Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

22
Jul23

Michele Bolsonaro não precisa elogiar torturadores

Talis Andrade
Michelle e Amália
Michelle e Amália antes...
... e depois

 

por Marcia Tiburi

Brasil 247

A estética do grotesco continua sendo usada para criar estupor na esfera pública e, assim, capturar mentes. Foi essa estética - que em livro publicado em 2017, chamei de Ridículo Político - que deu base sensível às ações que levaram Bolsonaro ao poder sobre a nação em 2018. 

Vamos entender como funciona a manipulação e condução da sensibilidade que está em jogo nesse processo estético-político, analisando a cena envolvendo Michelle Bolsonaro e Amália Barros, deputada do PL. 

Na cena em questão, vemos Michele Bolsonaro no comando de uma situação de constrangimento orquestrado envolvendo a deputada Amália Barros. Michele tem o microfone na mão e fala para uma plateia. Primeiro, ela adula Amália dizendo que ela é a “mulher que faz acontecer”. Imediatamente Michele parte para o constrangimento, ou seja, ela faz um pedido à deputada, mas tal pedido tem o tom de uma demanda que não pode ser negada: “mas eu quero você sem prótese”. O trecho do enunciado “mas, eu quero” implica uma condição, ao mesmo tempo que essa condição carrega uma chantagem, a saber, realizar o desejo do outro submetendo-se à exigência. Rapidamente, Michele Bolsonaro apela ao público: “eu amo vê-la sem prótese”. Amália está envergonhada diante de Michele e quase resiste. Informando estar acostumada com esse gesto de Michele, ela afirma que “ainda não aprendeu a vir sem a prótese”. Ou seja, ela sabe que poderia ser poupada do constrangimento, mas mesmo assim consente, afinal não há saída. 

Michele pede imperativa: “me dá seu olho”, Amália entrega a prótese e limpa a mão, provavelmente para tirar a umidade. Michele coloca o olho de vidro no bolso e dá umas batidinhas com a mão como quem diz “é meu”. O constrangimento de Amália é notório, mas ela cede, acuada, sem poder fazer nada contra isso. Michele sorri vitoriosa. 

Como uma mulher que foi estuprada, é provável que Amália pense mil vezes que roupa deverá usar antes de se entrar novamente em ambiente inóspito.

Michele praticou uma violência simbólica, mas também física, afinal, Amália foi coagida a retirar uma prótese que ela usa para seu conforto. Ela não tem como resistir à intimidação, mas insinua seu incômodo. 

Exímia manipuladora, Michele foi certeira na produção de um efeito, o do estupor, coisa que seu marido também sabe fazer muito bem como quando elogiou um torturador e saiu ileso na votação do Golpe de 2016. 

Michele Bolsonaro não precisa elogiar torturadores. Ela domina a tecnologia política do choque em um nível mais ou menos sutil. 

O casal Bolsonaro sabe usar a política do choque e usa o grotesco para isso. Elogiar o torturador Ustra, ou obrigar uma pessoa com deficiência a tirar sua prótese para satisfazer um capricho, são táticas de produção de choque. O choque que coloca em estado de estupor, que hipnotiza e que dessensibiliza. Claro que num ambiente democrático ou feminista esse gesto não aconteceria, não seria permitido ou seria repudiado. 

O fascismo é insensível e produz, através do choque, cada vez mais insensibilidade. 

Os desavisados foram imediatamente hipnotizados pelo gesto e não tem como sair dele. 

O estupor foi experimentado de modo mais ou menos intenso conforme a maturidade do aparelho sensorial de cada um.

Nessa cena do olho de vidro, a exemplo do marido Bolsonaro, Michele mostra do que ela é capaz. Contudo, ela tem uma arma a mais: ela é sedutora, “bela, recatada e do lar” segundo a cena. 

Não precisará gritar racismos e machismos, basta mistificar com seu sorriso, o sorriso dos carrascos que conduzem as massas hipnotizadas para o abatedouro sem que tenham como ver o que está acontecendo.

A equipe do ICL Notícias e os jornalistas Guilherme Amado e Chico Pinheiro repercutem a postura da ex-primeira dama Michelle Bolsonaro, em evento do PL, onde pediu a uma deputada estadual que retirasse a prótese ocular. A cena seguiu com Michelle colocando o olho no bolso de sua calça. "É mais um dos vários episódios para a gente lembrar como a vida para eles (bolsonaristas) tem muito pouco valor", afirmou Guilherme Amado.
17
Dez21

GT do MP Eleitoral sugere análise de providências cabíveis para apurar agressões de Ratinho contra Natália Bonavides

Talis Andrade

violencia de genero.png

Arte Secom MPF

 

Para coordenação do grupo, vinculado à Procuradoria-Geral Eleitoral, conduta caracteriza, em tese, crime com sanções previstas nos códigos Eleitoral e Penal

 

O Grupo de Trabalho (GT) Prevenção e Combate à Violência Política de Gênero do Ministério Público Eleitoral sugeriu a análise de providências cabíveis na esfera criminal para apurar as agressões verbais feitas pelo apresentador de rádio e televisão Ratinho contra a deputada federal Natália Bonavides (PT/RN). Nessa quarta-feira (15), durante seu programa na rádio Massa FM, em São Paulo, o apresentador sugeriu que a parlamentar fosse eliminada com o uso de uma “metralhadora”. O ofício foi enviado, nesta quinta-feira (16), à unidade do Ministério Público Eleitoral no Distrito Federal. 

No documento, o GT afirma que a conduta caracteriza, em tese, o crime previsto no artigo 326-B do Código Eleitoral. Inserido este ano no arcabouço legal pela Lei 14.192/2021, o dispositivo tipifica como crime eleitoral as práticas de assediar, constranger, humilhar, perseguir ou ameaçar, por qualquer meio, candidata a cargo eletivo ou detentora de mandato, prevendo ao agressor pena que pode variar de um a quatro anos de prisão. 

Para o grupo de trabalho, caso fique constatado, no curso da investigação, que houve uso de violência psicológica, também poderá estar caracterizado o crime previsto no artigo 359-P do Código Penal. Esta lei estabelece pena de reclusão de 3 a 6 anos, mais aplicação de multa, para quem usar de violência física, sexual ou psicológica, para dificultar ou impedir o exercício de direitos políticos a qualquer pessoa em razão de seu gênero. 

As agressões verbais foram feitas por Ratinho contra a parlamentar em razão do projeto de lei por ela apresentado para mudar o Código Civil na disciplina das relações matrimoniais, com o objetivo de evitar constrangimentos a pessoas da comunidade LGBTQIA+ e assegurar o tratamento igualitário. 

Além de sugerir que a parlamentar fosse eliminada, o apresentador também dirigiu ofensas à autora do projeto, em "tom jocoso e ameaçador”, conforme ressalta o ofício, mediante expressões: “Você não tem o que fazer”; “vai lavar roupa”; “vá costurar a calça do seu marido”; “a cueca dele”; “vá lavar louça”; “isso é uma imbecilidade esse tipo de coisa”. O ofício enviado ao MP Eleitoral no Distrito Federal foi assinado pelas coordenadoras do GT Prevenção e Combate à Violência Política de Gênero, Raquel Branquinho e Nathália de Souza.

Secretaria de Comunicação Social
Procuradoria-Geral da República

 

Natália Bonavides esclarece:

Saiba a verdade sobre o nosso projeto de respeito à diversidade nas celebrações de casamento civil!
 
✔️VERDADE
O nosso Projeto de Lei 4004/2021 tem um objetivo: garantir o respeito e a inclusão nos casamentos celebrados em cartório.
A proposta é simples: que na cerimônia civil seja usada a expressão “declaro firmado o casamento”. Isso porque hoje em dia, mesmo com o casamento homoafetivo sendo reconhecido há 10 anos, existem diversos relatos de constrangimento de casais homoafetivos sendo chamadas de “marido e mulher”, com o pretexto de que é a lei que exige isso.
 
❌MENTIRA
Não é verdade que o projeto tira expressões como pai e mãe das certidões de nascimento. Isso é mentira. Assim como não é verdade que padres ou pastores deixarão de usar "marido e mulher". O Projeto trata unicamente da cerimônia civil. Não retira direitos, pelo contrário, inclui.
Nos ajude a compartilhar a verdade e defender que todas e todos sejam respeitados.

Pode ser uma imagem de texto que diz "DECLARO FIRMADO Ο CASAMENTO İ M Já parou pra pensar por que tem gente que se incomoda com isso? DEPUTADA FEDERAL-PT NATÁLIA - BONAVIDES"

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub