Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

17
Fev22

A reviravolta da liberdade de expressão e de imprensa no mundo

Talis Andrade

comunicação conversa Mohammad Saba'aneh.jpg

 

Por Ruy Dourado /ConJur

A liberdade de expressão e de imprensa não se confundem, mas caminham lado a lado , são importantes para o desenvolvimento humano, social e político de qualquer país.

A liberdade de expressão assegura o direito de manifestação do pensamento, de opiniões e ideias. Já a liberdade de imprensa decorre do direito de informação. O artigo 1º da Lei 2.083/1953 assegura que "é livre a publicação e a circulação no território nacional de jornais e outros periódicos".

Ambos são considerados como direitos fundamentais e garantidos pelo artigo 5º da Constituição Federal de 1988.

Entretanto, estamos observando que esses direitos vêm sendo ao longo deste século fustigados por investidas muitas vezes sutis, e outras nem tanto, por governos travestidos de democracia, quando na verdade não passam de verdadeiros manipuladores da população para perpetuarem seus objetivos, muitas vezes inconfessáveis.

O mundo mudou. Isso é fato. Hoje temos as mídias sociais ditando o certo e o errado, o populismo escancarado em certos continentes, aumento da pobreza, concentração de capital etc.

Como se tudo isso não bastasse, ainda surgiu uma pandemia no meio do caminho, que vem "autorizando" governos a adotarem medidas que flagrantemente violam o direito dos cidadãos e as liberdades individuais. Como todo evento histórico depende de algum tempo para ser entendido, teremos de aguardar o distanciamento necessário desses fatos para realmente entendermos o que tudo isso irá significar para a humanidade.

Contudo, o mais curioso de tudo isso é que desde já identificamos o que parece ser um alinhamento mundial na busca pelo controle dos seus cidadãos e de suas vidas privadas, sob o pretexto, entre outros, de aumentar a segurança contra atos terroristas, evitar ataques cibernéticos e, mais recentemente, controlar a pandemia da Covid-19 e suas mutações.

No Democracy Index de fevereiro de 2021, da Economist, constatou-se que, em tradução livre, "bloqueios impostos pelo governo e outras medidas de controle de pandemia levaram a uma enorme reversão das liberdades civis em 2020, causando um rebaixamento na maioria dos países".

Temos observado uma deterioração na defesa das garantias à liberdade expressão e de imprensa em diversos países e, ao mesmo tempo, um silêncio ensurdecedor dos operadores do Direito nas suas diferentes frentes.

A título de exemplo do que estamos discorrendo neste breve texto, merece destaque a virada do nosso vizinho Uruguai, que, a partir de um pacote legislativo abrangente, incluiu restrições à liberdade de expressão.

E isso em um país que, desde o seu retorno à democracia, tem sido destacado como um exemplo democrático na América Latina, ficando dez posições à frente dos Estados Unidos no mesmo Democracy Index, de 2020, da Economist.

Sob o pretexto de conter o aumento da criminalidade, a Lei de Urgente Consideração (LUC) prevê maiores poderes para conter manifestações, endurece sentenças e limita as chances de relaxamento de prisão.

Tudo o que vemos no momento atual da humanidade cria um ambiente hostil para se viver em liberdade plena. Poderíamos citar diversos exemplos do aumento do controle pelo Estado da vida das pessoas pelo mundo.

Mas o que este singelo texto pretende provocar é a reflexão dos operadores do Direito para que fiquem atentos a todas essas investidas ao controle indiscriminado das liberdades individuais e da imprensa, que muitas vezes vêm vestidas de uma narrativa enviesada e que, na verdade, visam a promover interesses próprios e perpetuar o controle sobre a vida das pessoas.

comunicação conversa vida moderna Adán Igles

19
Ago21

Charges críticas de Gilmar despertam a esperança em um futuro melhor

Talis Andrade

Gilmar Machado no Twitter
 
Quase 85 milhões de pessoas no Brasil convivem, no mínimo, com a incerteza sobre o acesso a comida.Image
Carne, gasolina, luz... Tem muita gente assustada com os preços de itens básicos, que seguem crescendo. Enquanto isso, o presidente genocida segue em campanha eleitoral achando que vai se reeleger.
 
Image
Alexandre Garcia e Augusto Nunes. Não é burrice ou transtorno mental, é preço e cumplicidade.
Image
Val Gomes entrevista Gilmar Machado

O cartunista/chargista Gilmar Machado Barbosa acredita na força da arte, aliada à comunicação social, para fazer com que os leitores reflitam mais sobre a realidade e exerçam sua cidadania em busca dos direitos e da liberdade. Nesta entrevista à Rádio Peão Brasil, Gilmar fala também da necessidade de organização da categoria e da valorização dos cartuns e charges. “Não é hobby, é um trabalho que precisa ser respeitado e bem remunerado”.

 

Val Gomes Rádio Peão Brasil – O cenário atual para a classe trabalhadora e o movimento sindical é difícil e desafiador. Você busca em teus trabalhos refletir sobre este momento de que forma: com mais humor ou mais crítica?

Gilmar Machado – Certamente com menos humor. Se alguém rir com minhas charges recentes ficarei com um grande ponto de exclamação na cabeça. A situação é crítica, vivemos momentos de retrocesso e incertezas. Já fiz humor pelo humor. Hoje, diante da situação em que o País vive, faço charges críticas e reflexivas, retratando não só a dureza dos fatos, mas também um respiro de esperança. É o que estamos precisando no momento.

 

RPB – As entidades sindicais representativas e atuantes investem em departamentos de imprensa sindical, na produção de jornais, boletins, páginas na Internet e redes sociais. Nestes materiais, as charges, as ilustrações e os cartuns costumam tornar a leitura mais agradável. Por que este fenômeno ocorre? O que torna um desenho forte, expressivo e chamativo?

Gilmar – A charge, ilustração e a tirinha são muito objetivas e diretas pela forma gráfica. Faz uma ponte até o texto. Muitas vezes a charge por si só já passa a informação e, além disto, provoca o leitor a refletir e se indignar. É uma poderosa ferramenta de comunicação entre o Sindicato e trabalhador. O dirigente que tem esta visão e usa este trabalho certamente tem uma melhor comunicação com a sua base.

 

RPB – Além dos ataques aos direitos sociais, trabalhistas e previdenciários da classe trabalhadora, há no País uma “onda” conservadora contrária aos avanços da democracia e à liberdade, inclusive artística. São realmente preocupantes estes sinais de autoritarismo e intolerância? O que devemos fazer para impedir os retrocessos?

Gilmar – Há uma artilharia pesada contra todos os avanços sociais e culturais. E as armas são estas mesmo: lutar, mobilizar e ir pra rua. Os movimentos sociais e culturais têm um papel fundamental nisto. Apesar de toda esta situação crítica, já não somos tão passivos, estamos aprendendo a ir pra rua e exigir o que nos é de direito.

 

RPB – Os chargistas e cartunistas são uma categoria unida e atuante ou precisam estar mais bem organizados?

Gilmar – É uma categoria que tem muita dificuldade de organização por conta da sua característica de trabalho muito isolada. Nosso trabalho é muito individual e solitário. Existem tentativas de organização como entidade, mas é muito frágil, sem sustentabilidade.

 

RPB – Quais as principais reivindicações de um chargista/cartunista no Brasil e em quais países a categoria está mais consolidada em direitos autorais e economicamente?

Gilmar – Eu vi muitos jornais e revistas morrerem, nossas principais fontes de trabalho. O mercado editorial impresso vive esta crise também por conta da metamorfose dos meios de comunicação. Estamos lutando para nos adequar e sobreviver às novas mídias virtuais e as reivindicações são as mesmas de sempre: reconhecimento profissional e remuneração decente. Muitos acham ainda que é um trabalho de hobby, que as imagens não têm direitos autorais, que aperta um botão e tá pronto, que porque está na Internet pode usar e alterar livremente, que apenas o crédito já é pagamento. Obviamente que na Europa, onde se tem uma valorização cultural muito maior, o trato com este tipo de profissional/artista é bem diferente.

 

RPB – Que trabalho atual teu você gostaria que os leitores vissem e por que ele é significativo?

Gilmar – Tenho explorado atualmente a figura da criança nas charges como forma de despertar a esperança e acreditarmos que um futuro melhor é possível.

Sobre Gilmar Machado

Gilmar Machado começou na imprensa sindical nos anos 1990 no Grande ABC, trabalhando nesta época para a maioria dos sindicatos. Depois migrou para a chamada “grande imprensa”, fazendo tiras diárias para o então Diário Popular. Faz charges e tiras para a Força Sindical e para o site Rádio Peão Brasil. Tem trabalhos publicados na Folha de S.Paulo, Diário de S.Paulo, Diário do Grande ABC, Jornal do Brasil, A Cidade, Tribuna de Vitória, Diário da Região, O Pasquim21, Jornal Vida Econômica de Portugal e Humor UOL e para as editoras FTD, Paulinas, Senac, Moderna, Abril e Globo.

É autor de livros de tiras/quadrinhos, entre eles: “Mistifório”, pela Editora Boitatá, com apoio cultural da Força Sindical e do Centro de Memória Sindical. Recebeu o prêmio HQ MIX de melhor cartunista brasileiro, e em 2006, conquistou o Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos.

Acompanhe o trabalho do cartunista: Blog do Gilmar  Instagram Cartunista das Cavernas

Image

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub