Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

02
Nov23

O grito silenciado

Talis Andrade
Arthur Lira, Paulo Guedes e Damares

por Marcia Tiburi

A exposição se chamava O Grito e estava em cartaz na Caixa Cultural em Brasília. Ela foi cancelada no dia 23 de outubro quando políticos ficaram ofendidos por suas imagens estarem representadas nela. Parece que o mais ofendido foi Artur Lira, presidente da Câmara dos Deputados que usa seu poder como se fosse dono do Brasil. Ele aparecia em meio a centenas de imagens dentro de uma lata de lixo (da história?) junto com Guedes e Damares. Muitos dirão, não há lugar que mais convenha a esses personagens infames. Outros ainda podem se perguntar: como é possível um político se incomodar com arte em 2023!? 

Quem é político aprendeu a não se incomodar com xingamentos - e com arte? - ou será que o Lira (et caterva) estão de mimimi? Sabemos que não. Sabemos que é tecnologia política de novo, como foi em 2017-2018. Um jornal mineiro muito mequetrefe fez uma matéria enfocando no custo da exposição e aproveitando para fazer propaganda de um deputado de extrema-direita, como se ele fosse o herói da denúncia, quando na verdade estava apenas criando caso - e polêmica - contra a arte. 

Aprendamos com isso, pois 2024 o jogo vai ser muito sujo e as artes e tudo o que chama pelo apelo imagético será usado para o mal de eleger a extrema-direita (tacanha e sem escrúpulos). As velhas e usadas Fake News voltarão a circular, novas ondas de desinformação profissional serão visíveis nas redes, a ignorância do povo será turbinada pelos meios de comunicação, para fazer vencer a direita e a extrema-direita com todos os pastores espertalhões que já conhecemos de longa data.

A censura à exposição e à obra de Marília Scarabello são sintoma da miséria política (e estética) que continua apesar da vitória do governo democrático. 

Mas há um problema mais real e mais profundo. A exposição mostrava uma coleção de imagens feitas por muita gente, imagens que estão soltas pelas redes, e em relação a isso ninguém pode fazer nada. A imagem de Lira está na lata do lixo na era da reprodutibilidade técnica e lá permanecerá junto com as imagens de Damares e Guedes. A imagem de Dilma Rousseff, Manuela D’Ávila, a minha e de tantas outras e outres segue circulando nas latrinas do ódio que fazem parte das redes sociais, mas a de políticos da extrema-direita também. Sinto muito, Artur Lira e colegas de lata do lixo, vocês fazem parte do esgoto – (que vocês mesmos criaram) e não tem como apagar o que foi feito e mostrado. E vai continuar assim e o povo dirá o que quer quando quiser e as redes sociais permitirem - já o gabinete profissional e bem pago do ódio deveria ser controlado. A Marília Sacarabello, por sua vez, é uma artista. E, do ponto de vista da Constituição Federal, não podia ser censurada. O que ela faz é recolher o material relacionado à livre expressão e mostrar de modo organizado o que está solto por aí sendo produzido e reproduzido de modo randômico e sem controle. Por isso, é preciso prestar todo o apoio à artista e preservar a arte onde a gente acaba por conhecer a verdade, doa a quem doer. As bandeiras da mostra podem ser vistas nos perfis do Instagram @colecao_bandeira e @colecao_bandeira_2

Jullyene Lins
Falta de aviso nunca foi, tenho minha consciência tranquila que tentei e ainda tento alertar a todos sobre o risco Arthur Lira para o Brasil! Se o puseram hoje dentro de uma lata de lixo junto a outras figuras públicas não pode ter sido por acaso, ninguém que tenta chantagear…

lira lixo.jpeg

 

07
Out23

Ex-assessor de Damares entrega homem-bomba

Talis Andrade
 
 
 
 
Por Altamiro Borges

Nesta quinta-feira (5), em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Distrito Federal, o blogueiro Wellington Macedo de Souza – que foi assessor da ex-ministra e atual senadora Damares Alves (Republicanos-DF) – resolveu abrir o bico e dedurou outro bolsonarista por uma ação terrorista na véspera do Natal do ano passado. 

Segundo nota do site Metrópoles, ele “jogou no comparsa Alan Diego dos Santos a responsabilidade pela tentativa de explosão de uma bomba no Aeroporto de Brasília. Ambos foram condenados pelo crime. Wellington Souza disse que estava em um carro com Alan Diego na ocasião, mas que não sabia da existência de explosivos no veículo”. 
 
“Perguntei o que estava acontecendo e vi na mão dele um controle, tipo de ar-condicionado, e ele disse: ‘Não pare mais. Pode seguir. Vou explodir o caminhão’. Entrei em pânico, em desespero, porque ainda tinha uma mochila no banco traseiro. Falei para ele: ‘Como você faz isso comigo? Estou com uma tornozeleira eletrônica’. Falei que todo o percurso que foi feito estava registrado” – confessou o influenciador digital na CPI. 

Covardão tenta repassar a culpa

Como lembra o site, o plano dos “homens-bomba” bolsonaristas era colocar explosivos em locais estratégicos, como um caminhão-tanque no aeroporto. “Alan Diego fazia várias publicações no Instagram contra o resultado das urnas, com frases como ‘está chegando a hora’, postada no dia em que a bomba foi colocada, e a hashtag ‘patriotas’”. 

Em função da gravidade do crime, Alan Diego foi condenado em maio a cinco anos e quatro meses de cadeia, em regime fechado. Já Wellington Souza pegou seis anos de cadeia, mas conseguiu fugir. Só acabou sendo preso em 14 de setembro no Paraguai, após uma operação conjunta da Polícia Nacional paraguaia com a Polícia Federal. 

Para se safar, o covardão agora tenta repassar toda a culpa pelo plano terrorista para o seu comparsa. Mas ele é um criminoso reincidente. O ex-assessor de Damares Alves já havia sido preso em 2021 por estimular ações golpistas nas comemorações do 7 de Setembro. Pouco depois, ele foi solto sob a condição de usar a tornozeleira eletrônica. 

Dois dias após a tentativa da explosão da bomba no Aeroporto de Brasília, o blogueiro de extrema-direita quebrou o equipamento para fugir. Mesmo considerado foragido pela Justiça, ele ainda tentou entrar de forma ilegal na cerimônia de posse do presidente do Paraguai, Santiago Peña, que teve a presença de Lula. 

Outros terroristas ligados à ex-ministra

Wellington Macedo de Souza, que foi assessor do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos em 2019, não é o único terrorista que teve relação direta com a atual senadora Damares Alves. Uma detalhada reportagem do site do PT aponta outros “golpistas” ligados à ex-ministra, à “líder religiosa” também apelidada de Damares da Goiabeira. 

“Outro é o blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio, apontado como um dos principais articuladores do ataque às sedes dos Três Poderes. Ele não foi lotado no Ministério de Damares, mas a assessorou durante a transição de governo e, depois, emplacou a esposa, Sandra Terena Eustáquio, como secretária de Igualdade Racial na pasta”. 

“Completando o time de golpistas que gravitaram Damares, estão Renan Sena, preso por participar diretamente do atentado de 8 de janeiro em Brasília, e Sara Giromini, conhecida também como Sara Winter, uma das líderes dos primeiros ataques ao Judiciário, presa em 2020 após ameaçar ministros do Supremo Tribunal Federal”. 

“Enquanto Renan foi funcionário terceirizado do Ministério da Mulher na gestão de Damares, Sara Winter atuou como chefe da Coordenação Geral de Atenção Integral à Gestante e à Maternidade de abril a dezembro de 2019. A extremista ocupava um cargo de confiança vinculado à Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres da pasta”.

A Corregedoria-Geral da União (CGU) identificou duas irregularidades em repasses milionários do Ministério dos Direitos Humanos na gestão da senadora Damares Alves. De acordo com o Estadão, a "Globo Soluções Tecnológicas" recebeu quase 12 milhões de reais em equipamentos diversos, como macas, computadores e ônibus. A sede cadastrada pela ONG na Receita Federal é apenas um barraco em Anchieta, no Rio de Janeiro, o sem registro de funcionários. A proprietária foi beneficiária do Auxílio Emergencial. A informação é do jornal O Estado de São Paulo

A senadora Damares Alves (Republicanos) defendeu o o empresário do ramo do agronegócio Argino Bedin, acusado de financiar atos antidemocráticos após o resultado das eleições presidenciais de 2022. Durante o depoimento do ruralista em 03/10, Damares chamou Bedin de 'grande homem', e disse que ele é 'muito amado'.

Durante depoimento, Argino Bedin se negou a responder até se conhecia alguns de seus familiares, como Roberta Bedin, filha do empresário; Sérgio Bedin e Ary Pedro Bedin, primos; e Nilson Bedin, sobrinho. Entretanto, o presidente da Comissão, deputado Arthur Maia (União-BA), interferiu e ressaltou que a ordem judicial permite o silêncio apenas em questões que podem ser incriminadoras, o que não inclui se isentar de responder se conhece algumas pessoas. “Estão perguntando se o senhor conhece, ao que me parece, um parente do senhor. Se ficar calado, o senhor vai estar negando a resposta de uma situação óbvia, não tem nada que possa incriminá-lo em dizer se conhece um familiar”, esclareceu Maia. Esses nomes dos quais Bedin se recusou a dizer se conhece estão em um relatório da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), citados como pessoas que teriam fornecido caminhões para manifestantes bloquearem rodovia, em ato de apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), após o resultado do segundo turno das eleições presidenciais de 2022.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub