Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

09
Set21

Um 7 de setembro que não acaba

Talis Andrade

pelicano fogo nero amazonia.jpg

 

 

por Helena Chagas

- - -

Brasília amanheceu com a Esplanada dos Ministérios bloqueada por caminhoneiros que tentam alcançar o STF (para fazer o que?) e estradas de 14 estados estão interrompidas. Ontem, a Bolsa caiu quase 3,78%, o dólar subiu ao maior valor desde junho e a paralisia tomou conta do governo e do Congresso, esvaziando expectativas de aprovação de qualquer coisa. As autoridades perdidas da República batem cabeça, enquanto a inflação bate 0,87% em agosto e o noticiário registra que os reservatórios estão secando. 

Não me surpreenderia se, chegando àquele gabinete no terceiro andar do Planalto, encontrássemos seu principal ocupante olhando pela janela o esfumaçado cenário da seca de Brasília, cheio de caminhões, enquanto toca sua lira - o instrumento musical, não o presidente da Câmara. O nosso Nero vê o fogo tocado por ele se alastrar, mas não governa. Tem crime de responsabilidade maior do que esse?

 Enquanto analistas políticos, não enxergamos, realisticamente, condições objetivas de impeachment nesse momento. A começar pela razão básica de que o único sujeito que pode tirar um pedido desses da gaveta deixou claro ontem que não está disposto a fazê-lo. Mas o saldo desse 7 de setembro que teima em não acabar pode carbonizar o país se Jair Bolsonaro não for detido, e logo.

E a saída é aquela que está na Constituição, sem subterfúgios como a cassação da chapa, ou de seu cabeça, pelo TSE, ou o longo caminho que percorrerá uma denúncia criminal contra o presidente da República no STF. É o impeachment, usado até para afastar uma presidente que não cometera crime algum em 2016. 

Tá certo, é preciso convencer o espertinho do Lira, que talvez ache que ainda tem muito a ganhar do governo até ano que vem, junto com sua parte do Centrão. A história mostra, porém, que políticos do tipo de Lira trocam de roupa com muita facilidade quando vêem que o baile acabou e há uma atração melhor do outro lado da rua. 

Cabe ao establishment político e empresarial do país, e às ruas, mostrar aos que ainda resistem ao impeachment que estão cometendo crime de lesa-pátria ao permitir a permanência de um incendiário no Planalto.  Para se chegar a 3 de outubro de 2022, e haver um país até lá, é preciso ultrapassar o 7 de setembro de 2021.

mito .jpeg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub