Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

10
Dez20

Mortos inocentes

Talis Andrade

justica para jane.jpg

 

Precisamos chorar pelas vítimas da violência cotidiana

 

por Juremir Machado da Silva /Correio do Povo

 

 Precisamos chorar nossos mortos inocentes, vítimas da violência nua e crua: o policial Derinaldo Cardoso dos Santos, de 34 anos, assassinado por um bandido, com um tiro na cabeça, quando tentava impedir um assalto num supermercado do Rio de Janeiro. Cabo da Polícia Militar, ele deixou esposa e dois filhos. Uma vida interrompida pela estupidez. Precisamos chorar a morte de Emilly e de Rebecca, meninas negras de 4 e 7 anos, baleadas e mortas na Baixada Fluminense. Duas vidas extintas pela incompetência. De quem? Ainda não se sabe. A polícia diz que não fez disparos. Mas armas de policiais foram recolhidas e serão periciadas. Por que o Rio de Janeiro não reage?

      Quantas crianças assassinadas por bala perdida de bandido ou por derrapagem policial? Como pode uma cidade ter regiões dominadas por milícias, lugares onde o Estado não entra, mortes por erros de GPS (entrar por engano em zonas do tráfico), governadores presos, prefeito eleito crivado de acusações de corrupção e tamanha banalização da barbárie! Nas estatísticas, as balas perdidas encontram mais negros no caminho. Um caso enterra o outro e nada muda. Precisamos continuar a chorar a morte de João Pedro, de 14 anos, vítima de uma ação policial, em maio deste ano, também no Rio de Janeiro, que invadiu a sua casa. Precisamos chorar os 3.251 mortos pela violência nos seis primeiros meses deste ano, 103 policiais e 3.148 cidadãos ditos comuns.

Precisamos chorar por Marielle Franco e Anderson Gomes, executados a mais de mil dias sem que o mandante do crime tenha sido descoberto. Homens em serviço, mulheres defendendo suas ideias, adolescentes jogando, crianças brincando, enfim, todos executados pela força de um mal que não para de aumentar. Há quem morra por ser negro, quem morra por ser pobre, quem morra por ser mulher, quem morra por ter pego a saída errada quando só queria chegar mais rápido, quem morra por estar no lugar errado na hora errada, no caminho da bala, que era apenas o seu caminho de casa, quem morra por não ter a proteção do Estado de direito, quem morra por viver num campo de guerra, o seu bairro, a sua rua, o seu modesto lugar neste mundo.

Temos de chorar por Cícera Ivanilda Gonçalves Gregório, negra, 43 anos, que teve três filhos mortos em três anos, na periferia de Florianópolis, em ações policiais mal explicadas. Precisamos sempre chorar por Miguel, o menino que caiu do 9º andar de um edifício em Recife enquanto a mãe levava os cachorros da patroa para passear e esta não se dava o trabalho de protegê-lo. Em que mundo vivemos enquanto tentamos sobreviver ao coronavírus? Bandidos não podem ser glorificados. A polícia não deve ser diabolizada. Por que tudo está saindo errado? De quem é a culpa? Precisamos chorar por nossa democracia, que não consegue fazer com quem ninguém fique de fora. Precisamos chorar por que ainda somos os mesmos e não sabemos vencer a violência que mata inocentes de todas as idades. A morte de duas crianças ressoa ainda mais violentamente em nossas consciências.

E João Alberto? E Jane Beatriz?

08
Dez20

Emilly Victoria, de 4 anos, e a prima Rebeca Beatriz dos Santos, de 7 anos, foram mortas enquanto brincavam

Talis Andrade

meninas.jpgEmilly Victoria, de 5 anos, e Rebeca Beatriz Rodrigues dos Santos, de 7 anos, foram baleadas em comunidade de Duque de Caxias 

 

Advogado da famílias diz que testemunhas viram que tiro partiu da PM. Corporação nega acusação

Por Larissa Schmidt, TV Globo

- - -

As mães e a avó das duas meninas mortas por balas perdidas, em Duque de Caxias, chegaram na Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), onde vão prestar depoimento, na tarde desta terça-feira (8).

A família estava acompanhada da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ. Segundo o advogado de defesa da família, Rodrigo Mondego, as testemunhas viram o momento que os disparos foram feitos de um carro da Polícia Militar.

 

É muito triste dizer isso, mas todas as testemunhas são categóricas em dizer: 'o tiro partiu da viatura da Polícia Militar do estado do Rio de Janeiro. Eles estavam na esquina a cerca de 50 metros de onde estavam as meninas'. Todas as testemunhas são categóricas em dizer. Descobrir quem foi o policial que atirou é o papel da Polícia Civil", afirmou Mondego.

filho.jpg

A avó de uma das meninas contou que estava chegando do trabalho antes do crime. As meninas a esperavam na calçada para comprar um lanche, quando passou um carro da polícia, por volta das 20h.

Os familiares disseram que não sabiam se havia algum tipo de perseguição, mas só viram a polícia atirando.

"Estava chegando do trabalho e saltei do ônibus. Eu escutei no mínimo dez disparos. O ônibus passou e a blazer estava parada e deu aquele arranco para sair. Ele parou em frente à rua e simplesmente efetuou os disparos", disse Lídia Santos, avó de Rebeca.

balas.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub