Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

10
Dez23

Fala de ex-PM sobre estupro de mulher morta ilustra crime de vilipêndio de cadáver e misoginia até depois da vida

Talis Andrade

 

Em aula de curso preparatório para concursos públicos, Evandro Guedes narra o estupro do cadáver de uma mulher em um necrotério. O crime tem pena prevista de um a três anos de prisão

Por Redação Marie Claire

Viralizou nas redes sociais na segunda-feira (4) o trecho de uma aula do ex-policial militar Evandro Guedes, fundador do curso preparatório para concursos públicos Alfacon, em que narra o estupro de uma mulher morta, ação caracterizada como vilipêndio de cadáver.

Tipificado no Artigo 212 do Código Penal, o crime consiste em tratar de forma vexaminosa o corpo, imagem ou cinzas de uma pessoa morta. Esse ato pode acontecer por meio de palavras, fotos, gestos ou ações consideradas degradantes. A pena é de um a três anos de detenção, além de multa.

Leia também

49 mil mulheres foram assassinadas no Brasil em uma década

'Cenário desolador', diz pesquisadora sobre aumento de violência a mulheres

“Aí você está lá e vem uma menina do Pânico da TV morta. Meu irmão, com aquele 'rabão'”, diz Guedes na aula gravada. “E ela infartou de tanto tomar 'bomba' na porta do necrotério e tu levou lá para dentro. Duas da manhã, não tem ninguém. Você bota a mão, hmm quentinha ainda. O que você vai fazer? Vai deixar esfriar? Meu irmão, eu assumo o fumo de responder pelo crime.”

No vídeo, o ex-policial também orienta a melhor posição para realizar o ato e a usar um secador de cabelos para quando o cadáver esfriar e endurecer.

“E ainda avisa o cara que vai te render: cara, deixa que eu vou virar de plantão para você. E é o dia mais feliz da sua vida, irmão. É crime? É. Você mexeu com a honra do cadáver. O sujeito passivo do crime é o familiar da vítima”, afirma Guedes.

Após a repercussão negativa, o ex-policial fez uma transmissão ao vivo em sua rede social e afirmou que aquilo se tratava de uma “ficção jurídica”, usada como exemplo durante a aula de Direito Penal.

“Defendendo abuso de mulheres? Primeiro que, se ela está morta, ela não é mulher. É um defunto, não é uma pessoa viva. Ela não tem mais personalidade jurídica, porque ela morreu”, disse. Procurado pela reportagem, Guedes não respondeu ao pedido de entrevista até o fechamento deste texto.

Por meio de nota, o Alfacon alega que o trecho foi editado “de forma a parecer que o professor em questão era praticante do crime”. “O vídeo na íntegra deixa claro que se trata apenas de um exemplo fictício e caricato para ilustrar uma situação do direito penal. O vídeo é antigo, uma aula ao vivo do YouTube que foi retirada do ar para que nenhuma pessoa mais faça mau uso do conteúdo e em respeito a todos que possam se sentir ofendidos com a colocação”, diz o comunicado.

Marie Claire solicitou ao curso a aula na íntegra, mas não teve o pedido atendido.

Guedes já foi criticado outras vezes por suas falas, como quando lecionou um curso em que ensina técnicas de tortura. Apoiador do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), diz ser amigo de Eduardo Bolsonaro, filho do político.

Para a advogada criminalista Juliana Bertholdi, o episódio é uma demonstração de como a cultura do estupro “é uma realidade objetiva” e merece atenção criminológica. Ela afirma que a conduta também “se amolda àquela de incitação de crime, a que consiste em incentivar, estimular, publicamente, que alguém cometa um crime e prevê pena de detenção de 3 a 6 meses e multa”.

A deputada federal Erika Kokay (PT-DF) manifestou repúdio em suas redes sociais após o episódio viralizar: “CRIMINOSO! É inacreditável que uma fala como essa fique impune. Não é a primeira vez que o empresário Evandro Guedes comete crimes ao ministrar uma ‘aula’ de cursinho. A evidente apologia à necrofilia e à violação do corpo de uma mulher desonra todos os verdadeiros professores e professoras. Por posições como essas, Evandro tem que estar atrás das grades!”, escreveu no X, antigo Twitter.

A deputada estadual Bella Gonçalves (PSOL-MG) também se pronunciou sobre o caso: “A violência contra nossos corpos chega ao absurdo completo de cenas de incentivo à estupro a uma mulher morta em um curso para concursos públicos por um bolsonarista. Dizendo ainda que não poderia deixar esfriar. Misoginia e ódio às mulheres. Responsabilização!”, escreveu.

A jornalista Cris Fibe, autora do livro João de Deus — O abuso da fé (Ed.Globo Livros, 240 págs, R$ 59,90), comentou o episódio no UOL News desta terça-feira e defendeu uma punição ao ex-policial: “Ele só não foi punido, como tem centenas de milhares de seguidores. Ele está aí nas redes sociais para quem quiser ouvir. De novo, a importância de a gente ter algum olhar para isso, porque ele está tripudiando em cima da divulgação [do vídeo] (...). A gente não tem direito à proteção do nosso corpo nem morta. Você nunca está amparada. É muito violento”.

“Fico preocupada porque também funciona para esse sujeito crescer. Fui a uma das contas de rede social dele e ele está falando: 'Somos igual massa de pão, quanto mais bate, mais cresce', tripudiando em cima desse crime mostrando seu carro chique e sua riqueza”, continuou a jornalista.

VÍDEO. Evandro Guedes, fundador da escola de concursos públicos AlfaCon, aparece em um vídeo, que viralizou nas redes sociais, minimizando a pena por violar sexualmente corpos de mulheres mortas. A colunista Cris Fibe comenta o tema no UOL News.

28
Out23

Os dez dedos ou as mãos de Julia Zanatta, a deputada da grinalda nazi

Talis Andrade

 

deputada-arma-gleisi-nazista.jpg.webp

 

 

Carlos Bolsonaro esteve em clube de tiro da deputada Júlia Zanatta no mesmo período que Adélio Bispo, aquele que esfaqueou seu pai. Nova revelação coloca em xeque inúmeras versões da família Bolsonaro sobre o caso. Atentado foi apontado por especialistas como fundamental para a eleição em 2018 do então desconhecido deputado federal presidente. E eleição de Zanatta da tiara nazista deputada e reeleição de Carlos, o filho Zero Dois, vereador do Rio de Janeiro em 2020

 

Com base em matérias jornalistas e publicações nas redes sociais, um internauta fez uma apuração individual e levantou novos questionamentos sobre o atentado contra Jair Bolsonaro (PSL) durante a campanha eleitoral de 2018.

Algumas informações são tão intrigantes que muita gente custa a crer que possam se tratar de meras “coincidências”. Informa Pragmatismo Político foi constatado, por exemplo, que Adélio Bispo, o homem que esfaqueou Bolsonaro, esteve nos mesmos dias no mesmo clube de tiros que Carlos Bolsonaro, filho do presidente.

Adélio Bispo vivia na cidade de Montes Claros (MG) até 2017, mas em 2018 ele começou a viajar pelo Brasil e chegou até a cidade de São José (SC), Região Metropolitana de Florianópolis.

No dia 5 de julho de 2018, Adélio praticou uma hora de tiro esportivo no clube .38. Dois dias depois Carlos Bolsonaro desembarcou na mesma cidade e passou um final de semana inteiro confinado no mesmo clube de tiro, conforme postado pelo próprio vereador em seu Instagram.

Foi neste mesmo clube, inclusive, que Carlos se refugiou quando brigou com o pai depois que foi obrigado a retirar do canal do YouTube oficial da presidência um vídeo de Olavo de Carvalho.

A imprensa tradicional já havia noticiado, timidamente, que os filhos de Bolsonaro, como Carlos e Eduardo, frequentavam o mesmo clube de tirou que Adélio treinou. A mídia não revelou, porém, que Carlos e Adélio estiveram no mesmo local durante o mesmo período.

“Aqui começa a teoria de fato. Ninguém fica 24 horas dentro de um clube de tiro. Nesses dias, Carlos e Adélio estiveram nos mesmos espaços, possivelmente compartilhando de armas similares e montando um plano. Sim, é esse plano mesmo que você pensou”, publicou o autor do levantamento.

Adélio permaneceu em São José até agosto de 2018. A facada em Juiz de Fora (MG) aconteceu um mês depois, em setembro. Naquela ocasião, Carlos Bolsonaro acompanhava o pai na comitiva, algo que nunca tinha feito antes.

A apuração repercutiu nas redes. “Em alguns anos, quando for tarde demais, esse falso atentado entrará para a história”, escreveu um internauta. “Qualquer ser humano percebe que tem algo errado nessa história. As evidências são no mínimo intrigantes”, observou outro.

Confira aqui o passo a passo da apuração do portal Pragmatismo político. 

 

A mão de Julia Zanatta

Difícil entender que Adélio Bispo aprenda a atirar com Júlia Zanatta, e prefira ficar no meio de uma multidão fanática, com uma faca enfrentar guarda-costas e ferir e tentar matar um candidato a presidente. 

Em 23 de março de 2023 escreveu João Almeida Moreira: 

Brasil continua sobre brasas. Na sexta-feira, 17, a deputada Júlia Zanatta, do PL, partido de Jair Bolsonaro, publicou uma selfie. No punho, uma carabina, no corpo, uma T-shirt com o desenho de uma mão, com quatro dedos, crivada de balas - os quatro dedos aludem, claro, a Lula da Silva, que perdeu o mínimo quando era metalúrgico.

A publicação fez-nos recuar a setembro de 2021, quando o site Brasil 247, simpático ao PT de Lula, lançou um documentário sobre o atentado sofrido por Bolsonaro em Juiz de Fora, um mês antes das Presidenciais de 2018 que o elegeriam. Atingido no abdómen, o então candidato presidencial foi atendido, logo depois, na Santa Casa da Misericórdia da localidade e, mais tarde, no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. O autor do atentado, Adélio Bispo, foi preso em flagrante e está, desde 2019, numa prisão de alta segurança em Campo Grande.

Chamado Bolsonaro e Adélio, Uma Fakeada no Coração do Brasil, usando os nomes do agredido e do agressor e um jogo de palavras entre "facada" e "fake", o filme de 1h44m do jornalista Joaquim de Carvalho tenta provar a teoria de conspiração de esquerda de que o atentado foi forjado.

Levanta questões como a dispensa de colete à prova de bala por Bolsonaro, ao contrário do que era hábito, e a presença, incomum, de Carlos Bolsonaro, líder da Comunicação do pai, na comitiva. Além da utilização de uma equipa de segurança diferente da do costume, sendo que quase todos os guarda-costas, apesar de terem cometido falhas gritantes, segundo especialistas, acabaram promovidos por Bolsonaro.

O autor do filme pergunta ainda quem paga os honorários do advogado de Adélio e por que razão a família Bolsonaro não recorreu da decisão de um juiz que considerou o agressor "inimputável" depois de ter publicamente discordado dela.

São revelados também dois vídeos: num, seis meses antes do ataque, Bolsonaro admite ter problemas digestivos e pede orações durante um culto evangélico, com a sua mão e a da mulher Michelle Bolsonaro na região do estômago; noutro, o então candidato toma dois comprimidos horas antes do atentado.

"Bolsonaro forjou a facada e aproveitou para tratar um cancro, benigno, que precisava de operar, juntando a fome à vontade de comer. Foi uma farsa com requintes cinematográficos que levou Bolsonaro de oito segundos de campanha para 24 horas por dia - e assim foi eleito", disse ao DN Alexandre Frota, um ex-aliado do capitão reformado que viveu o atentado por dentro.

Mas jornalistas e críticos, mesmo não-Bolsonaristas, desvalorizaram o filme por não acreditarem que três polícias - Federal, Militar e Civil -, duas equipas médicas - a da Santa Casa e a do Einstein -, e Ministério Público fizessem parte de uma conspiração, afinal de contas, à moda do QAnon e de todas as burradas da extrema-direita americana que a homóloga brasileira adora copiar.

Entretanto, o documentário aborda um detalhe intrigante: dois meses antes do atentado, Carlos Bolsonaro e Adélio coincidiram no mesmo clube de tiro, em Florianópolis, à partida fora do alcance financeiro do agressor, a viver na altura numa pensão sem casa de banho privada a mais de 1000 km de distância. A dona do clube, no entanto, foi perentória ao negar que eles tivessem estado juntos - e a pista perdeu-se.

A dona do clube de tiro era a hoje deputada Júlia Zanatta, cuja participação destaca Clayson Felizola. Vide vídeo:

13
Out23

VÍDEO: Mulher resgatada de Israel pelo governo Lula agradece ao prefeito bolsonarista de Sorocaba 

Talis Andrade

 

Ao desembarcar do avião da FAB, enrolada em uma bandeira do Brasil, repatriada "se esqueceu" que operação de resgate de brasileiros no Oriente Médio foi encampada pelo governo federal

 

por Ivan Longo

Revista Forum

- - -

Uma das brasileiras resgatadas de Israel no primeiro voo de repatriação viabilizado pelo governo Lula, em meio à guerra com o Hamas, chamou a atenção de usuários das redes sociais e telespectadores ao fazer seus agradecimentos por ter retornado ao Brasil. 

Identificada como Mainara da Silva, a repatriada estava no avião da Força Aérea Brasileira (FAB) com outros 210 brasileiros. A aeronave decolou de Tel Aviv no início da tarde de terça-feira (10) e pousou em Brasília na madrugada desta quarta-feira (11).

A maior parte dos passageiros compunha um grupo que foi à Jerusalém fazer turismo religioso, entre eles 3 pessoas de Sorocaba (SP). A prefeitura da cidade do interior de São Paulo, então, enviou um avião particular à capital federal para buscar o trio, entre eles Mainara, que deu uma entrevista ao jornal "Hora 1", da Globo, logo após desembarcar no Dia da Padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida, que Jair Bolsonaro, este ano, esqueceu de celebrar. 

Ao expressar sua felicidade de estar em solo brasileiro, a repatriada agradeceu à prefeitura de Sorocaba pelo resgate, "se esquecendo" que a operação no Oriente Médio foi encampada pelo governo federal.

‘Resgate’ de Manga em Israel vira piada e Sorocaba vai parar no trending topics do Twitter

No geral, as críticas lembram que foi a Força Aérea Brasileira quem trouxe os brasileiros de volta, e que a FAB é comandada pelo presidente Lula, não pelo prefeito de Sorocaba

por Paulo Andrade (Portal Porque)*
 

O “resgate” dos sorocabanos em Israel, armado pelo prefeito de Sorocaba, Rodrigo Manga (Republicanos), virou piada nacional e colocou a cidade nos trending topics do Twitter, a lista dos assuntos mais comentados da rede social, nesta quinta-feira (12). No geral, as críticas lembram que foi a Força Aérea Brasileira quem trouxe os brasileiros de volta, e que a FAB é comandada pelo presidente Lula, não pelo prefeito de Sorocaba.

>> Ouça a música que viralizou, satirizando o “resgate” de Manga em Israel

>> Veja a paródia da entrevista da evangélica, que agradeceu Manga pelo avião da FAB 

O máximo que Manga fez foi embarcar, junto com sua equipe de marketing, em um jatinho cedido pela empresa NHR, para buscar alguns moradores da região, inclusive pastores amigos dele, em Brasília, após desembarcarem do voo da FAB.

As críticas ao marketing da “participação” do prefeito de Sorocaba no “resgate” dos brasileiros que estavam na zona de conflito foi parar foi um dos assuntos mais comentados no Instagram, no Facebook e no YouTube, além do Twitter.

Em um dos vídeos, uma influencer com mais de 319 mil seguidores imita a evangélica “resgatada” de Israel, que agradece o prefeito Manga nas entrevistas para as redes nacionais de televisão. A humorista diz que estava em Israel rezando pelo fim do comunismo no Brasil e agradece o prefeito Manga por trazê-la de volta. Uma única repercussão irônica desse vídeo, que se espalhou pelo Brasil, teve 26 mil curtidas e centenas de comentários.

Para o Portal DCM (Diário do Centro do Mundo), “Bolsonarista investigado por corrupção, prefeito de Sorocaba é o herói fake do resgate dos brasileiros de Israel”. Essa foi manchete nesta quinta-feira (12).

 

Dia da Criança ou da Mentira?

“Hoje é Dia da Criança, mas tem gente achando que é Dia da Mentira. Tenho lido nas redes sociais que a vinda de sorocabanos lá de Israel aconteceu por causa da intervenção do Manga. Hahaha. Já existe FAB sorocabana?”, escreveu o jornalista e humorista de Sorocaba, Celso Ribeiro Marvadão, em sua página.

Num outro vídeo, de uma sorocabana notadamente bolsonarista e seguidora do Manga, um dos comentários foi “Não precisa agradecer o Lula. É obrigação dele. Mas inventar um responsável aleatório [Manga] pelo seu resgate pé demais”.

Já em um único canal do You Tube, “Tocamente a frente”, com 222 mil inscritos, o comentarista disse que “rachou o bico” de rir ao assistir o vídeo da sorocabana bolsonarista creditando ao prefeito Manga a volta dela ao Brasil. “É para acabar, galera. Não tem nada a ver [com Manga]. Não querem dar o braço a torcer e dizer que foi o governo Lula que trouxe”.

 

Mais cinco voos da FAB

A logística do Governo Federal, em conjunto com a Força Aérea Brasileira, programou outros cinco voos para resgatar brasileiros em Tel Aviv até o domingo (15), na Operação Voltando em Paz.

Além do marketing que virou “tiro no pé”, o prefeito optou por um lado da guerra, Israel, e até hasteou uma bandeira do país em frente ao Paço Municipal. Em uma matéria do Portal Porque sobre o assunto, uma leitora questionou: “Se era para hastear uma bandeira sobre a guerra, por que não hasteou uma branca, pedindo paz?”

* Colaborou Fábio Jammal Makhoul

11
Set23

Alexandre Garcia mentiroso contumaz boatou que o “governo petista” causou a tragédia das chuvas no Rio Grande do Sul

Talis Andrade

por Rede Brasil Atual

São Paulo – A Advocia-Geral da União (AGU) e a Polícia Federal vão investigar e responsabilizar o jornalista Alexandre Garcia, que disseminou fake news nesta sexta-feira (8), insinuando que o “governo petista” foi responsável pela tragédia provocada pelas chuvas no Rio Grande do Sul. O advogado-geral da União, Jorge Messias, informou em suas redes sociais que sua pasta vai “buscar a responsabilização” do jornalista.

“Determinei à Procuradoria Nacional de Defesa da Democracia a imediata instauração de procedimento contra a campanha de desinformação promovida pelo jornalista. É inaceitável que, nesse momento de profunda dor, tenhamos que lidar com informações falsas”, postou o ministro da Advocacia-Geral da União (AGU).

Também em suas redes, o ministro da Justiça, Flávio Dino, escreveu que a Polícia Federal vai adotar “as providências previstas em lei” contra o bolsonarista, que difundiu a informação em um canal de YouTube. Dino também reforçou que fake news não são “piada”.

“Reitero que fake news é crime, não é ‘piada’ ou instrumento legítimo de luta política. Esse crime é ainda mais grave quando se refere a uma crise humanitária, pois pode gerar pânico e aumentar o sofrimento das famílias. A Polícia Federal já tem conhecimento dos fatos e adotará as providências previstas em lei”, escreveu Dino.

Há dois anos, Garcia foi demitido da CNN Brasil após afirmar que os remédios defendidos por Jair Bolsonaro, comprovadamente sem eficácia contra a covid-19, “salvaram milhares de vidas”. Na ocasião, antes da demissão, ele foi desmentido ao vivo pela jornalista Elisa Veeck.

Alexandre Garcia disse que é “preciso investigar, porque não foi só a chuva” que causou as enchentes no estado gaúcho, matando pelo menos 46 pessoas. As afirmações mentirosas provocaram revolta nas redes.

“Enquanto gente como o psicopata irresponsável do Alexandre Garcia não estiver NA CADEIA por espalhar desinformação que se transforma em discurso e ação de ódio, essa gente não vai parar. É preciso traçar uma risca no chão, não dá mais”, protesta o jornalista William De Lucca no Twitter.

 

“Dopado de cloroquina”

“Alexandre Garcia, o jornalismo terra plana dopado de cloroquina informa que as inundações no Sul são culpa de uma sabotagem do PT. Não é lelé da cuca, é um mau caráter mesmo, inconsequente, irresponsável e sensacionalista, um jornalismo Olavista”, escreveu no Twitter o também jornalista Guga Noblat.

Brian Mier, correspondente da Rede Tel SUR em inglês, lembrou o passado comprometedor do bolsonarista, cujas alianças espúrias vêm de muito antes de Bolsonaro. “Alexandre Garcia, ex-assessor do presidente da ditadura militar Figueiredo, analista de notícias da Globo e CNN está sob investigação hoje por mentir no YouTube que as enchentes no Rio Grande do Sul que mataram 43 pessoas após o ciclone da semana passada foram causadas pela sabotagem de barragens do governo Lula”, postou Mier em inglês.

 

Porta voz da ditadura

O deputado federal Ivan Valente (Psol-SP) classifica Garcia como “notório bolsonarista” e também lembra que ele “foi porta voz da ditadura militar”, para depois acrescentar que o ex-CNN “fez acusações mentirosas ao governo federal em relação às enchentes no Rio Grande do Sul”.

Para Valente, ele “se aproveita da tragédia para espalhar mentiras, a cara do bolsonarismo”, e conclui que o jornalista decadente “precisa responder por isso”.

 

Outra mentirosa do gabinete do ódio

Uma bolsonarista identificada como médica, Samara L. Baum espalhou um vídeo do deputado federal Gustavo Gayer (PL-GO) dizendo que as doações para as vítimas das enchentes haviam sido paralisadas à espera da volta do presidente Lula de viagem. Após a repercussão e saber que a Polícia Federal vai investigar as informações falsas, a mentirosa pediu desculpas em um vídeo.

Para De Lucca, Garcia é “psicopata”

09
Set23

Michelle Bolsonaro vai a culto, chora e fala em perseguição...

Talis Andrade

 

No primeiro 7 de Setembro fora do poder, o inelegível Jair Bolsonaro não pregou golpe, não chamou Alexandre de Moraes de "canalha" e chorou e chorou...

A ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro foi a um culto na noite de 5ª feira (7.set.2023) na Igreja Catedral da Bênção, em Brasília, e também chorou, enquanto testemunhava para os fiéis sobre “perseguição” e “injustiça” que aqueles que “tem Cristo como senhor salvador” sofrem. Durante sua fala, esteve o tempo todo com uma bandeira do Brasil nas costas. A presidenta do PL Mulher fez uma longa fala ajoelhada no chão da catedral, ao lado de uma criança, sobre os “momentos difíceis” que passou a enfrentar. Estava acompanhada do marido e dos deputados Marco Feliciano (PL-SP) e Hélio Lopes (PL-RJ), e não usava nenhuma joia.

A última vez que Bolsonaro foi a um templo faz quase um ano, e na campanha eleitoral, quando Michelle acusava Lula da Silva de inimigo dos evangélicos, e que eleito o petista "fecharia templos". Para Bolsonaro, Lula devia "apodrecer na cadeia".

06
Ago23

Ofensas machistas e gordofóbicas na CPI do MST “são tiro pela culatra”

Talis Andrade

 

A deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP) acionou nesta sexta-feira (4) a Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente do colegiado por ofensas machistas e gordofóbicas

 

 

Os constantes ataques machistas desferidos pelo presidente da CPI do MST, Coronel Zucco (Republicanos-RS), e o relator Ricardo Salles (PL-SP), contra as mulheres de esquerda no colegiado estão servindo apenas para acentuar atitudes desprezíveis dos dois bolsonaristas. Não encontra eco na sociedade e nem nas normas jurídicas.

Por isso, a deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP), mais uma vez, acionou nesta sexta-feira (4) a Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Zucco por ofensas machistas e gordofóbicas.

Na sessão desta quinta-feira (3), o presidente do colegiado se dirigiu a deputada dessa forma: “A senhora pode, também, daqui a pouco, tomar qualquer atitude, ficar mais calma. A senhora está nervosa, deputada? Quer um remédio? Ou quer um hambúrguer?”.

“Pedirei que a PGR anexe o caso à investigação já em curso contra o Zucco por violência política de gênero contra mim. Eu procuro responder à altura, acho que é pedagógico para que as demais mulheres não baixem a cabeça. Não vou retroceder”, afirmou a deputada.

Leia mais: CPI do MST visa barrar mobilização que o governo precisa para fazer mudanças

Ao avaliar a repercussão do caso, a deputada do PSOL foi taxativa: “O tiro da CPI do MST saiu pela culatra e restou aos bolsonaristas apenas a baixeza dos ataques misóginos.”

Percebendo o desgaste, o presidente do colegiado pediu para retirar sua manifestação das notas taquigráficas e disse que não agiu dessa forma contra a parlamentar.

“Não é verdade que o senhor nunca foi indecoroso ou desrespeitoso comigo e com as demais parlamentares desta comissão. E isso não sou eu que afirmo, mas a Procuradoria-Geral da República que, neste momento, tem um inquérito aberto para apurar a conduta”, respondeu Sâmia.

“Eu já tinha visto esse tipo de ironia nas redes sociais, por parte do relator da CPI, Ricardo Salles, mas nunca vindo do Zucco. Ele já havia me silenciado, cortado meu microfone, mas nunca agido desta forma tão truculenta, publicamente. Eu denuncio e seguirei denunciando sempre que houver violência política de gênero”, completou.

Solidariedade

A deputada recebeu solidariedade dos colegas de parlamento. A líder do PCdoB na Câmara, Jandira Feghali (RJ), diz que esse é o modus operandi daqueles que não têm argumento, não têm educação e não respeitam os espaços democráticos.

“A velha prática de desqualificação. Deputado bolsonarista prática gaslighting, gordofobia e fortalece mais uma vez a misoginia na CPI do MST contra deputadas de esquerda. Não precisamos de remédio, não precisamos nos acalmar, tampouco de hambúrguer. Queremos respeito, punição e cadeia para criminosos. Nossa solidariedade à deputada”, disse.

“Deixo um abraço e minha solidariedade à colega Sâmia pelos ataques machistas e misóginos sofridos na CPI do MST. A violência política de gênero é o recurso que sobra aos politicamente inaptos. Parabéns por sua luta e pelo trabalho corajoso na CPI, querida deputada!”, reagiu o líder do governo no Congresso, senador Randolfe Rodrigues (Sem partido-AP).

12
Jul23

Terrorista George Washington e o plano para explodir o Aeroporto de Brasilia na véspera do Natal (parte 6)

Talis Andrade

VÍDEO. Bomba! Estes dois políticos conversaram com os terroristas antes da tentativa de explodir o Aeroporto de Brasília!

(Continuação)  George se refere a Bento com a saudação: “meu nobre general”. Não há indicações se ele é, de fato um militar ou se o tratamento é apenas uma forma de se referirem na intimidade.

Relatório da Polícia

“No dia 23/12/2022, SOLANGE liga duas vezes para GEORGE, uma às 02h30 e outra às 21h58. No entanto, conforme registro, apenas a ligação das 02h30 foi respondida, tendo duração de 1’26”. Por volta das 22h, GEORGE comenta sobre uma loira de óculos e reclama que algumas pessoas não comparecem conforme o combinado. Essa mesma reclamação foi externada em sua conversa com “Ricardo Adesivaço Xinguara”. 

Trata-se da véspera do atentado, quando estão finalizando os preparativos, mas algumas providências já começam a dar errado.

print3434
print333

Relatório da Polícia: 

Transcrição áudio PTT-20221223-WA0098: “Amigo, desculpa lhe falar, mas infelizmente você agiu muito errado aí comigo. Entregar esse material na mão desse rapaz. Você sabe que eu não sou amiguinho dele. Desculpa aí, tá? Mas tudo bem, beleza. Obrigado aí, valeu”.

Por volta das 16h20, do dia 23/12/2023, HERMETO envia outros áudios perguntando sobre o que está acontecendo no QG e uma encomenda de GEORGE que estava com TIAGO. Além disso, HERMETO envia alguns áudios dos quais não foi possível realizar a extração e mensagens de texto alertando GEORGE a não seguir algumas pessoas e “não tentar ser um herói”. No dia seguinte, 24/12/2022, HERMETO envia mensagens perguntado como GEORGE está e envia uma matéria sobre a bomba encontrada no aeroporto de Brasília”.

Epílogo:

O que houve a partir dali foi a prisão de George Washington e o desmoronamento da penúltima tentativa dos terroristas de colocarem a democracia abaixo, impedindo a posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, eleito com  60.345.999 de votos, no dia primeiro de janeiro.

Lula subiu a rampa, ladeado por sua esposa, Rosângela Lula da Silva e por representantes das diversidades dos brasileiros. Uma multidão compacta pôs abaixo qualquer tentativa de impedir que ele assumisse o poder, vontade da maioria do povo que, no entorno, se emocionava, cantava e, principalmente, defendia o seu escolhido, ao som de uma palavra de ordem: “sem anistia!”. Esse foi o grito surgido espontaneamente naquela massa homogênea.

Aquelas pessoas, de maneira intuitiva, antecipavam o horror que se seguiria. No dia 8 de janeiro, quando a Nação ainda não havia apagado do rosto o sorriso pela vitória e a posse de Lula, transcorrida em paz, uma horda desembestada de cerca de 20 mil terroristas invadiu os prédios dos três poderes, em Brasília. A rampa, por onde havia subido a alegria, serviu de ponte entre o amor e o ódio devastador. Em casa, pela televisão, o país viu um golpe acontecendo ao vivo. O golpe fracassou, mas a palavra de ordem surgida no seio do povo, no dia da posse, ainda ecoa no Brasil que se quer realmente livre: “sem anistia!”. 

 

 

 

 
05
Jul23

O suicídio de André Valadão

Talis Andrade

 

O empresário da fé passou a intensificar o seu discurso biombo e de ódio contra os homossexuais, após ter um relacionamento homoafetivo divulgado nas redes sociais

 

por Ricardo Nêggo Tom

- - -

Observando atentamente a postura e as falas do empresário evangélico André Valadão, percebe-se que ele trava uma luta desesperada com a sexualidade que precisa esconder dentro da Bíblia que ele costuma utilizar para atacar pessoas que não precisam omitir da sociedade a sua verdadeira orientação sexual. Observando mais atentamente o comportamento de outros ditos heterossexuais evangélicos, e não evangélicos também, é possível identificar a mesma luta contra a sexualidade reprimida. E eu não estou aqui apenas repetindo uma narrativa com relação a homossexuais enrustidos, que atacam os assumidos para matar o desejo que têm dentro de si. Eu quero propor uma reflexão sobre a morte. A física e a existencial. Mas, como assim, Ricardo?

Como diria, Jack, o estripador, vamos por partes. Comecemos pela narrativa construída e disseminada por boa parte dos evangélicos, de que eles são perseguidos por pregarem a verdade de Jesus Cristo e que isso já estaria previsto na Bíblia. A mesma Bíblia que destina trechos de alguns livros para classificar a relação entre pessoas do mesmo sexo como “abominável” e condenar os homossexuais ao fogo do inferno. E é com base nesses trechos, que André Valadão estruturou a sua bandeira “teo-ideológica” e pretende, ao mesmo tempo que mascarar a sua sexualidade apócrifa, se transformar em um grande perseguido por defender a palavra de Deus. Mesmo que ele tenha que sugerir a morte de homossexuais ou o próprio suicídio, como fez durante um culto que celebrava em uma de suas empresas nos EUA, e ainda foi aplaudido pelos fiéis à ele presentes ao local. 

Após a “perseguição”, que pode incluir até um indiciamento criminal, afinal de contas, fazer uma convocação pública para o assassinato de um grupo de pessoas é crime - ou, pelo menos, deveria ser - essa cantilena liturgia anti homossexualidade vai alegar que a esquerda e o bicho papão do comunismo, querem proibir o cristianismo no Brasil, porque querem destruir a família tradicional, a moral, os valores, a ingenuidade de “chapeuzinho vermelho” e todo o blá blá blá fundamentalista que já conhecemos. Vale lembrar a declaração dada pelo também evangélico, Deltan Dallagnol, no programa “Roda Viva”, dizendo que a Bíblia determina a submissão da mulher ao homem e advertindo a quem contesta, que isso era uma determinação de Deus, você concordando ou não. Na ocasião, Deltan estava se posicionando contra o PL das fake News, que, segundo ele, abria uma brecha para uma “censura” a pastores que pregam essa orientação e restringiriam a leitura desses textos. Um raciocínio lisergicamente bíblico.

Ex positis, teríamos o cenário ideal para a incitação de uma guerra civil-religiosa, que mobilizaria a muitos desavisados, alienados e mal-intencionados pela “fé”, com a finalidade de desestabilizar a sociedade e o atual governo, que é manifestamente contrário a tal pensamento, em nome da defesa da palavra de um deus que só vive e reina no inferno dos corações de milhões de Valadões e Deltans, que, infelizmente, dividem conosco as suas amargas e dúbias existências neste planeta. Eu já escrevi aqui há um tempo, que Jesus Cristo é o cara mais sacaneado da história da humanidade. E André Valadão não me deixa mentir, quando se apresenta como mais um de seus discípulos. Nunca que Jesus andaria com ele ou o escolheria para pregar o seu evangelho. Nunca!

O mesmo não podemos dizer do deputado Marco Feliciano, outro empresário da fé, que subiu à tribuna da câmara para defender o seu sócio no ramo da alienação religiosa, e ratificar a intolerância que os textos bíblicos estimulam contra os homossexuais, porque foram escritos por homens que pensavam como eles dois e também atribuíam à Deus os seus preconceitos. A diferença é que esses homens viveram há dois mil anos atrás, numa época em que já existiam homossexuais, mas que a civilização talvez não estivesse suficientemente amadurecida e humanizada para compreender certos aspectos pessoais da natureza humana. E Feliciano usou do mesmo argumento de Deltan Dallagnol, defendendo que, dentro das igrejas, os pastores podem orientar a seus fiéis como bem entenderem, desde que encontrem respaldo bíblico para as suas falas. Ele também disse que a esquerda e o comunismo querem destruir os valores cristãos da sociedade. É que a liberdade de expressão em nome do deus deles se sobrepõe às leis, ao direito à vida de pessoas LGBTS e aos ensinamentos do próprio Jesus Cristo, que, pelo que se sabe através de suas inserções na Bíblia, não se preocupava com a orientação sexual das pessoas (continua)

01
Jul23

Deputado Jonildo de Assis diz que faz ‘parte do jogo’ as molecagens envolvendo o comparsa Abílio Brunini nas CPIs

Talis Andrade

 

O deputado Jonildo José de Assis, que prefere ser chamado de coronel, diz que as críticas e polêmicas envolvendo seu colega de partido e estado, Abílio Brunini (PL-MT) ‘fazem parte do jogo’, ao se referir às constantes intromissões anarquistas, espalhafatosas, machistas e misóginas  e racistas nas CPIs. Esqueceu de dizer que as molecadas, as diabruras, as vergonheiras de Brunini fazem parte do jogo sujo dos golpistas, dos terroristas, dos bolsonaristas, dos extremistas da direita volver, dos inimigos dos sem terra, dos sem teto, dos sem nada.

Para entender, o presidente da CPMI do 8 de Janeiro, deputado Arthur Maia (União-BA), ameaçou levar ao Conselho de Ética da Câmara, o parlamentar arruaceiro, autor de uma série de molecagens durante a sessão da quinta-feira 22 de junho.

“Vou encaminhar o nome de Vossa Excelência ao Conselho de Ética. Eu não vou permitir que Vossa Excelência fique tumultuando esses trabalhos da CPI. Vossa Excelência não vai conseguir isso”, disse Maia a Brunini, que não é integrante da comissão.

Ao ser questionado sobre o fato, Assis diz que Abílio é um dos parlamentares de oposição que mais utiliza-se de sua irreverência e que o ocorrido faz parte do jogo.

“O deputado Abílio ele faz uma oposição, ele trabalha dentro do que ele acredita, eu acredito que isso faz parte do jogo essa questão de estar ali se manifestando e recebendo as críticas”, disse o coronel que defende a disciplina nas escolas cívico-militar e quartéis.

A CPMI de 8 de janeiro ouviu investigadores e investigados ligados à tentativa de ataque a bomba no Aeroporto de Brasília, em dezembro, às vésperas do Natal e da posse de Lula (PT).

Pouco antes, Abílio havia questionado a exibição de um vídeo solicitada pelo deputado Rogério Correia (PT-MG). Diante da impossibilidade do petista concluir seu raciocínio, Maia fez o alerta a Brunini e foi aplaudido por boa parte dos presentes.

Assis revela que, no entanto, tem acompanhado mais a CPMI pela mídia e que está focado em outros trabalhos na Câmara.

“Eu na verdade não faço parte da CPMI de 8 de Janeiro, eu acompanho muito pelo que é noticiado. Meu foco é a CPI do MST". Contra os camponeses, os pequenos produtores rurais, responsáveis pela agricultura familiar, que alimenta o povo brasileiro. 

17
Jun23

Esposa de Mauro Cid e filha de general Villas-Bôas queriam Exército orientando caminhoneiros em golpe de estado

Talis Andrade
Gabriela Cid e filha de general Villas Boas tramaram golpe, diz a PF
Ticiana Haas Villas Bôas e Gabriela Cid (foto: reprodução)
 
 

Mensagens foram obtidas através do celular de Gabriela Cid. Polícia Federal revelou primeiro relatório sobre os celulares do ex-ajudante de ordens de Bolsonaro

 

Por Raphael Sanz

Ticiana Villas-Bôas, filha do general Eduardo Villas-Bôas, e Gabriela Cid, esposa do tenente-coronel Mauro Cid, foram pegas pela Polícia Federal trocando mensagens sobre as manifestações que ocorriam na frente dos quarteis, e debatendo possíveis planos de golpe que envolveriam o afastamento de Alexandre de Moraes do Supremo Tribunal Federal (STF), e a orientação de caminhoneiros por parte do Exército com o objetivo de criar o caos no país, estabelecendo um clima favorável para que Jair Bolsonaro (PL) pudesse aplicar um golpe de estado e permanecer no poder.

As mensagens foram trocadas em 2 de novembro, apenas três depois das eleições que recolocaram Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Palácio do Planalto, e foram obtidas através do celular de Gabriela Cid que passa por devassa da Polícia Federal. Nesta sexta-feira (16) foi divulgado um primeiro relatório sobre as conversas.

É nesse contexto que Ticiana Villas-Bôas propõe que o próprio Exército oriente uma paralisação dos caminhoneiros.

“Os caminhoneiros têm que parar sem obstruir [as rodovias]. E alguém precisa articular isso com eles e os manifestantes. Alguém tinha que falar com eles”, escreve.

“Pois é”, responde Gabriela Cid. E emenda nas mensagens seguintes: “Foi o que pediu o presidente. E acho que todos têm que vir a Brasília. Invadir Brasília como no 7 de setembro e dessa o presidente com toda essa força agirá”Leia mais in Revista Forum.

 
 
por Vanessa Lippelt, no UOL

 

No dia 2 de novembro, Ticiana escreveu à Gabriela dizendo “tem que ter alguém que articule isso com os protestantes. E isso tem que vir dos caminhoneiros. Em resposta, Gabriela respondeu: “Não vai ser dessa forma. Como você falou, a orientação tem que ser outra. Os caminhoneiros têm que ser orientados.

A esposa de Mauro Cid continuou o diálogo com a filha do general Villas Bôas, insinuando que esse seria um pedido de Bolsonaro: “Sim, foi o que pediu o presidente. E acho que todos que podem devem vir para Bsb. Invadir Brasília como no 7 de setembro, e dessa vem o presidente com toda essa força agirá.”

A mae de Ticiana, Maria Aparecida, frequentava o acampamento do QG em Brasilia, nostálgica da trama do marido aspirante a ditador, poder arrebatado por uma doenca degenerativa que fez o banana Michel Temer presidente, e sucessor o capitao Bolsonaro, que o ditador Geisel chamava de bunda suja.
 
 

Os atos terroristas em Brasília deixaram perplexo o especialista em Forças Armadas Manuel Domingos Neto, professor da Universidade Federal Fluminense e doutor em história pela Universidade de Paris. “É duro, eu conheço as Forças Armadas há 50 anos, na condição de oficial da reserva, de preso na ditadura quando fui torturado nos quartéis, mas isso eu não esperava, agasalhar vandalismo, isso exorbita qualquer projeção, foi além da conta”, lamentou.

A previa do golpe aconteceu no dia 12 de dezembro. Escreve Lauriberto Pompeu, no dia seguinte in Estadao

O secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Júlio Danilo, afirmou que uma parcela dos autores dos ataques de vandalismo na noite desta segunda-feira, 12, em Brasília, também faz parte de um acampamento que se alojou em frente ao Quartel General do Exército. Ainda segundo ele, a permanência deles no QG será reavaliada.

"Parte desses manifestantes, a gente não pode garantir que são todos que estejam lá porque alguns podem residir inclusive na cidade e em outros locais, mas parte realmente estava no QG, no acampamento, e participaram desses atos. Quem for ali identificado será responsabilizado", declarou Danilo.

Apesar da sinalização de que o acampamento pode ser desmontado, Júlio Danilo admite que a ação das polícias do DF tem uma limitação: "Esse acampamento se encontra em uma área militar, sob jurisdição militar, e todo ato de atuação e intervenção tem que ser em coordenação com as Forças Armadas, no caso lá o Comando do Exército". Danilo afirmou que os militares "têm colaborado e têm tentado organizar".

Os apoiadores de Bolsonaro incendiaram ônibus, carros, depredaram prédios públicos e privados e tentaram invadir a sede da Polícia Federal, na área central de Brasília, no mesmo dia em que o presidente eleito foi diplomado.

A Secretaria de Segurança Pública do DF afirmou que precisou restringir o trânsito na Esplanada dos Ministérios, na Praça dos Três Poderes e em outras vias da região central. O governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), disse que deu ordem para prender todos os autores de atos de violência, mas até o momento nenhuma prisão foi divulgada. Em nota, a Secretaria disse que "não foram constatadas prisões relacionadas aos distúrbios civis ocorridos" e que, "para redução dos danos e para evitar uma escalada ainda maior dos ânimos, a ação da Polícia Militar se concentrou na dispersão dos manifestantes".

A escalada era uma bomba que exploderia na noite do dia 24 de dezembro, na noite vespera do Natal, pela concentraçao de passageiros no aeroporto de Brasilia. Seria o maior morticinio da historia do Brasil. Um antentado terrorista jamais visto.

O especialista garante que as Forças Armadas acompanharam tudo de perto: “Eles sabiam o que aconteceria”. E disse também que a esposa do general Villas Bôas tem contas a prestar à Polícia. Ela foi filmada nos acampamentos, pontos de articulação dos movimentos terroristas e de vandalismo. “Ela deve ser chamada a prestar contas. Ela é simbólica, é tomada como a mãe dessas coisas. Tá na hora de verificar a responsabilidade dela nesses atos criminosos, assim as instituições mostrarão de fato poder”, concluiu. Entrevista à jornalista Marilu Cabañas. Veja o vídeo.

BOMBA! NOVAS MENSAGENS REVELADAS no celular de ajudante do Bozo apontam ROUBO de DINHEIRO PÚBLICO! 

Ticiana Villas Boas e Gabriela Cid

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub