Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

30
Jan21

Mourão é um troglodita inepto até para conspiratas

Talis Andrade

BOLSONARO - MOURÃO -RESERVA.jpg

 

Por Gilberto Maringoni

 
Hamilton Mourão foi humilhado e pisoteado em praça pública, com requintes de sadismo, por Bolsonaro, nesta quinta (28).

“Se quiser escolher ministro, se candidate em 2022”, sentenciou o titular do Planalto.

Mourão é um obtuso, cuja cabeça só serve para seguidas aplicações de Henê Maru, que lhe garante reluzentes cabelos pretos.

Em 2015 exibiu toda sua estupidez em ameaça golpista contra Dilma Rousseff, o que lhe valeu a destituição do Comando Militar Sul.

É um troglodita inepto até para conspiratas.

Nenhum governo da República desmoralizou tanto as Forças Armadas – instituição e pessoas físicas – quanto o de Jair Bolsonaro.

Graças à sua administração, percebe-se que os altos comandos armados brasileiros marcham resolutos para a guerra de sinecuras.

O integrante mais destacado é o inimitável Eduardo Pazzuelo, que conseguiu estabelecer 220 mil baixas no que parece ser o inimigo dos quartéis, o povo brasileiro.

Mourão não devolverá o desaforo do capitão.

Falta-lhe espinha dorsal para tanto.

Engolirá em seco e continuará com seu dolce far niente palaciano.

Entre uma e outra sessão de tintura capilar seguirá agachado a uma mediocridade maior, como é de seu feitio.

Ele e o titular da Saúde conseguirão, no máximo, um dia sair da vida para entrar no anedotário nacional.
15
Jan21

O governo que mata pobre sufocado em hospital

Talis Andrade

vergonha.jpg

 

 

Reinaldo Azevedo no Tweet
 
Reinaldo Azevedo
@reinaldoazevedo
Volto à questão legal: é aceitável q deputados e até uma juíza estrelem um vídeo fazendo pouco caso da máscara e atacando o distanciamento social, medidas cruciais para minorar o desastre? Podemos ficar sem uma legislação que puna tal postura de pessoas q ocupam função pública?
*
Enquanto isso, o Sargento Garcia, tbem conhecido por general Pançudo, perde tempo adesivado aeronave q vai buscar meia-dúzia de vacinas para passar a impressão de q o governo q mata pobre sufocado em hospital se importa com a saúde do povo.
*
ATENÇÃO PARA ALGO POTENCIALMENTE GRAVE: O início da vacinação pode passar a impressão de q a imunização coletiva ja está dada e de q ñ há mais risco. Precisaríamos de uma campanha forte p/ deixar claro q isso é falso. Ñ haverá. Política genocida vai continuar.
*
Estou aqui lembrando da conversa estúpida de q um governo cheio de militares seria sinônimo de eficiência. Eis aí. O governo mais militarizado da história, incluindo a fase da ditadura militar. Deu nisso. Ministro da Saúde é general da ativa. Que mácula p/ o Exército Brasileiro!
*
Sargento Garcia, o general P da hora H, tentou dar um truque até na Índia. Ali, não fosse a qualidade, ele teria se fudid... na quantidade. O general especialista em “loguística” nunca ouviu falar em salto dialético, coitado! Ele nem sabe o que é logorreia. General burro!!!
*
O “Partido Militar”, que é o “Partido da Boquinha”, e hoje o maior fator de atraso no Brasil.
*
Lugar de milico é cuidando de guerra. Há algum país querendo invadir o Brasil? Ou a gente quer invadir algum país. P q eu devo falar com militares?

milicia-no-divã-tradutora.jpg

 

06
Jan21

A porção perversa da alma do povo

Talis Andrade

 

Por Bepe Damasco

- - -

As pessoas estão perdendo filhos, pais, mães, avós, tios, primos e amigos, vítimas de mortes evitáveis em muitos casos, se não estivéssemos sob um governo que cultua a morte.

Mas, estranhamente, a defesa do bem mais precioso de qualquer ser humano, a vida, não é motivo suficiente para uma revolta da vacina às avessas. 

E 200 mil mortos são três Maracanãs lotados.

Essa tragédia sem precedentes na história não é suficiente para que os brasileiros e brasileiras cerquem o Palácio do Planalto, pelo menos virtualmente, e exijam vacina imediatamente, além da saída do genocida que ocupa a cadeira presidencial.

Desnecessário entrar em detalhes acerca do papel nefasto da longa dominação de 520 anos da Casa Grande para o baixo nível de consciência política da nossa gente.

A exploração brutal dos mais humildes pela burguesia e a dificuldade de acesso à educação de qualidade também são fatores que ajudam a explicar o quadro de subcidadania.

Mas os pesquisadores do futuro certamente “queimarão a mufa” para decifrar um fenômeno de tamanha complexidade.

O próximo a morrer pode ser o filho, a esposa ou a mãe do sujeito, mas a iminência de uma perda irreparável é incapaz de impedir que ele ande sem máscara, que vá à praia, que se aglomere em festas e bares. E tem de tudo no desafio insano à Covid-19: do povão às classes média e alta.

Os que adotam esse comportamento egoísta revelam total falta de empatia e solidariedade para com o próximo, se transformando conscientemente em agentes da propagação do vírus, da doença e da morte.

Para não incorrer no erro crasso da generalização, cumpre registrar que não me refiro obviamente neste texto à totalidade do povo brasileiro, nem mesmo à maioria, mas sim à parcela expressiva dele.

Desta feita, nem a falta de informação serve como justificativa, dado o verdadeiro bombardeio dos veículos de comunicação acerca das medidas de proteção necessárias para conter a disseminação do vírus.

A ciência política, a sociologia e a antropologia são insuficientes para explicar e entender a alma do povo deste país. Causa perplexidade ver as pessoas se deixando matar bovinamente. 

Ah, mas esse mesmo povo elegeu Lula e Dilma em quatro eleições presidenciais consecutivas, dirão muitos. 

Sim, mas boa parte desse eleitorado nunca deixou de dar a impressão de que assim que passasse um cavalo encilhado que refletisse o racismo, a homofobia, a misoginia e o anticomunismo mais tosco presentes na sociedade estaria pronta para montar. Deu no que deu. 

Vastos setores da esquerda adotam um tom paternalista quando se trata de analisar a adesão popular a causas obscuras. Debitar tudo na conta das debilidades e erros da própria esquerda costuma ser o diagnóstico padrão.

Claro que é importante enfatizar que a elite escravocrata do país e seu ódio devotado aos negros e pobres, conforme apontado pelo professor Jessé de Souza, são elementos sólidos para a compreensão das nossas mazelas como nação.

Isto posto, penso que passar pano em posturas anticientíficas, egoístas e atentatórias à saúde pública não contribui para que possamos atravessar a tormenta e construir um país mais justo, igualitário, soberano e efetivamente democrático.

06
Jan21

“O Brasil está quebrado e eu não posso fazer nada”. A sibilina e ameaçadora afirmação de Bolsonaro

Talis Andrade

presidente sem cabeça vaccari.jpg

 

 

A arrogância do presidente já é proverbial. Seus erros e sua incapacidade de comandar o país são sempre culpa dos que “não o deixam governar”

 

Ao voltar de suas férias de pesca, Jair Bolsonaro fez uma das mais graves afirmações desde que chegou à presidência. Dirigindo-se aos seus seguidores mais fiéis, confessou que “o Brasil está quebrado” e que ele “não pode fazer nada”. E ainda acrescentou, desafiador: “Vão ter que me aguentar até 2022”. E o pior é que os seus e o mercado continuam a apoiá-lo. A maior vítima será a grande massa de desempregados e pobres, sobre os quais, como sempre, cairá a crise.

Não creio que haja um único chefe de Estado no mundo que seja capaz de confessar que o seu país está quebrado e que não pode fazer nada sem renunciar no dia seguinte. A arrogância de Bolsonaro já é proverbial. Seus erros e sua incapacidade de administrar são sempre os que “não o deixam governar”.

No entanto, há algo mais grave e sibilino em sua afirmação quando diz que o país está quebrado e que não o deixam fazer o que quer. Com isso está dando a entender que é impossível governar com as atuais instituições democráticas. Seria a difícil, mas indispensável, pluralidade de instituições que o arrastaria à tentação de querer viver sem elas.

E é esse equilíbrio de diálogo nem sempre fácil entre as diferentes instituições com seus freios e contrapesos, mas que são a base indispensável dos regimes democráticos, o que Bolsonaro não pode suportar.

É claro que o sonho não confessado de Bolsonaro é poder ter o Congresso e a Justiça amarrados a seus pés à moda de Vladimir Putin e Nicolás Maduro.

De fato, desde que chegou ao poder vem flertando com um golpe contra o Congresso e o STF. Para ele, todo o jogo democrático é um estorvo.

E o mais grave é que os poderes fáticos não se mexem para retirá-lo do cargo, quando não o bajulam para arrancar cargos e privilégios. Daí que o capitão reformado do Exército se sinta forte e se permita todo tipo de provocações sem que haja uma oposição capaz de parar seus coices contra os valores democráticos e civilizatórios.

A arrogância de dizer que ninguém o tirará do poder é típica dos caudilhos populistas e arrogantes. Diante das declarações de Bolsonaro de que este país está à deriva e que não pode fazer nada, seria necessário perguntar o que os militares continuam fazendo apoiando o aprendiz de ditador. O Exército sempre apareceu nas pesquisas junto com a Igreja como uma das instituições mais valorizadas pela opinião pública.

A Igreja já está perdendo o crédito por ter se jogado nos braços do novo mito e caudilho. E os militares que permanecem no Governo podem acabar sujando toda a instituição.

O que esperam então os militares para abandonar o Governo quando o presidente se declara impotente para governar? A menos que se trate de não perder os privilégios do cargo, o que seria mesquinho em uma instituição da envergadura e da importância do Exército.

E o poder econômico está vendo que o Bolsonaro é incapaz até mesmo de entender o que é a força da economia e sua importância para o bem-estar do país. E seu famoso Posto Ipiranga, o ministro da Economia, hoje é apenas uma marionete nas mãos do mito. Como são, no final, até os generais que estão no Governo.

Às vezes, ver como Bolsonaro trata os generais ministros faz pensar que o capitão reformado do Exército por suas aventuras com o terrorismo hoje está se vingando ao tratar os militares de seu Governo como simples coroinhas.

Sem dúvida, as graves declarações de Bolsonaro de que o Brasil é um país quebrado não animarão os empresários estrangeiros a investir aqui, prejudicando ainda mais a já frágil economia que cria cada vez mais desempregados abandonados à própria sorte enquanto a inflação galopante atinge ainda mais a massa de pobres que é a maioria do país.

Todos nós entramos em 2021 com a esperança de que fosse um ano melhor.

As declarações de Bolsonaro e seu boicote contínuo à vacina enquanto cresce a nova onda de covid-19 estão começando a balançar nossas esperanças.Protesto contra Bolsonaro na frente do Congresso, em Brasília, em 23 de dezembro.Protesto contra Bolsonaro na frente do Congresso, em Brasília, em 23 de dezembro.UESLEI MARCELINO / REUTERS

 

Fica a incógnita de se as outras instituições do Estado estão cientes de que a presença de Bolsonaro é um dos maiores perigos para a democracia desde a ditadura. Há poucos dias, o presidente alertou seus seguidores que não aceitaria o resultado das eleições se fossem usadas urnas eletrônicas novamente. Nesse caso, disse-lhes “pode esquecer a eleição”, dando a entender que se perdesse não aceitaria o resultado.

Já houve analistas políticos que levantaram a hipótese de que a nova paixão de Bolsonaro pela corporação policial e os contínuos mimos que lhes está fazendo é para tê-los ao seu lado se perder as eleições e tentar dar um golpe autoritário. Bolsonaro sabe hoje que para isso dificilmente poderia contar com a cúpula do Exército, do qual se espera que não terá apoio explícito na campanha eleitoral. É mais fácil esse apoio vir da polícia e das milícias que sempre lhe foram favoráveis e com quem ele, seus filhos e toda sua família sempre tiveram relações misteriosas que ainda não foram decifradas.

Bolsonaro é claramente um despreparado culturalmente e incapaz de governar com as regras democráticas, mas conhece como poucos os subsolos e as cloacas dos poderes mafiosos. O Brasil é muito importante aqui e no xadrez mundial para continuar sendo governado por um presidente que não deixa um só dia de brincar com seus sonhos de ditador.

Todo o resto, até que o país esteja quebrado lhe importa menos. E o pior é que não tem pudor em confessar.

 

24
Set19

Gabriel Monteiro o arruaceiro policial que foi ao enterro da menina Ágatha

Talis Andrade

 

gabriel-monteiro-mbl aghata.png

soldado raso de witzel.jpgSegurança do deputado Filipe Poubel (PSL)

 

Jornalistas Livres
@J_LIVRES
Parece inacreditável, mas o policial militar Gabriel Monteiro, integrante do MBL e assessor do deputado Filipe Poubel do PSL, foi ao velório de Agatha, menina de 8 anos assassinada pela polícia de Witzel, para agredir as pessoas presentes. A quem serve a polícia militar?

 

Revista Forum - Gabriel Monteiro tenta trilhar o mesmo caminho de Arthur do Val, do Mamãefalei, e já quase foi expulso da PM por conta do tempo dedicado como youtuber.

witzel sangue nas maos.jpg

witzel mais um corpo de criança no chão.jpg

Gabriel Monteiro tem ganhado certa visibilidade na política do Rio de Janeiro causando polêmicas ao produzir vídeos no mesmo estilo espalhafatoso do deputado estadual Athur do Val (DEM-RJ), do Mamãefalei. Nessa malandragem de youtuber, quase foi expulso da Polícia Militar por faltar o serviço para atuar em manifestações do MBL. Neste domingo (22), ele ficou marcado por agredir um jovem durante o enterro da menina Agatha Félix, de 8 anos.

“Não dá pro cara chegar numa manifestação onde você não tem a mínima noção do que é viver como favelado e ter saudades das pessoas próximas a você que falecem para botar os familiares em contradição, para botar as pessoas que estão em um momento de dor, num momento de sofrimento em contradição para encher o c. da sua página de seguidor”, é o que conta o rapaz que foi derrubado pelo PM com um soco.

A prática narrada pelo jovem é a mesma que fez o youtuber Arthur Mamãefalei aparecer no cenário político e conseguir ser eleito deputado estadual. Em tom ainda mais intimidatório, Monteiro faz perguntas a pessoas que não estão prontas para rebater seus argumentos e lança vídeos nas redes sociais. Em muitas das gravações ele usa farda.

No velório, ele tentou fazer o mesmo, abordando pessoas que foram para o enterro da menina Ágatha, de 8 anos, que morreu após um tiro de fuzil da Polícia Militar enquanto voltava para casa com sua família. O policial argumentava que a PM não era a culpada pela morte e desafiava as pessoas a responder.

Ágatha Félix.jpg

Ágatha fuzilada pela covarde e cruel polícia de Witzel, filipe Poubel e Gabriel Monteiro

 

Um deles foi o jovem agredido. “Ele começou a passar a versão dele e as coisas começaram a ficar pior quando a gente chegou e falou que ele justificou a morte das pessoas com a apreensão de 400 fuzis sendo que são mais de 1080 pessoas mortas no estado por violência policial”, contou.

Monteiro quase foi expulso da Polícia Militar uma vez devido aos seus vídeos. Em denúncia de desobediência hierárquica feita por um coronel da PM, a corporação concluiu que Monteiro não cumpria com suas funções como policial para atuar no MBL. “Desobediência hierárquica com palavras ofensivas contra a instituição em redes sociais, conduta irregular, ineficiência no cumprimento da função, inúmeras transgressões disciplinares como faltas ao serviço para envolvimento em manifestações políticas com o MBL, do qual faz parte”, diz trecho da decisão publicada em 27 de agosto deste ano.

O secretário de Estado da Polícia Militar, General Rogério Figueiredo – nomeado por Wilson Witzel -, decidiu anular a condenação indicada pela Corregedoria da PMERJ. A interferência fez o corregedor Joseli Cândido da Silva se demitir do posto, segundo o Jornal Extra.

 

Hoje, Monteiro está à disposição do deputado estadual Filipe Poubel (PSL-RJ) e não atua nas ruas – membros do 12º Batalhão, da cidade de Niterói, criticaram a “boquinha”.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub