Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

06
Abr20

Questão de desordem. Por Janio de Freitas

Talis Andrade

bolsonaro queda.jpg

 

Renúncia de governante costuma ser um gesto espontâneo à força

É uma necessidade premente, não a convicção, que faz Bolsonaro desafiar as evidências, o saber científico, a indignação do bom senso e o coronavírus. Se está convencido, mesmo, do que acusa no isolamento contra o vírus, não é irrelevante. Mas é outra questão, não o que o move.

É para salvar sua pele que Bolsonaro, contraditoriamente, a expõe à contaminação. “Há gente poderosa em Brasília que espera um tropeço meu”, disse na última quinta. Engana-se, não com a gente poderosa, mas com o motivo da espera.

E tropeço é uma imagem modesta para o que menos falta em cada dia, vá lá, presidencial.

Entre os que esperam, renúncia é a palavra da moda. Mais sussurrada do que sonora, pode ser vista como a transferência, para o próprio Bolsonaro, da iniciativa desejada contra ele. O cúmulo do comodismo. Ainda assim, indício de esgotamento.

O alarme soou para os Bolsonaros com sinais acumulados na semana entre 15 e 21 de março, ao se acentuarem os choques com governadores e as acusações de “histeria” à prevenção e ao noticiário.

Até então, tratava-se de seguir Trump na contestação às recomendações contra o vírus já fulminante na Europa. A percepção da fuga de apoios políticos abalou os Bolsonaros e suas redondezas.

Carlos, o 02, abandonou os melindres que o distanciaram do pai e voltou para Brasília. Dos três filhos maiores, é o mais ouvido para condutas políticas de Bolsonaro. Vieram novos pronunciamentos na linha de acirrar os ataques, em vez da esperável busca de reduzir as reações. À distância em quarentena de idoso contaminado, o irado general Augusto Heleno deu-se alta para recompor às pressas o chamado Gabinete do Ódio. Da outra parte, um sinal eloquente: o general-vice Hamilton Mourão também saiu do seu retiro, com renovada receptividade a microfones e câmeras.

A crescente repercussão negativa da campanha de Bolsonaro foi acompanhada, também, das adesões, inclusive com carreatas, de donos de empresas ansiosos por voltar ao faturamento. Estímulo bastante para mais avanços, como a imersão de Bolsonaro no contato físico com aglomerações em áreas públicas. E aí, no trigésimo ano de vida na política, sua estreia com as expressões “meu povo”, “salário contra a pobreza”, “direitos do povo”.

A mais recente fala de Bolsonaro em rede nacional criou uma situação extravagante. Militares obtiveram que essa fala, em 31 de março, não incluísse as divergências sobre o coronavírus. Seja lá pelo que for, e o que for não é bom, a imprensa deu à fala o sentido de louvável (até em editorial) recuo de Bolsonaro no confronto com a Organização Mundial da Saúde, quase todos os governadores, muitos prefeitos, a ciência e o seu aplaudido ministro Luiz Henrique Mandetta, da Saúde.

Na manhã daquele dia, Bolsonaro atacara o isolamento preventivo e os governadores, com uso de imagens falsas de desabastecimento. Pouco depois, reunira-se com médicos sem incluir o médico Mandetta. Logo, de manhã era Bolsonaro como é. À noite, Bolsonaro era os redatores da sua fala. No dia seguinte, Bolsonaro de volta e a imprensa no recuo, encabulado.

Bolsonaro não voltou só ao que é. Voltou à defesa de sua pele, ao recurso de eficácia já comprovada, sugerido pela inteligência ferina de Carlos 02. A defesa inflexível e demagógica da reativação do trabalho e de sua remuneração é estimuladora de massas mobilizáveis nas ruas e por todas as formas.

Greves de caminhoneiros, violências de trabalhadores necessitados de dinheiro, rebeldias de Polícias Militares, manifestações de multidão: a ameaça de desordem como resposta à ameaça do mandato. Não por acaso, as ajudas aos carentes da crise sanitária são muito faladas por Bolsonaro e Paulo Guedes, mas não saem dos cofres.

Renúncia de governante costuma ser um gesto, digamos, espontâneo à força. Entre o esgotamento do desgaste e os receios da ação, a força espera, indecisa.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub