Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

10
Out19

O grito de uma geração

Talis Andrade
Garota segura cartaz durante protesto em São Paulo, na última sexta, contra as mudanças climáticas.
Garota segura cartaz durante protesto em São Paulo, na última sexta, contra as mudanças climáticas.MIGUEL SCHINCARIOL (AFP)

 

Greta Thunberg e os milhões de jovens ativistas que ocuparam – e seguirão ocupando – as ruas do planeta, também no Brasil, representam a primeira grande adaptação à emergência climática

“Nossa casa está em chamas. Eu quero que vocês entrem em pânico.” Quando Greta Thunberg diz frases como essas aos adultos, ela está anunciando a maior inflexão histórica já produzida por uma geração. Pela primeira vez na trajetória humana os filhotes estão cuidando do mundo que os espécimes adultos destruíram – e seguem destruindo. Esta é uma inversão no funcionamento não só da nossa, mas de qualquer espécie. A mudança responde a uma enormidade. A emergência climática é a maior ameaça já vivida pela humanidade em toda a sua história. Quando ouvimos o grito de Greta e dos milhões de jovens inspirados por ela, um grito que ressoa em diferentes línguas e geografias, é esta a ordem de grandeza do que testemunhamos. Escutar é imperativo.

Em poucos meses, Greta tornou-se uma das pessoas mais influentes do planeta. Tinha 15 anos quando deixou de comparecer às aulas e se sentou diante do parlamento sueco, em agosto de 2018: “Estou fazendo isso porque vocês, adultos, estão cagando para o meu futuro”. De que adianta ir à escola se não vai ter amanhã? A pergunta, que para muitos soava insolente, era justa. Mais do que justa, expressava uma lucidez que a sociedade não esperava de crianças e adolescentes. Logo, Greta não estava mais só.

O movimento Fridays for Future passou a levar toda semana dezenas de milhares de estudantes às ruas, numa greve escolar pelo clima. Em março de 2019, a primeira greve global levou 1,5 milhão de adolescentes às ruas do mundo. Em 20 de setembro, mais de quatro milhões deixaram as escolas para gritar pela emergência climática, em uma das maiores manifestações globais da história. Hoje há milhões de Gretas, da Amazônia a Austrália, da Sibéria a Nova York.

De repente, crianças e adolescentes perceberam que seu mundo era governado por adultos como Donald Trump (e Recep ErdoganViktor OrbánRodrigo Duterte...). Para piorar o cenário global, o Brasil, país que abriga 60% da Amazônia, floresta estratégica para a regulação do clima do planeta, passou a ser comandado pelo populista de extrema direita Jair Bolsonaro, um homem que defende que o aquecimento global é um “complô marxista”. Leia mais no El País

martirena amazonia.jpg

 

27
Set19

Eduardo Bolsonaro espalha fake news sobre jovem Greta para defender destruição ambiental

Talis Andrade

greta embaixador .jpg

O papel de caluniar Greta coube a Eduardo Bolsonaro, candidato a embaixador nos EUA: o deputado do PSL compartilhou uma fotomontagem em que a ativista estaria tomando café da manhã enquanto seria observada pela janela de um trem por crianças famintas, indiferente ao seu sofrimento. Além da montagem, o tweet (veja abaixo) de Eduardo Bolsonaro ainda mentia, dizendo que a menina seria financiada pelo multimilionário George Soros:

Eduardo Bolsonaro🇧🇷@BolsonaroSP
 

"Vocês roubaram minha infância..." disse a garota financiada pela Open Society de George Soros.

View image on TwitterView image on Twitter
 

Não satisfeito com suas calúnias, após ser denunciado amplamente por divulgar as fake news contra Greta, Bolsonaro fez mais um tweet sobre o tema, dessa vez com um meme satirizando a frase do discurso da jovem que se tornou mais famosa “Vocês roubaram meus sonhos”. Ao lado, uma foto de seu pai, o presidente, comendo sonhos (o doce).

Eduardo Bolsonaro🇧🇷@BolsonaroSP
 

Vocês roubaram meus sonhos! 😂

View image on Twitter
Esses puritanos - pastores deputados, deputados do PSL, das bancadas da bala e da Bíblia, ministros de Bolsonaro,  sempre receitam sexo como cura.

Sexo bom depende, e muito, da saúde do corpo e da mente. 
Eduardo imita o radialista Gustavo Negreiros, da rádio 96 FM de Natal (RN), que fez ofensa misóginas contra Greta Thunberg, de 16 anos. Para o locutor potiguar, a garota que defende pautas ambientais “está precisando de sexo”.
 
A fala de Negreiros gerou revoltas nas redes sociais e danos financeiros para ele. Mesmo soltando uma nota pedindo desculpas, o seu programa perdeu os principais patrocinadores.

“Ela é uma histérica, ela é uma mal amada. Vá fumar seu baseadinho lá na Suécia”, disse. “Ela está precisando de um homem, ou macho ou uma fêmea. Se ela não gosta de homem, que ela pegue uma mulher”, completou.

Intervencao-militar-brasil.jpg

autosustentável.jpg

 

 
 
 
23
Set19

O dilema de Bolsonaro

Talis Andrade

ral onu.jpg

 

Por Eric Nepomuceno

Versão em espanhol

Na sexta-feira 20 de outubro os médicos que tratam de Jair Bolsonaro o examinaram em Brasilia e decidiram liberá-lo para viajar a Nova York. O ultradireitista continua se recuperando da cirurgia de uma hérnia abdominal.

Na mesma sexta-feira milhões de manifestantes saíram às ruas de mais de 150 países em protesto contra o aquecimento global e como forma de pressão sobre os líderes globais, nas vésperas da Cúpula de Ações Climáticas da ONU na segunda dia 22 em Nova York. 

O Brasil não se pronuncia na reunião, encabeçada pelo português Antônio Guterrez, secretário-geral das Nações Unidas, pela simples razão de não ter enviado nenhuma proposta relacionada ao tema. 

Nesta terça acontecerá a abertura do novo período da Assembléia Geral de la ONU. Por tradição, cabe ao presidente brasileiro o discurso inaugural.

Será uma oportunidade de ouro para Bolsonaro expor ao mundo sua visão sobre o que acontece no Brasil, com ênfase na questão da Amazônia.

Nos últimos dias fontes do governo falaram à imprensa sobre alguns dos temas que serão abordados: defesa intensa da soberania nacional, aclarações sobre a situação ambiental e as medidas de proteção adotadas, e, ao mesmo tempo, críticas contundentes a Cuba e Venezuela. 

Tambem informaram de reuniões entre o presidente, seu filho deputado Eduardo, e os ministros de Relações Exteriores, uma aberração chamada Ernesto Araujo, e de Segurança Institucional, o ultra-reacionário general Augusto Heleno Pereira. 

Nesses encontros foi elaborado o discurso que Bolsonaro pronunciará. Esqueceram de mencionar que as linhas básicas vieram de Steve Bannon, ex assessor de comunicação de Donald Trump e cabeça de um movimento neofascista que pretende se expandir pelo mundo.

Até que ponto Bolsonaro será honesto em suas palavras? Será possível crer no que diga? Irá repetir que o aquecimento global não passa de manobra do ‘marxismo cultural’?

Antônio Guterrez deu ênfase ao que dizem prácticamente todos os cientistas do mundo: se não forem adotadas medidas urgentes, neste século a temperatura aumentará pelo menos três graus. Teremos catástrofes naturais de todo tipo, de secas cruéis a inundações ferozes, o nivel do mar subirá drásticamente, perderemos parte substancial das selvas, entre outros horrores. 

O Brasil tem responsabilidade direta nessa luta. Mas, para Bolsonaro, o que dizem os cientistas mundo afora é pura balela.

Agora, é esperar para ver se ele terá dignidade suficiente para, diante de representantes e chefes de governo ou Estado de mais de 190 países, revelar ao mundo o que emissários e assessores dele anunciam em reuniões ultra-privadas com empresários, possíveis investidores, chefes políticos e militares de diferentes graduações. 

Documentação obtida pelo The Intercept, do jornalista norte-americano Glenn Greenwald, e que inclui a gravação do que foi dito em um desses encontros, mostra que o verdadeiro projeto do governo para a Amazônia consiste em adotar medidas para ocupar a região e assegurar a tão propalada soberania nacional, enquanto se evitam ameaças externas, algumas delirantes como uma possível invasão chinesa pela fronteira do Suriname para se apoderar de ‘áreas do solo pátrio’. 

Entre as iniciativas concretas do governo apresentadas nessas reuniões, que começaram em fevereiro, está o aumento da exploração de minério, a abertura de ‘zonas cultiváveis’, além da revisão dos ‘obstáculos’ representados por reservas indígenas, quilombolas e áreas de proteção ambiental. Também se planeja realizar ‘grandes obras’ e, claro, flexibilizar a ‘indústria das multas’, o seja, a fiscalização.

Se disser essa e outras verdades, Bolsonaro será massacrado. 

Se mentir, como se espera dele, será ridicularizado. 

Esse o seu grande dilema.

onu bolsonaro_fred.jpg

 

22
Dez18

Briga por terras indígenas no Brasil esconde catástrofe ecológica na Amazônia

Talis Andrade
 

 

Briga por terras indígenas no Brasil esconde catástrofe ecológica na Amazônia
 
Em maio de 2017, uma manifestação em solidariedade ao povo Guarani-Kaiowá, com a presença do cacique Ládio Verono, foi realizada em Paris. MD18/Facebook

A revista semanal "M", publicada pelo jornal Le Monde, dedica uma edição especial à catástrofe climática que ameaça o mundo, caso não sejam tomadas medidas drásticas e urgentes de combate ao aquecimento global. No Brasil, as terras indígenas e a Amazônia estão mais do que nunca ameaçadas pela política de Jair Bolsonaro para essa área.

A revista "M" explica que até o americano Donald Trump está em posição delicada para continuar negando as mudanças climáticas depois das temperaturas recordes registradas em 2018, dos incêndios fatais na Califórnia, sem falar nas tempestades e inundações em várias regiões do planeta.

Os especialistas em clima ficaram deprimidos com essa vitória amarga da razão sobre a ignorância, uma realidade constatada há vários anos por estudos científicos, mas que são desvalorizados pela insanidade de personagens como Trump e o futuro governo brasileiro, constata a revista.

Os planos de Jair Bolsonaro para a Amazônia são relatados em uma reportagem que visitou a reserva de Dourados, no Mato Grosso do Sul, onde indígenas Guarani-Kaiowá são maltratados há mais de um século no Brasil, assinala a publicação. A reportagem mostra como pistoleiros são contratados por fazendeiros para assassinar os índios, considerando que eles "invadem" terras "privadas".

Um relatório do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) mostrou que no ano passado 110 índios foram assassinados no Brasil, 1.119 nos últimos 15 anos, cita a revista "M". As ações dos fazendeiros, associadas ao uso intensivo de pesticidas na agricultura brasileira, provocam um genocídio que consome pouco a pouco os povos indígenas autóctones.

Bolsonaro e a teoria do complô

A chegada de Bolsonaro ao poder é uma catástrofe anunciada não só para os índios que sobreviveram ao sistema colonial arcaico brasileiro, mas para toda a Amazônia, avalia a revista. "Com Bolsonaro no governo, alguns temem o desaparecimento completo dos Guarani-Kaiowá, espelho da crueldade e do absurdo humanos", diz o texto. O desmatamento da Floresta Amazônica avança inexoravelmente e pode alcançar, em pouco tempo, um ponto irreversível.

No Brasil de Bolsonaro, o índio e a floresta que eles preservam são vistos como sinônimos de "atraso", o aquecimento global como "um complô internacional visando diminuir o potencial da agricultura brasileira", destaca a reportagem. "As igrejas evangélicas participam dessa demonização dos índios [...], quando os povos nativos da América Latina seriam os únicos guardiães de uma sabedoria que poderia salvar o mundo do apocalipse climático", conclui com tristeza e indignação a revista "M".


 

  • Acabar com a demarcação de terras indígenas é um crime, uma catástrofe, diz ambientalista

    Saiba mais

  • Brasil está entre criadores de problemas do clima, diz jornal francês Libération

    Saiba mais

  • Decisão de anular COP25 no Brasil é vista como sinal de retrocesso

    Saiba mais

 
07
Dez18

Os "malucos" sapateiam no palco

Talis Andrade

Aqueles que não eram levados a sério hoje têm poder atômico e também o de destruir a Amazônia

_pelicano bolso continência trump.jpg

 

El País/ Espanha
 
 

Nas últimas décadas existiu um consenso de que, diante dos absurdos que eram ditos nas redes e em outros espaços, a melhor estratégia era não responder. Contestar pessoas claramente mal intencionadas e intelectualmente desonestas, em sua busca furiosa por fama, seria legitimá-las como interlocutor, dando crédito ao que diziam. E, assim, servir de escada para que ganhassem mais visibilidade. A frase popular que expressa essa ideia é: “Não bata palmas para maluco dançar”. A eleição de Donald Trump, de outros populistas de extrema-direita e agora de Jair Bolsonaro revelou que este foi um equívoco que vai custar muito caro.

O que se deixou de perceber é que, com a internet, os "malucos" já tinham um palco nas redes sociais e no YouTube, assim como a capacidade de multiplicá-lo sem serem perturbados no WhatsApp. As falsas teorias que inventavam eram lidas como se fossem sérias e confiáveis. Os palcos haviam mudado de lugar e os “malucos” dançaram sem serem confrontados com fatos nem incomodados por ideias. As palmas só aumentavam de volume enquanto os ilustrados torciam o nariz ou esboçavam sorrisos de superior ironia.

 

Os “malucos” não só dançaram, como sapatearam. Em seguida, passaram a afirmar seus pensamentos como “verdades” – e verdades únicas. O próximo passo foi conquistar o poder. Hoje os “malucos” não só ocupam os palcos mais centrais como têm o poder atômico de explodir o mundo, como Trump, ou acabar com a Amazônia, como Bolsonaro.

 

Se a eleição de Trump já havia exposto essa realidade, a de Bolsonaro é ainda mais emblemática. No caso de Trump, ao menos se poderia contrapor que o presidente americano é um bem sucedido homem de negócios, algo bastante valorizado no país do “faça-se a si mesmo”, frase usada para encobrir desigualdades decisivas para o destino de cada um. No caso de Bolsonaro, apesar de ele se apresentar e ser apresentado como “capitão reformado”, o presidente eleito passou os últimos 28 anos como um político profissional com pouca ou nenhuma importância para as grandes decisões do Congresso, ganhando espaço no noticiário apenas como personagem burlesco. Conseguiu se eleger sem sequer participar de debates no segundo turno – ou exatamente por isso –, porque dominava os palcos que importavam para ganhar a eleição.

 

Bolsonaro, que é chamado de “mito”, é um mitômano

 

Embora Bolsonaro só assuma oficialmente em janeiro, claramente o governo de Michel Temer acabou em 28 de outubro, quando o deputado se elegeu presidente. Hoje os brasileiros percebem que aquilo que parecia ser um universo paralelo, que só em situações excepcionais cruzava com o real, se tornou o que podemos chamar de realidade. O homem que já governa o Brasil, chamado de “mito” por seus seguidores, é um “mitômano”.

 

O que sabemos até agora é que Bolsonaro venera três figuras masculinas: Carlos Alberto Brilhante Ustra, militar e torturador da ditadura (1964-85); Olavo de Carvalho, que se apresenta como filósofo e se popularizou na internet depois de ser colunista da grande imprensa, e Donald Trump. Ustra desponta como a referência ética de Bolsonaro, Carvalho como seu guru intelectual e Trump é seu farol como líder. Por enquanto, temos uma trindade. E, neste ponto, Bolsonaro poderia interromper para afirmar que Deus acima de todos, já que Deus passou a ser um ativo na economia política que tem regido o Brasil atual.

 

A trindade de Bolsonaro é composta por um torturador, um guru e... Trump

 

Carlos Alberto Brilhante Ustra já foi amplamente descrito. Ele é reconhecido como torturador pela justiça brasileira e, conforme testemunhos, seria responsável por pelo menos 50 assassinatos. Como torturador, foi capaz de espancar grávidas e de levar crianças para ver o corpo destruído dos pais. Olavo de Carvalho já se manifestou contra campanhas de vacinação, isso num país que assiste a doenças consideradas erradicadas voltarem a ameaçar por baixa cobertura vacinal. Mora nos Estados Unidos desde 2005 e dá cursos de filosofia em vídeos transmitidos pela internet. Em recente entrevista à jornalista Júlia Zaremba, na Folha de S. Paulo, Carvalho assim se manifestou, ao ser perguntado sobre educação sexual nas escolas:

 

"Quanto mais educação sexual, mais putaria nas escolas. No fim, está ensinando criancinha a dar a bunda, chupar pica, espremer peitinho da outra em público. Acham que educação sexual está fazendo bem, mas só está fazendo mal. O Estado não tem que se meter em educação sexual de ninguém".

 

A credibilidade não é mais construída por uma reputação baseada em conhecimentos expostos ao debate, mas pela percepção emocional de “autenticidade”

 

A linguagem que o mentor intelectual do novo presidente do Brasil leva para a imprensa formal é a que rege a internet. Não há qualquer base para o que afirma, não há um único caso confirmado de que alguma criança foi ensinada na escola a “dar a bunda, chupar pica, espremer peitinho da outra em público”. Isso até hoje não existe como fato. Mas não importa. As afirmações não precisam estar enraizadas em fatos, basta serem ditas. A verdade foi convertida em autoverdade. E a credibilidade não é construída por uma reputação de conhecimentos postos à prova e expostos ao debate, mas pela percepção emocional de “autenticidade” daquele que a consome.

 

É “verdade” porque Olavo de Carvalho diz que é verdade o que claramente inventou. E é verdade porque, individualmente, cada seguidor de Olavo de Carvalho decidiu que é verdade. E, desde 29 de outubro, dia seguinte ao segundo turno eleitoral, é verdade também porque Olavo de Carvalho é a referência intelectual do presidente da (ainda) oitava economia do mundo.

A partir de suas autoverdades, Olavo de Carvalho indicou dois ministros do novo governo: o das Relações Exteriores, o diplomata Ernesto Araújo, e o da Educação, o colombiano radicado no Brasil Ricardo Vélez Rodríguez. Na mesma entrevista, Carvalho conta o processo pelo qual conseguiu emplacar dois ministros para governar o Brasil:

 

"Coloquei no Facebook, creio que coloquei também na área de mensagens do Eduardo Bolsonaro (em rede social). Foi tudo. Eu sei que o Bolsonaro lê as minhas coisas e a gente está vendo que leva bastante a sério. Eu fico muito lisonjeado com isso. (...) Sugeri esses dois simplesmente porque me ocorreu na hora".

 

A conturbada escolha do ministro da Educação explicitou a forma como o novo governo já começou a operar. O primeiro indicado, Mozart Neves Ramos, diretor do Instituto Ayrton Senna, foi derrubado pelos evangélicos porque seria “esquerdista”. Em seguida, foi cogitado o procurador Guilherme Schelb, próximo do líder evangélico Silas Malafaia e defensor do “Escola Sem Partido”, projeto que busca censurar conteúdos e professores. Ao sair do encontro com Bolsonaro, Schelb fez a seguinte afirmação à imprensa:

 

"Eu não posso dar tarefa de casa, como tem sido feito, para criança de 8, 9 anos aprender discussão de gênero, o que é sexo grupal, como dois homens transam? O que é boquete? Isso é uma discussão de gênero, é uma violação da dignidade da criança".

 

Como a autoverdade dispensa os fatos, Schelb não foi incomodado pelo inconveniente de provar o que diz. Como por exemplo: em quais escolas do país e em quantas escolas do país crianças de 8 e 9 anos estão aprendendo sobre o que é boquete e sobre como dois homens transam? Onde está a tarefa de casa em que uma criança de 8, 9 anos precisa descrever um boquete e como dois homens transam?

 

A sociedade é levada a acreditar que as salas de aula são uma suruba permanente enquanto o real problema é empurrado para as sombras

 

Seria preciso perguntar onde isso está acontecendo e em que proporção isso está acontecendo no país. E o procurador precisaria responder. Com provas verificadas. Mas não há necessidade de provar. Basta dizer. Qualquer coisa. E assim vai crescendo no país o número de pessoas que acreditam que o cotidiano das salas de aula brasileiras é uma suruba permanente, quando os reais problemas, o baixo salário dos professores e a comprovada baixa qualidade do ensino ministrado no Brasil, são convenientemente empurrados para as sombras.

 

Dito de outro modo: o problema inventado se torna mais real do que o problema que de fato existe e que condena milhões de brasileiros às consequências de uma educação falha, limitando seu acesso ao mundo e suas possibilidades de uma vida plena.

 

Por fim, Bolsonaro acolheu a indicação de seu guru, Olavo de Carvalho: entre as várias crenças de Vélez Rodríguez, o futuro ministro da Educação, está a de defender que 31 de março de 1964, data do golpe que deu origem a uma ditadura de 21 anos, “é um dia para ser lembrado e comemorado”. Também critica a Comissão da Verdade, que apurou as torturas, sequestros e assassinatos cometidos por agentes de Estado durante o regime de exceção: “A malfadada ‘Comissão da Verdade’ que, a meu ver, consistiu mais numa encenação para ‘omissão da verdade’, foi a iniciativa mais absurda que os petralhas tentaram impor”. Nos próximos meses, a sociedade brasileira descobrirá como será ter a área da educação comandada por alguém que frauda os fatos históricos.

 

O futuro chanceler acusa a esquerda de ser “antinatalista”, mas omite que seu chefe defendeu a esterilização de mulheres para combater a pobreza e o crime

 

Vélez Rodríguez foi o segundo nome emplacado por Olavo de Carvalho. O primeiro foi Ernesto Araújo. As crenças do futuro chanceler já se tornaram piada internacional. Em seu blog chamado “Metapolítica 17” (número de Bolsonaro na cédula eleitoral), criado para apoiar seu futuro chefe, Araújo afirma que mudança climática é uma “ideologia de esquerda”. Também acusa o PT e a esquerda de “criminalizar o desejo do homem pela mulher, os filmes da Disney, a carne vermelha” e “o ar-condicionado”. Chegou a escrever que o PT “quer impedir que crianças nasçam” porque, para a esquerda, “todo o bebê é um risco para o planeta porque aumentará as emissões de carbono”.

 

Ao empilhar falsidades, Araújo omitiu uma verdade comprovada e documentada sobre seu candidato e agora chefe: nas últimas duas décadas, Bolsonaro defendeu a esterilização de mulheres e um rígido controle de natalidade como meios para combater a pobreza e a criminalidade. Mas quem se importa com fatos quando seus seguidores acreditam em qualquer mentira que ele disser que é verdade?

 

O problema é que nenhuma das afirmações escritas do futuro chanceler é piada. Ao contrário. É muito sério. Primeiro, porque Bolsonaro e parte de seu entorno manipulam essas mesmas mentiras. Segundo, porque os seguidores do presidente acreditam que são verdades. Terceiro, porque elas já começam a produzir consequências. O Brasil desistiu de sediar a próxima Conferência do Clima, a COP 25, em 2019, uma distinção que o governo brasileiro pediu e, dois meses atrás, Michel Temer (MDB) comemorou. Bolsonaro afirmou ter participado desta decisão e feito uma recomendação ao seu futuro ministro, Ernesto Araújo, para evitar a realização do mais importante evento mundial do clima no Brasil.

 

Está em curso a sexta extinção em massa na trajetória do planeta, a primeira causada pelos humanos

 

A liderança no debate da crise climática é a única que o Brasil teria as melhores condições para disputar, por ter no seu território a maior porção da maior floresta tropical do planeta, estratégica para o controle do aquecimento global. O país é também o mais biodiverso do mundo. Entre 1970 e 2014, a humanidade já destruiu 60% de todos os mamíferos, pássaros, peixes e répteis. Desde que os humanos apareceram na Terra, já desapareceram metade das plantas. O continente sul-americano é um dos que mais rapidamente está perdendo biodiversidade. Está em curso a sexta extinção em massa, a primeira causada pelos humanos.

 

Até a eleição de Bolsonaro, o Brasil tinha um papel de protagonista no debate do clima e da biodiversidade, no cenário mundial. Estes são os dois maiores desafios da atualidade, porque afetam todas as outras áreas, inclusive e muito fortemente o agronegócio. Hoje, em Katowice, na Polônia, é realizada a COP 24. Graças às declarações de Bolsonaro e Araújo, o Brasil é má notícia. Como foi má notícia no final de novembro, durante a Conferência Mundial da Biodiversidade.

 

Ao aceitar o convite para ser o futuro chanceler, Araújo abriu uma conta no Twitter. Como seu chefe, ele quer falar diretamente com os seguidores. Recentemente, escreveu um texto defendendo que sua indicação representaria um “mandato popular” no Itamaraty. Suas crenças supostamente representariam a vontade do povo no cenário externo. Araújo tenta seguir o mesmo caminho de seu padrinho, Olavo de Carvalho. Falando diretamente com os seguidores e desqualificando qualquer mediador, como a imprensa, a academia e mesmo seus pares, Araújo não precisa provar o que diz nem ter suas afirmações confrontadas com os fatos. Fala sozinho. Mas, para isso ser legítimo, como membro de um governo populista, precisa convencer o povo que fala pelo povo. Ou que o povo fala pela sua boca.

 

A certa altura, escreve: “E o povo brasileiro? Vocês não se preocupam com o que o povo brasileiro vai pensar de vocês? Sabem quem é o povo brasileiro? Já viram? Já viram a moça que espera o ônibus às 4 horas da manhã para ir trabalhar, com medo de ser assaltada ou estuprada? A mulher que leva a filha doente numa cadeira de rodas precária, empurrando-a de hospital em hospital sem conseguir atendimento? O rapaz triste que vende panos no sinal debaixo do sol o dia inteiro para mal conseguir comer? A mulher que pede dinheiro para comprar remédio, mas na verdade é para comprar crack e esquecer-se um pouco da vida? O outro rapaz atravessando a rua de muletas, com uma mochila toda rasgada às costas, na qual pregou o adesivo do Bolsonaro, talvez sua esperança de dar dignidade e sentido à sua luta diária? O pai de família com uma ferida na perna que não cicatriza nunca porque ele precisa trabalhar três turnos para poder alimentar os filhos? Aí está o povo brasileiro, não está no New York Times”.

 

Não é porque o chanceler de Bolsonaro não acredita em aquecimento global que o planeta vai deixar de aquecer e afetar a vida de milhões de pessoas

 

Como Araújo pretende falar diretamente com “o povo”, mas numa via de mão única, em que ele fala e o povo engole, ele prefere não explicar ao povo que são os mais pobres que sofrerão o maior impacto das mudanças climáticas. As pessoas em regiões de baixa renda têm sete vezes mais chances de morrer quando expostas a riscos naturais do que populações equivalentes em regiões de alta renda. Os mais pobres também têm seis vezes mais chances de serem feridos ou de precisarem se deslocar, abandonando suas terras e casas. O Brasil tem perdido mais de 6,4 bilhões de reais por ano com eventos extremos, como tempestades e inundações, provocados por mudanças climáticas.

 

A crise do clima tanto reflete a desigualdade abissal do Brasil quanto a amplia. São estas mesmas pessoas que Araújo diz conhecer – e seus críticos não – as que vão sofrer mais por ter um chanceler como ele. Não é porque Araújo não acredita em aquecimento global que o planeta vai deixar de aquecer e afetar a vida de milhões também no Brasil.

 

Ao final do texto, o chanceler se trai. Parte do povo, aquela que discorda dele, não entende nada. O chanceler com “mandato popular” diz ao “povo” que ele precisa deixar as decisões para quem sabe e para quem estudou: “Se você repudia a ‘ideologia do PT’, mas não sabe o que ela é, desculpe, mas você não está capacitado para combatê-la e retirá-la do Itamaraty ou de onde quer que seja. Ao contrário, você está ajudando a perpetuá-la sob novas formas. Se a prioridade é extrair a ideologia de dentro do Itamaraty, não lhe parece conveniente ter um chanceler capaz de compreender a ideologia que existe dentro do Itamaraty? Alguém que estuda essa coisa nos livros, há muitos anos, e não simplesmente ouviu alguma referência num segmento do Globo Repórter?”.

 

Como tudo pode ser muito pior, o Brasil não tem apenas um chanceler desastroso, mas dois. Na semana passada, o presidente eleito despachou um de seus filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro, para bajular Donald Trump, o terceiro personagem de sua trindade. Como ressaltou Matias Spektor, na Folha: “O filho chegou fazendo compromissos numa agenda cara ao governo americano —Cuba, Jerusalém, China e Venezuela. Nada pediu em troca além da deferência americana a Bolsonaro. Como Trump não respeita quem faz concessões unilaterais, a equipe de Bolsonaro desvalorizou o próprio passe. (...) Trata-se de crença irracional que ignora o gosto de Trump por arrancar concessões de seus principais parceiros a troco de nada. (...) Os americanos irão à forra".

 

Como a Família Bolsonaro pretende conseguir os melhores acordos para o Brasil usando o boné de quem está do outro lado da mesa de negociações?

 

Ao cumprir agenda oficial em Washington, o filho do presidente usou um boné onde estava escrito “Trump 2020”. Talvez a maioria possa compreender como é constrangedor um representante do presidente eleito do Brasil usar um boné defendendo a reeleição do atual presidente americano. É como se o próprio Brasil estivesse usando um boné de Trump 2020. Como se espera negociar os interesses do país em boas condições a partir desta posição de subalternidade explícita, como se fosse um fã vestindo a cabeça com o nome do seu ídolo? O pai não fez melhor durante a visita ao Brasil do assessor de Trump, John Bolton. Como se fosse um subalterno, bateu continência. E não foi correspondido.

 

É isso. Os “malucos” estão dançando no palco e não precisam que ninguém dê palco para eles. Nem precisam das palmas de setores que acreditavam ter o monopólio dos aplausos. Ao dançar, afirmam que os fatos são “fake News” e que a ciência é “fake News”. Como estão em posições de poder, e um deles será o próximo presidente do Brasil, os jornais são obrigados a reproduzir suas falas e sua dança.

 

As universidades serão governadas por eles. A política científica será decidida por eles. A Escola Sem Partido pode virar lei, estabelecendo a censura com a justificativa de combater um problema que não existe. E tudo indica que o SUS poderá ser desmantelado em nome da privatização da saúde. O destino da Amazônia e de seus povos será determinado por aqueles que querem abrir a floresta para exploração.

_aroeira bolsonaro trump.jpg

 

Quando muitos creem no mesmo delírio, o que acontece com a realidade?

 

Ernesto Araújo se tornou uma piada internacional porque suas afirmações são absurdas. Elas não se sustentam quando confrontadas aos fatos. Mas, quando muitos creem no mesmo delírio, o que acontece com a realidade? Esta é uma pergunta crucial neste momento. E um desafio para o qual precisamos construir uma resposta. E rápido.

 

Quando já não há uma base comum de fatos a partir da qual se pode conversar, não há linguagem possível. Por exemplo: nas últimas décadas, religiosos fundamentalistas defendem que a teoria da evolução, de Charles Darwin, deveria ser ensinada nas escolas junto com o “criacionismo”, crença pela qual tudo foi criado por Deus. Segundo eles, as duas se equivalem. A questão é que essa afirmação equivale a dizer que uma cadeira e uma laranja são o mesmo. Não são.

 

A evolução é uma teoria científica, o criacionismo é uma crença religiosa. A primeira foi preciso provar pelo método da ciência. Mesmo se você não acreditar nela, os processos que a teoria da evolução descreve continuarão existindo e agindo. A segunda você pode acreditar ou não e jamais poderá ser provada pelo método científico. As duas não se misturam nem se comparam. Misturá-las faria com que deixássemos de compreender uma parte da Ciência que faz esse mundo funcionar – e faria também com que a dimensão mítica dos textos religiosos se perdesse naquilo que têm de mais poético.

 

O mesmo vale para a mudança climática provocada por ação humana. Não é uma questão de crença ou de fé. Está provado pelos melhores cientistas do mundo. É tão evidente que a maioria já pode perceber mesmo numa investigação empírica, na sua própria experiência cotidiana. Se o futuro chanceler do Brasil acredita que o aquecimento global é uma “ideologia de esquerda”, o planeta não vai deixar de aquecer por conta da sua crença. Só crianças muito pequenas acreditam que algo vai deixar de existir se elas fingirem que não existe.

 

Como restabelecer a linguagem, de forma que possamos ter uma base mínima comum a partir da qual possamos voltar a conversar?

 

Mas, ao tratar fatos como crença – ou como “ideologia” –, tanto Araújo como o presidente eleito podem impedir que o Brasil faça o que precisa para reduzir as emissões de CO2, as principais responsáveis pelo aquecimento global, assim como impedir que o Brasil tome medidas de adaptação ao que está por vir. Temos apenas 12 anos para impedir que o planeta aqueça mais de 1,5 graus Celsius. Se passar disso, os efeitos serão catastróficos. É grave que, nestes 12 anos, em pelo menos quatro o Brasil terá no poder pessoas que confundem fatos com crenças. Ou, para seu próprio interesse, afirmam que aquilo que é fato é a “ideologia” dos outros.

 

A segunda pergunta crucial neste momento é: como restabelecer a linguagem, de forma que possamos ter uma base mínima comum a partir da qual possamos voltar a conversar? Também precisamos construir uma resposta. E rápido.

 

A terceira é como devolver o significado às palavras. Por exemplo: uma laranja. De novo. Eu e você precisamos concordar que uma laranja é uma laranja. Se eu disser que uma laranja é uma cadeira, como vamos conversar? Podemos discutir qual qualidade de laranja é melhor, como melhorar a produção de laranjas, de que forma ampliar o acesso de todos ao consumo de laranjas etc etc, mas não podemos discutir se a laranja é uma cadeira ou uma laranja, do contrário não avançaremos em nenhuma das questões importantes sobre a laranja. Tudo o que é relevante, como seu valor nutricional e a evidência de que os mais pobres não têm possibilidade de comprar ou plantar laranjas, ficará bloqueado pelo impasse de o interlocutor insistir que a laranja é cadeira.

 

Não é uma questão de opinião a laranja ser laranja – e não cadeira. Também não há fatos alternativos. Há fatos. E não há alternativa de a laranja ser uma cadeira. Atualmente, porém, o truque de tratar laranjas como cadeiras para impedir o debate é amplamente utilizado.

 

Enquanto metade da sociedade brasileira é chamada de “comunista” sem nunca ter sido, os temas que afetam a vida das pessoas são decididos sem participação popular

 

Se as palavras são esvaziadas de significado comum, não há possibilidade de diálogo. É o que está acontecendo com a palavra “comunismo”, entre muitas outras. Não há uma base mínima de entendimento sobre o que é comunismo. Então, tudo o que os seguidores de Bolsonaro não gostam ou são estimulados a atacar é chamado de “comunismo”, assim como todos aqueles que eles consideram seus inimigos são chamados de “comunistas”.

 

O significado de comunismo, porém, foi quase totalmente perdido. E assim a conversa está interditada, porque o que é laranja virou cadeira para uma parte da sociedade brasileira. Enquanto metade da sociedade brasileira é chamada de “comunista” sem nunca ter sido ou querer ser, os temas que afetam diretamente a vida das pessoas estão sendo decididos sem debate nem participação popular, como, por exemplo, a reforma da previdência.

 

Os “malucos” que hoje dançam em todos os palcos não são tão malucos assim. Ou, se são, também parecem bem espertos. É claro que há alguns deles que acreditam que, por exemplo, crise climática é “climatismo” ou uma “ideologia de esquerda”, como diz Araújo. Mas a maioria deles sabe que afirmar isso é quase tão estúpido quanto dizer que a Terra é plana. Então, depois de fazer bastante alarme com isso, eles vão para a próxima etapa do roteiro. Qual é?

 

Enquanto a turma de Bolsonaro faz a dancinha da invasão estrangeira, a Amazônia vai sendo tomada por seus amigos

 

Afirmar que, sim, é claro que o aquecimento global é um fato, mas “os países ricos já destruíram todas as suas riquezas naturais e agora usam a crise climática para manipular países como o Brasil”. Basta acompanhar as declarações recentes de Bolsonaro e outros do seu entorno para constatar que a estratégia usada para manter os seguidores alinhados será reavivar a falsa acusação de que os indígenas e as ONGs internacionais querem tomar a Amazônia do Brasil. A mentira da ameaça à soberania nacional nunca deixou de se manter ativa na disputa da Amazônia. Mas, em tempos de WhatsApp, pode atingir muito mais gente disposta a acreditar. Já começou.

 

Enquanto parte dos brasileiros se distrai com a dança dos “malucos”, os ruralistas vão tentar avançar no seu propósito de abrir as terras indígenas para exploração. Não custa lembrar, mais uma vez, que as terras indígenas são de domínio da União. Os indígenas têm apenas o usufruto exclusivo sobre elas. Quando Bolsonaro compara os indígenas em reservas com “animais num zoológico” e diz que os indígenas “querem ser gente como a gente”, querem poder vender e arrendar as terras, ele não está sendo apenas racista.

 

Ele também está manipulando. A sua turma quer que as terras públicas sejam convertidas em terras privadas, que possam ser vendidas e arrendadas e exploradas. Enquanto fazem a dancinha da invasão estrangeira, a floresta vai sendo tomada por dentro. O nacionalismo da turma de Bolsonaro bate continência não só para os Estados Unidos, mas também para os grandes latifundiários e para as corporações e mineradoras transnacionais.

 

No futuro bem próximo assistiremos ao que acontece quando um delírio coletivo, construído a partir de mentiras persistentes apresentadas como verdades únicas, é confrontado com a realidade. Às vezes parece que Bolsonaro acredita que tudo vai acontecer apenas porque ele está dizendo que vai. Ele diz, depois se desdiz, aí diz que inventaram que ele disse o que disse. Em resumo: ele diz qualquer coisa e o seu oposto. Em alguns sentidos, Bolsonaro parece uma criança extasiada com o sucesso que faz no mundo dos adultos, com bonés e figurinhas de seus ídolos. Parte do seu entorno, que não é burra, acredita que pode controlar a criança mimada e voluntariosa – e convencê-la a agir conforme seus interesses. Veremos.

 

Em algum momento, o seguidor de Bolsonaro vai descobrir que não pode sentar na laranja – nem comer a cadeira

 

O confronto das promessas com o exercício do poder já começou. Como explicar que serão mais de 20 ministérios e não os 15 prometidos? Ou como explicar as consequências de transferir a embaixada para Jerusalém, desrespeitando parceiros comerciais importantes como os árabes? Como lidar com a China, grande importador dos produtos brasileiros, batendo continência para Trump em meio a uma guerra comercial entre as duas grandes potências? Como lidar com os impactos que tudo isso terá na economia e na vida dos mais pobres? Como justificar que postos de saúde poderão ficar sem médicos porque os cubanos foram embora e os brasileiros não querem ocupar os lugares mais difíceis e com menos estrutura? Como lidar com o possível aumento de gestações na adolescência, assim como de Aids e DSTs por falta de políticas públicas de prevenção e educação sexual nas escolas?

 

A realidade é irredutível. É quando o seguidor descobre que não pode sentar na laranja – nem comer a cadeira. Bolsonaro e sua turma já começaram a experimentar esse confronto. A compreensão ainda não atingiu seus seguidores. Mas atingirá.

 

Quem se anima com essa ideia, porém, deveria se envergonhar. Quem sofre primeiro e sofre mais numa sociedade desigual são os mais pobres. Se os “malucos” estão dançando no palco é também porque a maioria da população brasileira foi excluída da conversa mesmo na maior parte do período democrático e mesmo na maior parte dos governos do PT. Ainda que Bolsonaro tenha conseguido unir as pessoas em torno não de um projeto, mas de um afeto, o ódio, seu grande número de seguidores se sentiu parte de algo. Desde 2013 já havia ficado muito claro que havia um anseio da sociedade brasileira por maior participação.

 

Durante parte de sua permanência no poder, o PT também investiu mais nos afetos do que na construção de um projeto junto com as pessoas. Parou de conversar, não achou que precisasse mais das ruas e foi expulso delas em 2013. Depois da corrupção do PT no poder, e não me refiro apenas à corrupção financeira, a esquerda se mostrou incapaz de criar um projeto capaz de unir as pessoas. Isso não é culpa de Bolsonaro. Não adianta acusar o outro de ter um projeto de destruição. É preciso lidar com as próprias ruínas e apresentar um projeto de reconstrução e reinvenção do Brasil que convença as pessoas porque junto com elas.

 

Se alguém ainda não compreendeu, é o seguinte: para disputar uma ideia de Brasil será preciso, primeiro, ter uma ideia; segundo, convencer a maioria dos brasileiros que este é o melhor projeto para melhorar suas vidas; terceiro, tentar voltar a dançar no palco para recompor a linguagem, restabelecer a importância dos fatos e devolver substância às palavras. Não vai ser fácil.

 

A maior vitória de Bolsonaro é quando seu opositor fala como ele

 

Nestas eleições, o Brasil foi esgarçado até quase rasgar. Em alguns pontos, rasgou. Talvez o maior triunfo de Bolsonaro tenha sido interditar qualquer possibilidade de diálogo. Esse processo não foi iniciado por ele nem ele é o maior responsável. Mas, sem bloquear o diálogo, Bolsonaro possivelmente não ganharia a eleição. Hoje, de um lado e outro, as pessoas só sabem desqualificar – e destruir. Aqueles que denunciam Bolsonaro não compreenderam que, ao adotar o mesmo vocabulário e a mesma sintaxe, apenas em sentido oposto, tornam-se iguais. E dão ao seu opositor a maior vitória que ele pode ter. Neste sentido, o do ódio, Bolsonaro unificou o país. Todos odeiam. Não há complemento nesta gramática. Odiar esgota-se no próprio verbo, mas o substantivo destruído é o corpo dos mais frágeis.

 

Quem quer resistir à redução do Brasil, em tantos sentidos, precisa primeiro resistir na linguagem. Diferenciar-se, também para poder acolher. O único jeito de voltar a conversar é voltar a conversar. Mesmo que para isso tenhamos que falar sobre laranjas e cadeiras.

 

 

06
Dez18

Ceticismo climático de Bolsonaro põe em risco benefícios econômicos da transição energética

Talis Andrade

ribs bolsonaro cabeça.jpg

 

Toda vez que os Bolsonaro abrem a bocarra para falar de política internacional, o Brasil perde prestígio, independência e dinheiro. Escreve Adriana Moysés, na RFI - Radio França Internacional:

 

O Brasil chegará à 24ª Conferência das Nações Unidas para Mudanças Climáticas (COP24, de 2 a 14 de dezembro), em Katowice, na Polônia, fragilizado pela desistência do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PFL), de acolher o encontro no ano que vem, a COP 25, como estava previsto. Mas o que o Brasil pode perder deixando de ser um ator estratégico nas negociações climáticas? Dois ambientalistas ouvidos pela RFI estimam que o prejuízo, além de diplomático, será sobretudo econômico.

 

Para André Ferretti, coordenador do Observatório do Clima e gerente de estratégias de conservação da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, a decisão de Bolsonaro faz com que países que estavam interessados em estabelecer parcerias de negócios para o desenvolvimento de tecnologias e o comércio de produtos de baixo carbono deixem de ver o Brasil como um parceiro para investimentos.

 

"O mundo precisa diminuir as emissões de gases de efeito estufa [implicados no aquecimento global] e existe atualmente uma enorme demanda por tecnologias de baixa emissão. O Brasil é um dos maiores produtores de gêneros alimentícios do planeta e poderia ser o maior produtor de alimentos sustentáveis do mundo, com uma agropecuária de baixo carbono. Mas o que ele está pondo sobre a mesa? Que não está alinhado com esses objetivos", lamenta Ferretti.

 

A diretora do Instituto Clima e Sociedade (ICS), Ana Toni, concorda com esse engano de avaliação do futuro governo. Ela vê o Brasil correndo o risco de perder a revolução tecnológica para a economia de baixo carbono, uma corrida na qual a União Europeia, a China e o setor privado americano têm investido bilhões.

 

"Nós estamos entrando em uma nova era, de uma revolução econômica mundial baseada no baixo carbono. Não ser liderança nesse debate também é abrir mão de estar na liderança dessa revolução. Deixar de se beneficiar dessa nova economia, num país que tem todas as condições naturais, seja na área de energia, de florestas, da água, seria uma perda", adverte Ana Toni. "Clima não é mais um tema de meio ambiente, é um tema econômico fortíssimo. Estamos vivendo uma reação de setores da velha economia, o que se viu em outras revoluções. O que é infeliz é que o Brasil tem a ganhar com a nova economia e por isso é importante que continue nessa liderança", enfatiza a representante do ICS.

 
 

O coordenador do Observatório do Clima lembra que os mercados externos demandam produtos com responsabilidade ambiental e sustentabilidade. "Se o Brasil não tiver uma produção agropecuária que respeite esses parâmetros ambientais, ele vai depender de mercados periféricos, e, na questão da diplomacia global, o Brasil será um mero coadjuvante, não vai mais desempenhar o papel estratégico que veio desempenhando desde a Rio 92, quando foram firmadas as três convenções da ONU sobre diversidade biológica, mudanças climáticas e combate à desertificação", recorda Ferretti.

 

Diplomatas brasileiros chegam enfraquecidos à COP24

 

Para o Brasil, é muito importante discutir na COP24 a participação das florestas na questão da mudança climática. O desmatamento representa 46% das emissões do país, quase a metade do total, sendo que o Brasil é o sétimo maior emissor de gases de efeito estufa do mundo.

 

As ONGs brasileiras e os países em desenvolvimento cobram financiamento dos países desenvolvidos, que se comprometeram a destinar US$ 100 bilhões de ajuda aos países que não têm condições de se adaptar ou de desenvolver tecnologia de baixo carbono até 2020. Mas isso não tem acontecido, destaca o coordenador do Observatório do Clima.

 

Entre 2005 e 2010, houve uma redução significativa do desmatamento na Amazônia e, por consequência, das emissões. "Passamos de mais de 30 mil quilômetros quadrados por ano de floresta desmatada para algo em torno de 8 mil quilômetros quadrados por ano. O problema é que nos últimos sete, oito anos, essa redução ficou estagnada", explica. Ferretti ressalta que o Brasil ainda tem uma emissão per capta maior que a média mundial, sendo necessário diminuir as emissões na agropecuária e no que os ambientalistas chamam de mudança de uso do solo, os setores que mais produzem gases poluentes.

 

Ferretti prevê sérias pressões sobre a delegação brasileira durante a conferência na Polônia, para que o Brasil tome medidas que levem à redução das emissões de CO2. A diretora do ICS vê, no entanto, os diplomatas do Itamaraty enfraquecidos pelo recuo de Bolsonaro sobre a COP25. "Eles sempre defenderam de maneira brilhante os interesses brasileiros, inclusive econômicos. Fazer um anúncio desses quando nossos diplomatas estão a caminho das negociações cria mal-estar, num momento em que eles precisam se posicionar como uma fortaleza", lamenta.

 

A especialista acredita que Jair Bolsonaro está repetindo a posição política do presidente americano, Donald Trump, que anunciou a saída dos Estados Unidos do Acordo de Paris, sem se dar conta de que este não é o interesse econômico e nacional do Brasil. "É estranho que uma pessoa que tem um discurso nacionalista e de soberania muito fortes siga a posição de um outro país, ainda por cima contrária aos interesses do Brasil", observa. Na opinião de Ana Toni, o moderno setor agropecuário e os industriais brasileiros vão alertar o futuro governo sobre quanto o Brasil tem a ganhar mantendo a liderança na área ambiental.

Tempo-de-Merda-Jair-Bolsonaro.jpg

 

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub