Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

19
Mai23

A pensão para órfãos do crime de feminicídio.

Talis Andrade
Violência contra a mulher. Crédito: Reprodução/Depositphotos

 

Por Daniela Teixeira, Cristina Tubino Rita Machado /Correio Braziliense

 Passado o final de semana de dia das mães, precisamos lembrar que  diversas crianças e adolescentes não tiveram a presença de suas mães, mortas por serem mulheres ou em razão de violência doméstica

Buscando diminuir, de alguma forma, o sofrimento desses jovens, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou, no início do mês de março, proposta para instituir uma pensão especial aos filhos e dependentes menores de 18 anos de mulheres vítimas do crime de feminicídio, que agora segue para análise do Senado Federal.

A pensão, que representa importante passo em nossa sociedade, será direcionada para os filhos biológicos ou adotivos, no valor de um salário-mínimo, cuja renda familiar mensal per capita seja igual ou inferior a 25% do salário-mínimo.

Importa mencionar que a pensão é uma medida de reparação que tem por objetivo garantir amparo financeiro para crianças e adolescentes que perderam suas mães em decorrência de crimes brutais, que, de forma trágica, tanto acontecem nosso país.

O feminicídio, só incluído na nossa legislação em 2015, é crime hediondo, com penas que vão de 12 a 30 anos de prisão, e consiste no assassinato de uma mulher em razão de sua condição de gênero, e que é, sem sombra de dúvidas, um dos grandes problemas sociais enfrentados em todo o mundo e principalmente no Brasil.

O projeto, portanto, visa minimizar, ao menos no aspecto material, os impactos da perda da mãe e garantir condições mínimas de subsistência e desenvolvimento para os filhos órfãos, como acesso à alimentação, saúde, educação e outros direitos básicos, além de contribuir para o processo de resgate da dignidade.

Cumpre destacar que a pensão não deve ser vista como medida capaz de prevenir e combater a violência contra as mulheres, de modo que é imprescindível que haja o fortalecimento das políticas públicas e ações educativas que promovam a igualdade de gênero, o respeito aos direitos das mulheres e o enfrentamento à cultura do machismo e da violência.

Não se pode esquecer que no Brasil a violência contra a mulher alcança os maiores números. Em 2022 foram registrados 1410 feminicídios, ou seja, a cada seis horas, uma mulher foi morta no país apenas por ser mulher e em razão de violência doméstica e familiar.

Em relatório publicado pela Organização das Nações Unidas (ONU), no final do ano de 2022, constatou-se que o Brasil tem uma das mais altas taxas de feminicídio do mundo, superando a de todos os continentes do mundo.

Além disso, apesar de sua importância, não se pode esquecer que a pensão se concentra apenas no auxílio financeiro. É imprescindível a efetivação de políticas públicas que ampliem a rede de apoio e cuidados, como o apoio emocional e psicológico, para que essas crianças e adolescentes possam lidar com a perda materna e superar os traumas da violência, pois são vítimas indiretas dos crimes e precisam lidar não apenas com a perda materna, mas com a vivência de um episódio de violência.

Por fim, cumpre mencionar que outros países já possuem a pensão para órfãos de violência doméstica, como é o caso da Espanha que, em 2019, aumentou o valor de 140 para 600 euros por mês, alteração essa que teve efeitos retroativos até 2004, ano de aprovação da Lei Integral contra a Violência de Gênero espanhola.

Nesse cenário, cumpre mencionar ainda a Lei sancionada nesta terça-feira, dia 16, pelo governador Ibaneis Rocha (MDB), que prevê o chamado Programa Paz na Família, que tem como objetivos proteger, amparar e promover o desenvolvimento das mulheres vítimas de violência doméstica, além de outras providências.

Segundo o artigo da legislação, o acionamento dos serviços públicos do DF para atender à mulher vítima de violência prevê multa ao agressor, além do ressarcimento das despesas decorrentes do atendimento.

Outro ponto destacado pela lei ressalta que a multa é aplicada em dobro em caso de reincidência do crime. O não pagamento da multa e do valor a ser ressarcido no prazo legal pode resultar na inscrição do agressor na dívida ativa e cobrança mediante execução fiscal.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub