa se refletir também nas ruas e rodas de conversa, evidenciando a polarização eleitoral deste ano. “Será uma eleição voto a voto. A sociedade brasileira está dividida. Acredito que haverá segundo turno e não dá ainda para dizer quem sairá com maior vantagem”, afirmou o analista Felipe Rosa.

Ele cita pesquisas e estudos que apontam que ao menos metade da população se declara conservadora, o que pode pesar numa escolha, ainda mais num segundo turno. “Ao menos 50% se dizem conservadores, e a outra metade mais ligada ao campo progressista", nota. Existe uma polarização entre Lula e Bolsonaro, observa o analista, salientando que em outros países também é comum a eleição ficar acirrada entre dois candidatos.

Apaixonados à parte, há uma massa indefinida de mais de um quarto dos eleitores que fará a diferença tendo de escolher entre Lula e Bolsonaro numa eventual segunda disputa. É o caso de Danilo Monteiro, que faz faculdade e trabalha num supermercado.

“Eu vou votar no Ciro Gomes porque acho que ele é hoje o mais preparado. Mas num segundo turno entre Lula e Bolsonaro não gostaria de votar em nenhum. É o sujo falando do mal do lavado. Não queria isso. Mas se tiver mesmo que escolher, vou de Bolsonaro porque acho que com ele a nossa moeda ficou mais estável”, disse o eleitor.

A comerciária Aureni Sena se vê diante de uma escolha difícil. "Vou estudar propostas, analisar certinho. Mas digo que em Bolsonaro eu não voto. Num segundo turno, se for polarizado assim, vou de Lula. No governo Lula a gente comia picanha e agora não come nem ovo”, destaca a comerciária.

Image

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub