Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

12
Set21

Independência ou independência

Talis Andrade

Independência do Brasil – Wikipédia, a enciclopédia livre

 

O Sete de Setembro de 2021 não vai parir um salvador, um imperador, um déspota

 

por Gustavo Krause

- - -

Sete setembro é uma data que pertence ao patrimônio histórico do Brasil.

Este ano, o Presidente usou como apelo mobilizador na intenção de parir um déspota. Os berros, ameaçando rupturas serão sempre respondidos pela voz firme das instituições democráticas. A nação brasileira somente admite o caminho da independência e da liberdade do seu povo.

O Sete de Setembro sempre foi um dia especial na minha vida.

Pirralha, era o dia da “Parada Militar”, comemorativo do Dia da Independência, a que assistia nos ombros do meu pai. Em seguida, dia inaugural da “abertura” das praias, destino: as águas mornas da encantadora Boa Viagem.

Na escola, a semana era dedicada ao estudo do fato histórico. Sempre tive por D. Pedro I uma relação de amor e ódio, admiração e repúdio. Ele era a síntese de contradições: despótico e liberal, impulsividade e ternura que revelava nas cartas aos filhos; sedutor incontrolável viveu a paixão escandalosa com a Marquesa de Santos submetendo à humilhação uma grande mulher, Dona Maria Leopoldina (autora da carta mexeu com os brios do marido e foi o gatilho da Independência).

A formação refinada (compôs com Evaristo da Veiga o Hino da Independência) convivia com rudeza da ignorância. Foi mesquinho com José Bonifácio, o Patriarca da Independência, porém teve a grandeza de confiar a educação do seu filho, o futuro Imperador Pedro II.

Percebi, a partir da leitura de Octavio Tarquínio de Sousa, consagrada biografia em três volumes e algumas obras recentes, que, entre as ciências sociais, a mais complexa é a ciência da História: exige profunda pesquisa das fontes; neutralidade dos autores; depende de sofisticada engenharia inter e multidisciplinar.

Neste sentido, senti-me atraído pela obra do pintor Pedro Américo “Independência ou Morte” que contemplava frequentemente para entender o simbolismo da criação artística (contratada em 1886 por Joaquim Ramalho, presidente da comissão do Monumento do Ipiranga”, concluída em Florença, 1888).

O artista, após exaustiva pesquisa, entre traços idealistas e realistas, eternizou um momento prosaico em expressão épica; enviou ao imaginário brasileiro a mensagem do nascimento de uma nação livre como obra de um líder salvador que rompia os laços da submissão política.

Para mim, o mais impressionante é que, no canto esquerdo do quadro, há um carreiro, um caipira, um camponês que a tudo assistia espantado, “bestializado”, enfim, excluído.

O Sete de Setembro de 2021 não vai parir um salvador, um imperador, um déspota. O carreiro pode fazer parte dos invisíveis, mas integra a terceira maior democracia de massas do mundo. Bem ou mal, está representado. Sem o oxigênio da democracia vamos perecer sufocados pelos ares venenosos da tirania.

Gritos, berros, ameaças de ruptura serão respondidos pela voz firme das instituições democráticas: a nação brasileira somente admite o caminho da independência e da liberdade do seu povo.

09
Jul21

Que nojo, Carla Zambelli

Talis Andrade

CPI prepara surpresa para o "caguei" de Bolsonaro; acompanhe ao vivo

Reinaldo Azevedo no Twitter

Durante conversa no curralzinho do Palácio da Alvorada, Jair Bolsonaro novamente levantou dúvidas sobre o atual sistema eleitoral brasileiro e foi enfático ao afirmar que "ou fazemos eleições limpas no Brasil, ou não teremos eleições".

Reinaldo Azevedo analisa o menosprezo de Bolsonaro pela carta enviada por membros da CPI da Pandemia. No documento, os senadores pedem respostas do líder do Planalto sobre as denúncias de irregularidades na compra do imunizante contra a Covid-19, a vacina indiana Covaxin. Bolsonaro ironizou a solicitação durante sua "live de quinta" nas redes sociais, afirmando que não irá responder a nenhum questionamento por "cagar para a CPI". Para Reinaldo Azevedo, o presidente da República decidiu comprar uma briga com a comissão, e está perdendo.

Image

Reinaldo Azevedo
Pesquisas esmagam Bolsonaro, e ele está cada vez mais doidão. CPI protocolou um requerimento indagando se ele manteve ou não a tal conversa com Luís Miranda. Acovardou-se e deu esta resposta: “Caguei para a CPI”. Estão orgulhosos, senhores militares? E aí, Rodrigo Pacheco?

Pois é... Mas ele, claro, como é mesmo?, “está cagando” . Eis uma verdade absoluta. Essa não é fake news. Só faz cagada. Desde o dia 1° de janeiro de 2019. Os seus dois discursos de posse já entram nessa categoria.Image

Image

Image

Guilherme Macalossi
"Caguei", diz Bolsonaro. "O estilo é o homem", disse Buffon.
Reinaldo Azevedo
A deputada escreveu o q segue sobre post q publiquei com o vídeo cagado por Bolsonaro. Ela usa o verbo no plural. Parece cagar com o presidente. Que nojo, senhora! Noutro dia, estava orando. Não sabe se reza ou se caga. No seu caso, deve dar na mesma.
 
Image
 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub