Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

14
Fev22

Xadrez do caso Marielle e da luta pelo poder com Bolsonaro

Talis Andrade

 

Ao lado de Moro e Bolsonaro, Braga Netto era integrante do trio de afilhados do general Villas Boas, os novos condestáveis de uma república chamada de Brasil

 

 

- - -

"General Villas Bôas, o que já conversamos ficará entre nós. O senhor é um dos responsáveis por eu estar aqui’, disse Bolsonaro ao comandante do Exército durante evento no Ministério da Defesa

 

 

No dia 2 de janeiro de 2019, durante cerimônia de posse do novo Ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, em seu primeiro dia como Presidente, Jair Bolsonaro soltou uma frase enigmática para o general Villas Bôas, cujo mandato se encerrava ali.

Qual o teor da conversa? Provavelmente passou pelo caso Marielle Franco. E pode explicar porque,  até hoje, não foi desvendado o crime contra Marielle Franco? 

Foi um crime de repercussão internacional, em que o provável assassino foi detido quase um ano depois, já encerradas as eleições e Jair Bolsonaro empossado presidente, mantido isolado de qualquer contato com o mundo, criando o mais relevante segredo político dos tempos modernos: quem foi o mandante? Como se prende o assassino e não se identifica o mandante?

O próprio Ministro da Justiça do governo Temer, Raul Jungmann, declarou, certa vez, ter certeza da existência de “poderosos” por trás da morte de Marielle.

Uma cronologia ajudará, se não a elucidar, pelo menos a entender melhor a conspiração que levou Bolsonaro ao poder.

No dia 5 de janeiro de 2018 Bolsonaro lançou-se candidato à presidência,

Doze dias depois, no dia 17 de janeiro de 2018, o comandante do Exército, general Villas Boas, dava o nihil obstat da força a Bolsonaro, garantindo que não haveria mais restrições a ele.

Em pouco tempo, Bolsonaro deixou de ser uma sombra e se tornou possibilidade concreta de vencer as eleições. No dia 31 de janeiro, DataFolha já sustentava que o único candidato capaz de vencê-lo seria Lula.

No dia 16 de fevereiro de 2018, o governo Michel Temer promulga o decreto de intervenção militar no Rio de Janeiro e nomeia como interventor o general Braga Netto. Bolsonaro critica a forma branda da intervenção, mas vota a favor.

No dia 13 de março de 2018, Braga Netto muda o comando da Polícia, tornando-se o responsável direto pela segurança no estado.

No dia 14 de março de 2018 ocorre o assassinato de Marielle. As investigações ficam sob responsabilidade de Braga Netto, o interventor.

Nos dias seguintes, Braga Netto repudia os assassinatos e promete punir os assassinos.

No dia 7 de junho de 2018, Bolsonaro visita o general Villas Boas, no primeiro encontro formal entre ambos.

No dia 14 de junho de 2018, Braga Netto informa ao Ministro Jungman possuir indícios claros sobre o assassino e os mandantes.

No dia 31 de agosto de 2018, Braga Netto garante que o crime será solucionado antes do final da intervenção.

No dia 28 de outubro de 2018 Bolsonaro é eleito presidente no 2o turno.

No dia 23 de novembro de 2018, Jungman fala da certeza de “poderosos” por trás da morte de Marielle.

No dia 31 de dezembro de 2018 termina a intervenção no Rio de Janeiro.

No dia 11 de janeiro de 2019, ainda cumprindo funções burocráticas finais do período da intervenção, Braga Netto diz saber quem matou Marielle, em uma declaração inacreditável.

Lógico que eu gostaria de ter entregado o caso, mas o próprio novo chefe de Homicídios (delegado do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) deu uma entrevista dizendo que já tomou conhecimento e viu que está muito adiantado (o trabalho de investigação). Nós fizemos todo um trabalho. Nós não procuramos protagonismo. Eu poderia ter anunciado quem a gente acha que foi, dito ao Richard (Nunes, ex-secretário de Segurança) para anunciar. Mas a gente quis fazer um trabalho profissional. Tenho confiança que se mantiver as equipes que estavam na investigação vão chegar a um resultado em breve”, disse o general de Exército.

No mesmo dia, disse que a intervenção evitou “achismos” sobre a morte de Marielle.

Na cerimônia de troca do comando do Exército, em 11 de janeiro de 2019, o general Villas Boas saúda Bolsonaro, diz que sua eleição trouxe “renovação e liberação das amarras ideológicas”.

E diz que Bolsonaro, Sérgio Moro e Braga Netto “fizeram história”.

Não agradece o Ministro Luis Roberto Barroso que, tirando Lula da disputa, pavimentou a vitória de Bolsonaro. Provavelmente, por considerá-lo apenas um inocente útil.

Moro assume o cargo de Ministro da Justiça e, menos de um mês depois, Bolsonaro nomeia Braga para o mais importante cargo do governo, o de Ministro-Chefe da Casa Civil, responsável por toda a interlocução do Presidente com demais Ministérios, com o Congresso. Era um general recém-saído da ativa, sem nenhuma experiência política, que não fazia parte do círculo de amizades ou alianças de Bolsonaro. Mas era integrante do trio de salvação nacional, os afilhados do general Villas Boas, os novos condestáveis de uma república chamada de Brasil.

Além disso, desde meados de 2018 havia uma disputa surda entre olavistas e militares, por cargos no governo Bolsonaro. A escolha de Braga Netto para a Casa Civil faz o pêndulo virar definitivamente para a ala militar.

No dia 13 de março de 2019, é preso Ronnie Lessa, como provável assassino de Marielle. Fica-se sabendo que morava no mesmo condomínio de Bolsonaro, a poucos metros de sua casa, era contrabandista de armas. Ao mesmo tempo, descobrem-se as ligações do vereador Carlos Bolsonaro com o Escritório do Crime, empregando parentes de Adriano da Nóbrega, o chefe do Escritório.

Aceita-se como normal que Bolsonaro, ligado ao submundo do Exército e das milícias, com ligações diretas com os principais responsáveis pelo Escritório do Crime, morando a algumas dezenas de metros da casa de Ronnie Lessa, sustentasse não ter relações maiores de conhecimento com ele.

Nos meses seguintes, há um jogo de varrer a sujeira para baixo do tapete, do qual participaram o Ministro da Justiça Sérgio Moro e procuradoras do Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro.

O jogo culmina com a informação de que, horas antes do assassinato de Marielle, houve uma reunião na casa de Ronnie Lessa, no próprio condomínio de Bolsonaro, do qual saiu o carro conduzindo o assassino.

Seguiu-se um jogo de apagar-pistas, com Carlos Bolsonaro confiscando o sistema de telefonia do condomínio, Sérgio Moro, colocando a Polícia Federal no encalço do porteiro – que sustentava que o motorista pediu, primeiro, para ir à casa de Bolsonaro, as procuradoras do MPE simulando uma perícia no sistema. E a mídia inteira engolindo o álibi de Bolsonaro de que, na hora, da ligação, estava em Brasilia.

Nem a informação de que o PABX do condomínio estava ligado nos telefones fixos e celulares dos moradores comoveu a imprensa.

Junto com Marielle, o jornalismo corporativo também havia sido assassinado.

Leia as reportagens do GGN sobre o tema:

Xadrez do desfecho final do caso Marielle e os Bolsonaro

As reportagens do GGN sobre o caso Marielle

09
Ago21

Ciro Nogueira, novo ministro, já deu cargos a modelos. Veja lista

Talis Andrade

 

por Extra

Gabinete ou passarela? Muitas vezes a dúvida acomete aliados e também opositores do senador Ciro Nogueira (PP/PI), agora ministro da Casa Civil. É que o agora homem forte do governo Bolsonaro (e costureiro do Centrão na corrida pela reeleição) não é apenas um bom articulador, mas também tem bom gosto ao escolher suas assessoras parlamentares. Uma delas, pelo menos, se tornou notória.Denise Rocha (@DeniseRochaDF) | Twitter

Denise Rocha

 

Denise Rocha ficou conhecida como o Furacão da CPI, em 2012, ano em que acontecia a CPI de Carlos Cachoeira em Brasília, acusado de montar um esquema de jogo ilegal em Goiás.

Na época, Denise prestava serviços ao gabinete de Ciro e teve um vídeo íntimo seu vazado, o que se tornou mais importante até que as investigações no caso do rei dos caça-níqueis. foi exonerada pelo próprio chefe, que disse não querer uma celebridade em sua equipe, apesar de ter elogiado o trabalho da loira.

Esta, porém, não foi a última vez em que Ciro empregou uma beldade. Em 2019, ele contratou Loysa Vasconcelos, a Miss Beleza Piauí 2018. A moça, na época estudante de Arquitetura ganhou o cargo comissionado de Auxiliar parlamentar Sênior, lotada no Gabinete do PP, Partido Progressista, do qual é o fundador.

Modelo é assistente de novo ministroRanyelle Veloso, conterrânea de Ciro, figura atualmente como Ajudante Parlamentar Júnior no gabinete do agora novo ministro

 
Ranyelle Veloso, conterrânea de Ciro, figura atualmente como Ajudante Parlamentar Júnior no gabinete do agora novo ministro

 

Logo começou um tititi que apontava Loysa como affair do senador, logo depois que ele e Iracema Portela, sua mulher por 25 anos, se separaram. Mas Ciro namorou por pouco tempo outra modelo, Flavia Roberta Rosalen, com quem até posou para uma foto, apagada minutos depois. No fim das contas, Ciro e Iracema retomaram o casamento em questão de meses. 

Hoje, a modelo no gabinete do senador é Ranyelle Veloso, conterrânea de Ciro. Além de figurar como Ajudante Parlamentar Júnior, ela é repórter de uma emissora de TV e de um jornal no Pará. Pelo cargo comissionado, ela recebe em torno de R$ 2 mil mais gratificações. E também está no casting de uma agência de modelos em Brasília. Agora, resta saber quem o novo ministro de Bolsonaro vai contratar para ajudá-lo no Executivo.

Loysa Vasconcelos é a Miss Beleza do Piauí

08
Ago21

“É uma piada”, diz modelo sobre seu ex-chefe, Ciro Nogueira, virar ministro

Talis Andrade

Denise Rocha (Crédito: Paparazzo)

 

Modelo Denise Rocha foi assessora de Ciro Nogueira em 2012 e depois virou “Furacão” de CPI, capa da Playboy e vice-campeã de A Fazenda 6

 

Metrópoles e 247 - Em entrevista ao Metrópoles, a modelo Denise Rocha, que em 2012 foi assessora do senador Ciro Nogueira (PP-AL) diz que a nomeação do ex-chefe a ministro da Casa Civil “é uma piada”.  

A advogada que foi vice-campeã de A Fazenda 6, capa da Playboy e ficou conhecida como o Furacão da CPI, lembra da reação que teve ao saber da escolha do parlamentar para o comando da Casa Civil. “Na hora, eu pensei: Não! Agora o mundo tá acabado mesmo! Ciro Nogueira na Casa Civil? Aí não tem para onde correr”.

Segundo Denise, o pouco tempo que trabalhou com o parlamentar foi suficiente para traçar o perfil político que Ciro Nogueira representa. Ela explica que não se trata de um político que procura os holofotes. “Ele gosta de atuar nos bastidores. E faz um estrago danado.” Denise, porém, não deu detalhes sobre o que é “fazer um estrago”. 

Denise assessorou Ciro Nogueira durante a CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) que investigou crimes cometidos por Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com a participação de políticos.

No decorrer das audiências, um vídeo íntimo, protagonizado por Denise, passou a ser compartilhado entre os políticos que integravam a comissão. Ali, ela começou a ser chamada de Furacão da CPI e acabou demitida pelo senador.

Já na época, Denise classificou a atitude como “desumana” e “machista”. O vídeo não tinha relação com qualquer episódio ou personagem relacionado à CPI.

A saída rumorosa em agosto de 2012 acabou em convite para um ensaio fotográfico para a capa da revista Playboy de setembro do mesmo ano. Ela aceitou.

Um ano depois, foi chamada para participar da sexta edição do reality show A Fazenda, da Rede Record. Topou e faturou o segundo lugar.

Em 2014, ela cogitou disputar uma vaga na Câmara Legislativa do Distrito Federal, mas acabou desistindo da candidatura.

Denise diz que preferiu manter distância do ambiente da política. “O único laço que tenho com a política se resume às poucas amizades que me restaram em Brasília”, diz a modelo que, pelo visto, não inclui o ex-chefe na lista restrita de amigos.

É uma piada", diz modelo de A Fazenda 6 sobre seu ex-chefe, Ciro Nogueira,  virar ministro

 

13
Jun21

Passeio inútil de Bolsonaro custou R$ 1,2 milhão ao governo de Doria

Talis Andrade

Bolsonaro leva milhares de motociclistas para as ruas em São Paulo e é  multado por não usar máscara - Meon

 

A "motociata" de Jair Bolsonaro e apoiadores neste sábado (12), que marca mais um ato de campanha antecipada para 2022,  custou aos cofres públicos de São Paulo R$ 1,2 milhão, governado por João Doria, de acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública do estado divulgados pela Folha de S. Paulo.

A bolada que Bolsonaro gastou com cartão corporativo da Casa Civil e outros ministérios só o capeta sabe. Inclusive outros ministros faziam parte da farra com dinheiro público. Lá estava o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Sales, contemplando a poluíção da passagem da boiada, o fumacê, a zoadeira. 

O "passeio" inútil de Bolsonaro mobilizou 1.433 policiais, com a participação de batalhões territoriais e especializados, como Baep, Choque e Canil, além de equipes do Corpo de Bombeiros e do Regaste. Para complementar a segurança da manifestação ainda foram utilizadas cinco aeronaves, dez drones e aproximadamente 600 viaturas.

Para fazer sua campanha pessoal, Bolsonaro utilizou avião da Força Aérea Brasileira (FAB) e cometeu crimes ao usar modelo de capacete proibido pelas normas de trânsito, e pilotar sua moto com a placa coberta. No final do evento, o chefe do Executivo Nacional voltou a espalhar mentiras sobre a Covid-19 e falou novamente em desobrigar o uso de máscara.

14
Fev20

Braga Netto na Casa Civil é derrota para “ala ideológica” do governo, escreve Le Monde

Talis Andrade

Intervenção militar jamais aconteceu

em território das milícias

 

casa -civil.jpg

RFI

O jornal francês Le Monde desta sexta-feira (14) repercute a nomeação do general Braga Netto para o ministério da Casa Civil no Brasil. Nem bem a notícia foi confirmada em Brasília, o diário liberal publicava em seu site um artigo com o título: “um general nomeado chefe do governo por Bolsonaro”. O texto explica aos leitores que a Casa Civil equivale ao cargo de primeiro-ministro.

A nomeação do general Braga Netto ao cargo mais importante do governo é vista como uma vitória para a ala militar do governo, que os especialistas consideram mais pragmática do que a ala ideológica, composta principalmente por discípulos do sulfuroso filosofo Olavo de Carvalho, informa o texto.

O general de 62 anos, vai substituir Onyx Lorenzoni, que foi, segundo o Le Monde, “relegado” ao ministério da Cidadania, pasta que concentra a maioria das questões sociais, mas também o Esporte. Osmar Terra, que ocupava o ministério da Cidadania, vai recuperar seu mandato de deputado na Câmara Federal.

Com a nomeação de Walter Souza Braga Netto, anunciada na quinta-feira (13) por Bolsonaro pelo Twitter, o presidente reforça a presença de militares em seu governo, aponta o Le Monde, lembrando que agora nove dos 22 ministros brasileiros são militares. Além disso, a partir de agora, os quatro colaboradores mais próximos de Bolsonaro no governo, que têm seus escritórios situados no Palácio do Planalto, são militares, a começar pelo influente general Augusto Heleno, chefe do gabinete de segurança institucional da Presidência da República, ressalta o jornal.

Interventor militar no Rio

Le Monde publica a biografia de Braga Netto. Diz que o atual chefe do Estado Maior do Exército ficou conhecido do grande público em 2018, quando assumiu o comando militar das forças de segurança pública que intervieram no Rio de Janeiro. A matéria é, aliás, ilustrada com uma foto do general ao lado de Jair Bolsonaro. A fotografia foi tirada em novembro de 2018, Braga Netto quando era interventor federal militar do Rio e antes de o presidente assumir o cargo.

A intervenção do exército no Rio foi decidida pelo ex-presidente Michel Temer, precursor de Jair Bolsonaro, para tentar conter uma onda de violência urbana sem precedentes, recorda a matéria. A intervenção militar durou onze meses e, de acordo com o jornal, seu saldo foi heterogêneo: alguns indicadores de violência caíram, mas o número de mortos nas operações policiais aumentou sensivelmente. De acordo com dados do Instituto de Segurança Pública, 6.695 mortes violentas foram registradas no estado em 2018.

A nomeação de Braga Netto também é destaque no jornal El País. O diário espanhol escreve que Bolsonaro, depois de tanto negar, começa a fazer, a conta-gotas, uma minirreforma ministerial. Além de dizer também que a mudança fortalece núcleo militar no Planalto, a decisão de levar Onyx para comando do Bolsa Família tem como objetivo de dar um novo direcionamento ao programa contra a miséria, que acumula demanda reprimida, acredita El País.

Como interventor do Rio, o general Braga sempre batalhou longe das milícias, que gozaram de ampla liberdade. O interventor passou longe da milícia do capitão Adriano da Nóbrega, no Rio das Pedras. Os pistoleiros Ronnie Lessa e Elcio Queiroz foram presos pela polícia civil no dia 30 de janeiro de 2019. 

casa civil_fortaleza.jpg

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub