Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

17
Mai22

A presidência para Bolsonaro é um encantado conto de fardas

Talis Andrade

bolsonaro cortes educacao viagra.jpg

 

Viagra nas forças armadas – Parágrafo 2

As Forças Armadas gastaram R$ 33,5 milhões com recursos públicos em uma nova compra de 11,2 milhões de comprimidos de Viagra entre 2019 a 2022, segundo levantamento do deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) pelo Portal da Transparência e do Painel de Preços do governo federal.

Vaz pediu a convocação do ministro da Defesa, para explicar a aquisição. O requerimento foi apresentado à Comissão de Fiscalização Financeira da Câmara após a identificação de dez empenhos à compra.

Charge do Zé Dassilva: Viagra nas Forças Armadas | NSC Total

Image

Ministério da Defesa fez licitação para comprar R$ 37 mil em lubrificante íntimo

  • Entre 2019 e 2020, Defesa fez licitação para compra de R$ 37 mil em gel lubrificante íntimo

  • Não há confirmação se compra foi efetuada, mas pedidos não eram de unidades de saúde

  • Lubrificantes seriam destinados locais como o Centro de Aquisições Específicas da Aeronnáutica

O Ministério da Defesa fez uma licitação para realizar a compra de R$ 37 mil em gel lubrificante íntimo. As informações do Portal da Transparência foram reveladas pela revista Fórum.

A licitação chama atenção na esteira de outras compras feitas pelo Exército e pelo Ministério da Defesa, como a compra de botox, 35 mil comprimidos de Viagra e o investimento de R$ 3,5 milhões em próteses penianas infláveis.

As licitações foram feitas entre 2019 e 2020. É comum que o gel seja usado em procedimentos médicos, no entanto, a quantidade e a destinação do material chamam atenção: o lubrificante íntimo não teve como destino unidades de saúde ou hospitais militares.

Segundo a Fórum, 10 tubos foram solicitados pela 15ª Companhia de Infantaria Motorizada do Exército, na cidade de Guaíra, no Paraná. Já o Centro de Aquisições Específicas da Aeronáutica pediu mil unidades do gel, pelo valor de R$ 19.990.

Em Manaus, o Centro de Intendência da Marinha também comprou mil bisnagas do gel, mas por R$ 13.490.

 

Compra de próteses penianas

 

Do deputado Elias Vaz (PSB-GO) e senador Jorge Kajuru (Podemos-GO) o pedido para o Tribunal de Contas da União e o Mistério Público Federal abram uma investigação para apurar o motivo pelo qual o Exército comprou 60 próteses penianas infláveis pelo valor de R$ 3,5 milhões. A informação foi revelada pela coluna do jornalista Guilherme Amado, do portal Metrópoles.

Eliaz Vaz também pediu explicações ao Ministério da Defesa sobre a compra de 35 mil comprimidos de Viagra para as forças armadas.

Os dados da compra das próteses constam no Portal da Transparência e no Painel de Preços do governo federal. No ano passado, foram feitos três pregões eletrônicos para a compra de próteses penianas infláveis de silicone, que medem entre 10 e 25 centímetros. Um tamanho gigante de orgia romana nos tempos de Nero, Calígula, Cómodo. 

03
Mai21

Piora nos índices sociais vai se acelerar em número e desumanidade

Talis Andrade

Humor Político Twitterissä: "Mitolândia! por Marcio Vaccari #Religião  #Comédia #Educação #Governo #JairBolsonaro #Políticos #charge… "

O vírus não é o causador único dessa imensa desgraça coletiva

por Janio de Freitas

- - -

Jair Bolsonaro quer mais cortes em gastos sociais previstos no Orçamento para este ano. As mutilações já feitas foram brutais, mas Bolsonaro quer mais alguns bilhões para o que se mostra no governo como o segundo gasto na ordem de nobreza: a compra de parlamentares com a liberação de bilhões para suas propostas de obras, que são catapultas eleitorais. O único gasto mais nobre no Planalto é o dos militares, cujo montante inicial perdeu apenas 3%.

As reduções são o oposto do requerido pelo forte agravamento das condições de sobrevida da maioria dos brasileiros. A retenção por mais de três meses do também mutilado auxílio emergencial anulou o alívio trazido pelas parcelas do ano passado, concedidas pelo Congresso.

A fome aumenta, e se espraia mais. Qualquer oferta de alimento atrai filas enormes, e as coletas de doações recebem ainda quantidade ínfima para a necessidade crescente. A maioria não tem disponibilidades para ser solidária.

Aos que a têm, o que falta, historicamente, é o próprio sentido de solidariedade, até de humanidade mesmo. Fosse diferente, já veríamos, há tempos, forte movimento de socorro aos que têm fome.

Na chegada de Bolsonaro ao poder, considerava-se, com provável otimismo, haver em torno de 24 milhões de brasileiros vivendo com menos de R$ 246 por mês: R$ 8 por dia. Passados dois anos, a FGV e dados do IBGE indicam o aumento desse contingente para 35 milhões de pessoas.

Não só os já habitantes da pobreza descem à miséria mais miserável. O título de reportagem de Fernando Canzian para a Folha sintetiza o que se passa nos intermediários: “Fenômeno dos anos Lula, classe C afunda e cai na miséria”. Eloquência justificada por mais de 30 milhões que “estão despencando diretamente da classe C para a miséria”.

pandemia não é causa única da derrocada social. Desde seu primeiro momento, o governo investiu contra os programas sociais, sem exceção, e os manteve na precariedade quando o vírus se anunciou, se propagou e se impôs.

Nem a mínima atenção foi dada à necessidade de se buscarem modos de atenuar os efeitos socioeconômicos da pandemia. E, em paralelo, fosse preparada a defesa da população com a compra de vacinas, campanhas instrutivas, orientação para as alternativas empresariais e gerais.

Nada disso, era só uma “gripezinha”, a cloroquina a eliminaria. A vaguidão de Paulo Guedes, com os pés no ministério e a cabeça na Bolsa, e o desvario de Bolsonaro associaram-se ao vírus.

Passamos de 400 mil mortes. Esse morticínio atordoa, as crianças e famílias que caem no desamparo, se desorganizam, também perdem a vida por outra que começa e só podem temer.

O vírus não é o causador único dessa imensa desgraça coletiva. Tanto que maio e junho são esperados por cientistas como ainda mais calamitosos no Brasil. E explicam: por decorrência da baixa vacinação até aqui, da falta de vacinas porque o governo chegou tarde, desacreditado e arrogantemente suspeito ao balcão mundial dos imunizantes.

Logo, os passos degradantes na escala socioeconômica, mais do que continuar, vão se acelerar em número e em desumanidade. Nenhuma resposta lúcida pode ser esperada do governo que pretende até cortar mais gastos sociais.

Se a sociedade, por sua vez, é inerte por preguiça moral maciça ou indolência cultural incapacitante, a alienação é a mesma e mesma a consequência. Então, lamento, o que há a dizer é isto: a perspectiva de futuro próximo é péssima —talvez seja o que nossa paralisia mereça.

Humor Político on Twitter: "O cosmonoteísmo por Marcio Vaccari  #Comportamento #Religião #cartoon #charge #HumorPolítico #Violência… "

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub