Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

13
Mar19

FILHO DE NOBLAT É AMEAÇADO E PAI PROMETE REAÇÃO

Talis Andrade

 

ricardo-noblat.jpg

 

O jornalista Ricardo Noblat, que vem se mantendo em uma posição crítica com relação a Bolsonaro e às milicias do Rio de Janeiro, além de defender as investigações sobre a execução de Marielle Franco, disse, em seu Twitter, que seu filho, Guga Noblat, está sofrendo ameaças.

Ele afirmou: "não ligo para ameaças que me fazem. Mas ameaças à minha família, ligo, e muito. E elas não ficarão por isso mesmo."

Em outro post diz Noblat: “Deve ser mais um dos devotos de Bolsonaro [referindo-se a um internauta que ameaçou o filho], que no Twitter já chamou Guga de “cérebro mofado”. É no que dá termos um presidente que compartilha vídeos obscenos no Twitter, é amigo de milicianos, e tem filho que homenageia e emprega parentes de milicianos”.

Em seus canais, o jornalista Ricardo Noblat tem uma posição crítica com relação a Bolsonaro e às milicias do Rio de Janeiro, além de defender as investigações sobre a execução de Marielle Franco.

Também foi ameaçada a filha do jornalista Chico Otávio, Constança Rezende.

Bolsonaro compartilha publicação de site que atribui declaração falsa a repórter do Estadão

Portal Imprensa - O presidente Jair Bolsonaro compartilhou publicação que atribuía falsamente à repórter do jornal O Estado de S. Paulo Constança Rezende uma declaração contra o governo. Matéria do site Terça Livre atribui à jornalista a declaração: "a intenção é arruinar Flávio Bolsonaro e o governo", referindo-se à cobertura da imprensa sobre as movimentações suspeitas de Fabrício Queiroz, ex-motorista do senador e filho do presidente.

constanca 1.jpg

 

O site, conservador e simpatizante do presidente, diz que, segundo "denúncia" feita por um jornalista francês, a suposta declaração foi dada durante conversa gravada. Porém, a frase usada na matéria não existe no áudio.

Na gravação, a jornalista diz que "o caso pode comprometer" e "está arruinando Bolsonaro", sem fazer relação com a intenção de arruinar o filho do presidente ou o próprio governo.

A gravação tem pausas e trechos truncados. O diálogo está em inglês.

O Aos Fatos e a Agência Lupa fizeram a checagem e classificaram as informações publicadas como falsas.

O jornal Estadão também desmentiu a matéria publicada na internet. De acordo com o jornal, Constança nunca deu entrevista a Jawad Rhalid, citado pela publicação.

As frases da gravação foram retiradas de uma conversa que ela teve no dia 23 de janeiro com uma pessoa que se apresentou como Alex MacAllister, supostamente um estudante interessado em fazer um estudo comparativo entre Donald Trump e Jair Bolsonaro.

Além da atribuição falsa de declaração, a matéria também afirma falsamente que Constança foi responsável pela primeira reportagem a respeito das investigações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sobre a movimentação atípica de R$ 1,2 milhão nas contas de Queiroz.

O autor da primeira reportagem foi Fábio Serapião, também do Estadão.

Todas as informações reveladas pelo jornal paulistas foram baseadas em documentos oficiais.

Ao divulgar a matéria do site em seu Twitter, o presidente do Brasil critica a jornalista: "Constança Rezende, do "O Estado de SP" diz querer arruinar a vida de Flávio Bolsonaro e buscar o Impeachment do Presidente Jair Bolsonaro. Ela é filha de Chico Otavio, profissional do "O Globo". Querem derrubar o Governo, com chantagens, desinformações e vazamentos".

Em nota conjunta, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Felipe Santa Cruz, presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), e Pierpaolo Cruz Bottini, coordenador do Observatório de Liberdade de Imprensa do Conselho Federal da OAB, repudiaram a atitude do presidente, classificada como uma "tentativa de intimidação de jornalistas".

Leia a íntegra do texto da nota:

"Na noite de domingo, o presidente Jair Bolsonaro fez um novo ataque público à imprensa, desta vez valendo-se de informações falsas. Isso mostra não apenas descompromisso com a veracidade dos fatos, o que em si já seria grave, mas também o uso de sua posição de poder para tentar intimidar veículos de mídia e jornalistas, uma atitude incompatível com seu discurso de defesa da liberdade de expressão. Quando um governante mobiliza parte significativa da população para agredir jornalistas e veículos, abala um dos pilares da democracia, a existência de uma imprensa livre e crítica.

A onda de ataques no domingo começou antes da manifestação do presidente. Grupos que apoiam Bolsonaro difundiram e amplificaram nas redes sociais declarações distorcidas da repórter Constança Rezende, de O Estado de S.Paulo, para alimentar a narrativa governista de que a imprensa mente quando se refere às investigações sobre as movimentações financeiras atípicas de Fabrício Queiroz, ex-motorista do senador Flávio Bolsonaro. Como é comum nesse tipo de ataque, a família de Constança também virou alvo. O grave nesse episódio é que o próprio presidente instigou esse comportamento, ao citar como indício de suposta conspiração que Constança é filha de um jornalista de O Globo.

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) se unem neste momento no repúdio a qualquer tentativa de intimidação de jornalistas. Profissionais atacados por fazer seu trabalho terão sempre nosso apoio."

Site francês diz que é falsa declaração atribuída a jornalista criticada por Bolsonaro

Site francês diz que é falsa declaração atribuída a jornalista criticada por Bolsonaro O site francês Mediapart usou sua conta no Twitter para dizer que são falsas as informações publicadas no blog de Jawad Rhalib, abrigado em sua página. O texto em questão atribuía à jornalista Constança Rezende, do jornal O Estado de S. Paulo, declaração que ela nunca havia feito.

mediapart constança .jpg

 

A publicação francesa afirmou se solidarizar com a jornalista brasileira e disse que "o artigo é de responsabilidade do autor e o blog é independente da redação do jornal".

 

12
Mar19

Bolsonaro estimula ódio contra jornalistas

Talis Andrade

 

redação liberdade jornalista.jpg

 

por Altamiro Borges

___

Com a sua criminalização da política e a sua satanização das esquerdas, a mídia monopolista ajudou a chocar o ovo da serpente fascista no Brasil – que desembocou, mesmo a contragosto, na vitória eleitoral do miliciano Jair Bolsonaro. Agora, porém, ela é alvo do próprio monstro que pariu e nem pode se dizer surpresa. Afinal, o fascismo não tolera críticas e detesta a liberdade de expressão. Covarde, ele sempre estimulou o ódio contra os que pensam diferente. Nessa semana, o presidente-capetão demonstrou mais uma vez que não vacilará nem em difundir mentiras para intimidar os que denunciam suas mazelas.

Ao postar uma notícia falsa contra a jornalista Constança Rezende, do jornal Estadão, Jair Bolsonaro estimulou o ódio entre os seus fanáticos seguidores. Em postagem no domingo (10), o tuiteiro tresloucado endossou uma fake news do site bolsonarista Terça Livre, que atribuía à jornalista uma declaração de que teria a intenção de “arruinar a vida de Flávio Bolsonaro e buscar o impeachment do presidente”. A informação falsa replicada foi assinada por Fernanda Salles Andrade, assessora do deputado estadual Bruno Engler, do PSL (Partido Só de Laranjas) de Minas Gerais.

Ao reproduzir a fake news, Jair Bolsonaro tentou posar de vítima e afirmou que “querem derrubar o governo com chantagens, desinformações e vazamentos”. Logo após a postagem criminosa, a jornalista do Estadão foi alvo de ofensas e cancelou a sua conta no Twitter. Em seu linchamento virtual, o presidente-capetão inclusive disse que Constança Rezende é filha do também jornalista Chico Otavio, repórter do jornal O Globo, que tem investigado a atuação das milícias no Rio de Janeiro. Vale lembrar que estes bandos criminosos têm íntimas ligações com um dos “pimpolhos” do presidente, o senador Flávio Bolsonaro.

Ao estimular o ódio entre seus fanáticos seguidores, o que pode aumentar a violência contra jornalistas, Jair Bolsonaro gerou a imediata reação de vários setores da sociedade – inclusive daqueles que até recentemente silenciaram diante da ascensão fascista no país. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) divulgaram nota de repúdio à tentativa de intimidar a “veículos de mídia e jornalistas” e afirmaram que a atitude do presidente revela o “descompromisso com a veracidade dos fatos”.

Já a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), que sempre alertou para os riscos à democracia, divulgou uma nota mais incisiva. Ela é assinada em conjunto com o Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro. Reproduzo-a na íntegra:

Presidente ataca a liberdade de imprensa ao caluniar jornalista

internet_sid.jpg

 

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) repudiam a acusação leviana e caluniosa que o presidente da República, Jair Bolsonaro, fez à jornalista Constança Rezende, por meio de seu Twitter.

O primeiro mandatário do país utilizou informação falsa do site Terça Livre, que atribuiu à jornalista a afirmação de querer arruinar a vida de Flávio Bolsonaro, para afirmar que a imprensa quer “derrubar o governo, com chantagens, desinformações e vazamentos”. O site é claramente partidário de Bolsonaro e atribuiu à Constança Rezende uma afirmação que ela jamais fez.

A jornalista, repórter do jornal O Estado de S. Paulo, é uma dos profissionais que acompanha o caso Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, que segundo o Coaf, movimentou quantias de dinheiro incompatíveis com sua renda.

Ao tentar desqualificá-la para enfraquecer a apuração do caso Queiroz, o presidente da República assume uma postura que não condiz com o cargo que ocupa. Em mais uma atitude intempestiva e irresponsável, ele agride a jornalista e, em última análise, o trabalho jornalístico. Os constantes ataques do presidente à atuação da imprensa são um desrespeito à democracia brasileira que precisa ter um fim.

O Sindicato dos Jornalistas e a Fenaj, assim como todos os jornalistas brasileiros, não se intimidarão diante desse comportamento ignominioso e pedem que as empresas de comunicação, e neste caso, especialmente ao jornal O Estado de S. Paulo, que também assumam a defesa da liberdade de imprensa e de seus profissionais.

Aos jornalistas cabe a função de informar à população, de forma responsável, sobre os fatos relevantes da vida nacional e, deste nobilíssimo papel, não vamos abrir mão.

*****

Em tempo: Como comandante em chefe do laranjal de Brasília, Jair Bolsonaro deveria ser mais cuidadoso com seus tuítes que estimulam linchamentos. Há muitos milicianos e fanáticos próximos ao presidente que topam seguir as ordens ao pé da letra e o capetão poderá ser acusado de cúmplice dos crimes. A situação dos jornalistas já é preocupante. Na campanha eleitoral do ano passado, houve um sensível aumento da violência contra profissionais do setor.


Relatório da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), divulgado no final de fevereiro, revelou que três jornalistas foram assassinados em 2018 – Jefferson Lopes, Jairo Sousa e Marlon Carvalho. Já os casos de atentados, agressões e ameaças, categorizados como violência não letal, tiveram aumento de 50% – pularam de 76 casos registrados em 2017 para 114 no ano passado.

O relatório aponta que os profissionais de TV foram as principais vítimas das agressões e que 72% dos casos ocorreram nas regiões Sul e Sudeste do país. São Paulo contabilizou 12 casos, o maior número entre os estados. A maior parte das agressões ocorreu na reta final da campanha eleitoral. O estudo da Abert foi o primeiro com um capítulo sobre crimes virtuais. Entre os 11 casos de ameaças, ofensas e ataques digitais destacou-se o da repórter Patrícia Campos Mello, da Folha de S.Paulo. A jornalista sofreu ofensas após publicação de reportagem que mostrava que empresários bancaram disparos por WhatsApp contra Fernando Haddad (PT) e em apoio a Jair Bolsonaro (PSL).

12
Mar19

Bolsonaro mandou recado ao jornalista Chico Otávio ao atacar sua filha?

Talis Andrade

Antes do raiar do sol desta terça-feira (12), às 5h37, Chico Otávio e Vera Araújo assinaram a reportagem com o furo da prisão do sargento Ronnie Lessa no condomínio de Jair Bolsonaro, efetuada por agentes da Delegacia de Homicídios (DH) e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público menos de duas horas antes

bolsonaro-chico-otavio.jpg

Por Renato Rovai e Plínio Teodoro

 

“Ela é filha de Chico Otávio, profissional do O Globo.” A frase de Jair Bolsonaro (PSL) no tuíte do áudio fake contra a jornalista Constança Rezende, d’O Estado de S.Paulo, foi divulgada menos de 48 horas antes da prisão, no condomínio onde o presidente mora, do sargento da PM Ronnie Lessa, sob acusação de disparar os tiros que assassinaram a vereadora Marielle Franco (PSol) e o motorista Anderson Gomes.

 

Lida isolada, a frase parece apenas mais uma bravata lançada pelo presidente para atiçar a matilha bolsonarista nas redes contra um profissional de imprensa. Mas, qual seria o real motivo de Bolsonaro ter citado o jornalista d’O Globo em uma publicação que não dizia nada a seu respeito – exceto o fato de ser pai de Constança?

Leia também: Pai de jornalista que teve áudio vazado denunciou ligação de clã Bolsonaro com milícia no RJ

Chico Otávio é um dos poucos jornalistas que restaram na grande imprensa que dedicam a carreira – e a vida – aos bastidores do poder. Co-autor do livro “Os Porões da Contravenção”, que mostra a ligação da ditadura militar com o jogo do bicho na raiz do crime organizado no Rio de Janeiro, o jornalista, vencedor de 6 prêmios Esso, é um dos maiores conhecedores do submundo das milícias cariocas e da ligação delas com os bastidores do universo político.

Foi o jornalista quem deu furo (publicou primeiro, no jargão jornalístico) da real ligação das milícias com o clã Bolsonaro, revelando o elo do ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega e do major da PM Ronald Paulo Alves Pereira, principais alvos da Operação deflagrada contra a milícia Rio das Pedras, com Flávio Bolsonaro.

 

Na reportagem, o jornalista diz ainda que “os dois são suspeitos de integrar o Escritório do Crime, um grupo de extermínio que estaria envolvido no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL)”.

Furo na prisão dos assassinos

Antes do raiar do sol desta terça-feira (12), às 5h37, Chico Otávio e Vera Araújo assinaram a reportagem com o furo da prisão do sargento Ronnie Lessa no condomínio de Jair Bolsonaro, efetuada por agentes da Delegacia de Homicídios (DH) e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público menos de duas horas antes.

 

Na reportagem, como é de praxe do jornalista, Chico Otávio traz detalhes da denúncia feita pelas promotoras Simone Sibilio e Leticia Emile ao juiz substituto do 4º Tribunal do Júri Guilherme Schilling Pollo Duarte, além da única foto – creditada à Agência O Globo – da prisão do sargento reformado no condomínio onde mora Bolsonaro, na Barra da Tijuca.

Ainda na reportagem, um infográfico, feito pelo departamento de arte do jornal – que, geralmente não trabalha durante a madrugada -, mostra como foi realizada a investigação, além de uma linha do tempo com as “reviravoltas” do caso.

O jornalista também descreve todo o histórico do assassino de Marielle, dizendo que ele tinha “ficha-limpa”, e assina uma matéria, publicada às 6h44, com Mônica Benício, viúva de Marielle, sobre a repercussão da prisão, além de outras reportagens sobre o caso.

Todos os detalhes mostram que Chico Otávio acompanha de perto as apurações sobre a morte de Marielle Franco, “incontestemente” política, como dizem as procuradoras do caso, e claramente relacionada à ligação das milícias com a classe política do Rio de Janeiro que abomina os políticos de esquerda, especialmente os ligados ao PSol.

 
 

Quase um ano depois do assassinato de Marielle, as milícias do Rio continuam mandando recado e fazendo ameaças – que levaram ao exílio Jean Wyllys e, mais recentemente, de Márcia Tiburi. E, como indaga Mônica Benício, é “urgente e necessário” que se revele quem mandou matar a vereadora. Antes que a perseguição a políticos oposicionistas, jornalistas ou contra qualquer pessoa com opiniões divergentes se torne uma política de Estado do governo Bolsonaro. Leia mais na revista Forum 

 

12
Mar19

Bolsonaro, Marielle, milícias e as coincidências

Talis Andrade

As coincidências envolvendo o brutal assassinato de Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes, até a prisão do policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, apontados como suspeitos do crime.

quem-mandou-matar-marielle.jpg

 

Eles sempre tiverem mais votos em regiões do Rio de Janeiro dominadas pelas milícias, mas isso era coincidência.

 

Eles condecoraram milicianos que estavam envolvidos em assassinatos, mas isso era coincidência.

Eles tinham pessoas empregadas em seus gabinetes que foram presas por envolvimento com as milícias, mas isso era coincidência.

Eles foram os únicos políticos com relevância eleitoral a não se pronunciar sobre o assassinato de Marielle, porque, segundo eles, não tinham coisa boa dizer, mas isso era coincidência.

Seus principais candidatos a deputados no Rio quebraram a placa de Marielle, mas isso era coincidência.

O chefe de gabinete do atual senador da família foi pego com depósitos bem acima do que recebia de salário e tem inúmeras fotos e relações com milicianos, mas isso era coincidência.

Um dia antes da prisão do suposto assassino de Marielle no condomínio em que Bolsonaro mora, o presidente da República postou uma mensagem no Twitter ameaçadora à jornalista Constança Rezende, do Estadão. O fato dela ser filha de Chico Otávio, que cobre milícias no Rio de Janeiro há tempos, e que soltou a matéria de hoje, em O Globo, com exclusividade antes das 6h da manhã, também foi só coincidência.

Vivemos num país de coincidências. Onde coincidentemente os bandidos dão as cartas e os que os investigam estão sendo ameaçados de morte (Jean Wyllys e Márcia Tiburi, por exemplo) e ou têm que se exilar ou têm que viver sob escolta policial. Mas isso é só coincidência.

Depois do Twitter de Bolsonaro, fico imaginando o quanto deve ter sido difícil para Chico Otávio seguir com a reportagem que já estava em curso. E o quanto sua filha, Constança Resende, deve ter sofrido. Mas tudo é só coincidência.

Tudo, tudo é só coincidência.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub