Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

17
Ago20

Governo Bolsonaro é “estado de golpe”, afirma historiadora Lilia Schwarcz

Talis Andrade

lilia-schwarcz-entrevista-aliados.jpg


Em entrevista à Pública, Schwarcz, autora de vasta obra sobre a história do Brasil, expõe as raízes autoritárias, machistas e racistas de nossa sociedade – que ajudaram a eleger Jair Bolsonaro –, comenta a polêmica criada por seu texto sobre Beyoncé, e fala de pandemia e futuro

* Bolsonaro “não precisa derrubar a Constituição, porque ele a rasga todo dia”
* “Um chefe de governo que, em pleno período pandêmico, demite o ministro da Saúde para colocar no lugar um general sem experiência é um presidente autoritário”
* "Essa imagem dos militares como um setor muito racional não confere com nenhum momento em que eles estiveram no poder”

por Giulia Afiune

Mesmo sem ter dado um golpe de estado, as ações autoritárias de Bolsonaro estão aos poucos corroendo a Constituição e a democracia. É o que afirma a antropóloga e historiadora Lilia Schwarcz, autora de uma série de livros sobre a história e a cultura do país, entre os quais “Sobre o autoritarismo brasileiro” (2019) e “Brasil: uma biografia” (2015). 

“Um presidente que não segue a Organização Mundial da Saúde e prefere criar fatos falsos, que resolve vender para a população a ideia de que um remédio que não é apoiado pelas pesquisas médicas e científicas resolveria o problema dos brasileiros, é um presidente autoritário. E um presidente que fala em liberdade de expressão, quando, na verdade, mentira não é liberdade de expressão”, pontua a professora da Universidade de São Paulo.

Em entrevista exclusiva à Agência Pública, por indicação dos Aliados – nosso grupo de leitores/apoiadores -, que também enviaram perguntas, Schwarcz diz que também vê com preocupação a presença maciça de militares do governo. “Nosso primeiro presidente, Deodoro da Fonseca, foi um militar, o segundo, Floriano Peixoto, também. O Exército foi construindo lentamente essa ideia de “salvadores da nação”, mas quando a gente vê o Exército atuando, não é isso que acontece. Os anos da ditadura militar não foram anos bons para o Brasil, tivemos uma inflação galopante, vários problemas de corrupção. Essa imagem dos militares como um setor muito racional não confere com nenhum momento em que eles estiveram no poder.”

Mesmo sem ter dado um golpe de estado, as ações autoritárias de Bolsonaro estão aos poucos corroendo a Constituição e a democracia. É o que afirma a antropóloga e historiadora Lilia Schwarcz, autora de uma série de livros sobre a história e a cultura do país, entre os quais “Sobre o autoritarismo brasileiro” (2019) e “Brasil: uma biografia” (2015). 

“Um presidente que não segue a Organização Mundial da Saúde e prefere criar fatos falsos, que resolve vender para a população a ideia de que um remédio que não é apoiado pelas pesquisas médicas e científicas resolveria o problema dos brasileiros, é um presidente autoritário. E um presidente que fala em liberdade de expressão, quando, na verdade, mentira não é liberdade de expressão”, pontua a professora da Universidade de São Paulo.

Em entrevista exclusiva à Agência Pública, por indicação dos Aliados – nosso grupo de leitores/apoiadores -, que também enviaram perguntas, Schwarcz diz que também vê com preocupação a presença maciça de militares do governo. “Nosso primeiro presidente, Deodoro da Fonseca, foi um militar, o segundo, Floriano Peixoto, também. O Exército foi construindo lentamente essa ideia de “salvadores da nação”, mas quando a gente vê o Exército atuando, não é isso que acontece. Os anos da ditadura militar não foram anos bons para o Brasil, tivemos uma inflação galopante, vários problemas de corrupção. Essa imagem dos militares como um setor muito racional não confere com nenhum momento em que eles estiveram no poder.”

Além de relacionar o Brasil do presente com sua história, Schwarcz ressalta a necessidade de construir uma memória indígena, negra e ribeirinha, pois estas experiências não são contempladas na memória das pessoas brancas, que é dominante no país. Ela também reafirma que se precipitou ao criticar o novo álbum da diva Beyoncé em um texto recente, que a tornou alvo de fortes críticas nas redes sociais. “Eu quero viver em um país em que a gente pode errar e sair melhor do erro,” diz. 

 

Na sua obra você afirma que o autoritarismo está na essência do Brasil, ou seja, está nos governos autoritários mas no povo também. Quais são as origens disso?

Quando eu escrevi o livro “Sobre o autoritarismo brasileiro“, foi uma reação imediata à eleição de 2018. Eu anuncio na introdução dois pressupostos básicos: o primeiro é que o nosso presente está lotado de passado e, o segundo, é que, para quem se espantava muito com o resultado das eleições de 2018, o livro ia mostrar como nós sempre fomos autoritários. Claro que existe um contexto global de eleição de vários governos de matriz autoritária, populistas e retrógrados, até, que também explica a eleição de Jair Bolsonaro. Mas eu estava muito interessada em entender as nossas raízes. 

A primeira raiz é a escravidão, que é a grande contradição da história e da sociedade brasileira, na minha opinião. Porque a escravidão criou uma sociedade que naturalizou o [poder de] mando, e mais ainda, naturalizou a prática do mando por poucas pessoas. Claro que nós sabemos que os escravizados reagiram sempre, desde que existia escravidão existiam quilombos. Mas, esse é um modelo que naturaliza a posse de uma pessoa por outra. É um modelo altamente autoritário, porque, inclusive, não concede ao outro nem o estatuto de humano, o outro é uma propriedade que eu posso leiloar, penhorar, torturar. A escravidão, que era mais que um sistema de trabalho, virou uma linguagem violenta com várias consequências.

O outro lado do nosso autoritarismo é a nossa própria estrutura colonial. A América Portuguesa era um território muito grande para uma metrópole pequenina. A saída foi a distribuição de grandes lotes de terra, que seriam dominados, mais uma vez, por poucos mandatários. Na minha concepção, o senhor da época da Colônia se transformou no nobre do café na época do Império, no coronel na época da Primeira República, e isso explica como em 2018 os brasileiros elegeram a maior “bancada dos parentes” [famílias que se perpetuam no poder por gerações]. Estamos falando de uma situação reiterada e que se pauta em um sistema violento.  

 

Como esse autoritarismo se expressa no cotidiano? 

Por exemplo, vamos falar da questão da pandemia. Um chefe de governo que, em pleno período pandêmico, demite seu ministro da Saúde para colocar no seu lugar um general sem qualquer experiência no trato de pandemias é um presidente autoritário. Um presidente que não segue a Organização Mundial da Saúde e prefere criar fatos falsos, que resolve vender para a população a ideia de que um remédio que não é apoiado pelas pesquisas médicas e científicas resolveria o problema dos brasileiros, é um presidente autoritário. E um presidente que fala em liberdade de expressão, quando, na verdade, mentira não é liberdade de expressão.

Ele não é só autoritário – é um presidente populista. O que é a matriz do populismo? É quando você tem chefes de estado que acreditam que falam diretamente com o povo e que, portanto, não precisam da ciência, da academia, dos jornalistas, das instituições democráticas.

Esses são exemplos de um presidente que, inclusive, sequestrou conceitos básicos. É um presidente que fala em democracia como se democracia fosse só eleição. A eleição é o começo, a democracia a gente faz todo dia na prática, o que sustenta a democracia é justamente o tema dos direitos e da liberdade. Nós temos um presidente evidentemente autoritário. (Continua)

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub