Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

24
Set22

Jovem é agredida na cabeça com madeira após crítica a Bolsonaro em bar: 'Vai apanhar que nem homem'

Talis Andrade

Estefane de Oliveira Laudano, de 19 anos, levou sete pontos na cabeça

 

por Jan Niklas e Luã Marinatto /Extra
 
- - -

Uma jovem de 19 anos foi agredida em um bar de Angra dos Reis, na Costa Verde do Rio, depois de, em uma conversa com amigos, serem feitas críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PL). Segundo o relato de testemunhas, outro cliente do estabelecimento, ao ouvir os comentários, saiu em defesa do candidato à reeleição e deu início a uma discussão, que acabou culminando em sua expulsão do local pela proprietária. Em seguida, porém, ele retornou com um pedaço de madeira e atacou o grupo, atingindo Estefane de Oliveira Laudano com um golpe na cabeça.

— Estávamos conversando e eu vi o status de um amigo numa rede social, que dizia: "Minha bandeira é verde e amarela". Embaixo, menor, completava com um "mas meu voto é 13", só que na hora eu não notei, então comentei com a minha irmã, brincando: "Ué, gente, ele vota no Bolsonaro? Não tenho amigo bolsonarista não" — conta Esther de Oliveira Laudano, de 24 anos, irmã da vítima: — Nesse momento, esse homem, que eu nunca vi na vida, já se intrometeu dizendo que era Bolsonaro, perguntando qual era o problema. Respondi que nenhum, que ele estava no direito, mas que ninguém havia falado com ele.

Esther afirma que o agressor insistiu nas ofensas, aos gritos, até que a dona do bar pediu para que ele se retirasse. De acordo com a jovem, o homem parecia alterado, como se estivesse embriagado.

— Ele me chamou de "maria-homem" e disse que era "gente que nem a gente que vota no Lula". Depois, foi embora, mas não demorou para voltar com esse pedaço de madeira. Começou a berrar que, "se eu era homem, então iria apanhar que nem homem". Eu parei na frente dele e falei: "Então bate".

Estefane teria, então, entrado no meio da discussão, tentando afastar o agressor. O homem, no entanto, revidou, e ela acabou atingida pela quina do pedaço de madeira, que fez o corte em sua cabeça.

— Minha primeira reação foi partir pra cima dele, dando uns socos, mas quando olhei para trás vi minha irmã no chão, toda cheia de sangue, pedindo ajuda. Ela não conseguia se mexer, só tremia e gritava. Era uma imagem horrível — relata Esther.

Toda a confusão aconteceu em um bar no Centro de Angra dos Reis, por volta das 16h. Ferida, Estefane foi levada no colo de um amigo para a Santa Casa de Angra do Reis, situada a poucos metros do local do incidente. Depois, ela foi transferida para o Hospital Municipal da Japuíba, na mesma cidade, onde levou sete pontos na região do corte e permanece internada, com quadro estável.

Depois de se certificar que a irmã estava bem, Esther conseguiu localizar dois policiais militares, que passaram a fazer uma ronda na região em busca do agressor. Ele foi encontrado em uma rua próxima, ainda com sangue de Estefane no rosto e nas mãos, após ser contido por moradores.

As testemunhas e o homem foram conduzidos para a 166ª DP (Angra dos Reis), onde ele foi autuado em flagrante por lesão corporal. De acordo com o delegado Vilson de Almeida Silva, titular da unidade, o bolsonarista responderá em liberdade por se tratar de um crime de menor potencial. Esther e outras duas amigas que presenciaram a cena já prestaram depoimento, enquanto o agressor, que não teve a identidade divulgada, preferiu não dar declarações neste primeiro momento e permaneceu em silêncio.

— Por ora, ainda temos alguns pontos contraditórios, mas estamos apurando. Aparentemente, houve algumas declarações favoráveis ao candidato do PT, e ele teria reagido e discutido por conta dessa questão política, culminando na agressão — afirmou o delegado ao EXTRA.

Reprodução
 
Covarde arruaceiro, Robson Dekkers Alvino, 52 anos, bêbado machista, misógino, e que precisa ser preso para não agredir adolescentes. 
09
Set22

Filho de Ciro Gomes é preso após acidente de carro em Fortaleza

Talis Andrade

Filho De Ciro Gomes Colide Em Carro Tenta Subornar Policiais E é Preso Com  Drogas Ciro Nogueira E O Filho Ciro Saboya L Foto Reproducao Tribuna Do  Ceara O Filho Do Ex-Ministro

Ciro Saboya Ferreira Júnior ainda teria tentado agredir o condutor do outro veículo em Fortaleza

 

O filho mais velho do ex-ministro Ciro Gomes foi preso em novembro de 2012, após se envolver em uma acidente de trânsito em Fortaleza, Ceará. Segundo o portal Terra, Ciro Saboya Ferreira Júnior, 27 anos, teria tentado agredir o condutor do outro veículo. Com a chegada da Polícia Militar, ele teria tentado subornar os agentes.

Ciro Júnior foi levado para o 2° Distrito Policial. Ainda segundo o portal Terra, após ser informado da prisão, Ciro Gomes foi até a delegacia, onde acompanhou o depoimento do filho.

Na recepção do prédio, um major da PM exigiu que a imprensa deixasse o local sob pena de prisão por desacato.

Matéria original: Correio 24h
Filho de Ciro Gomes é preso após acidente de carro em Fortaleza

Na abordagem policial, Ciro recusou-se a fazer o teste do bafômetro embora apresentasse, de acordo com um policial que não quis se identificar, visíveis sinais de embriaguez. O policial afirmou, ainda, que o condutor tentou subornar os policiais entregando a carteira, que continha R$ 40.

Diante da posição do motorista, lhe foi dada voz de prisão. Ciro foi conduzido ao 2º Distrito Policial, no bairro Meireles, onde prestou depoimento.

27
Jul21

Quem é o procurador que bebeu, sacou o revólver e atirou na própria mãe

Talis Andrade

Registro civil de “sexo não identificado” para pessoa “não binária” -  Direito Civil - Correio Forense

Nenhum jornal ousou divulgar o 'boneco' do violento procurador

 

Henrique Celso Gonlçalves Marini e Souza foi preso no dia 24 de julho. Ele já recebeu condecoração do Ministério da Defesa

 

 
O homem que foi preso após atirar contra o cunhado e acertar a própria mãe, no Distrito Federal, é Henrique Celso Gonçalves Marini e Souza. Filho do ex-presidente do Superior Tribunal Militar (STM) tenente-brigadeiro do ar Henrique Marini e Souza, Henrique Celso é procurador jurídico da Infraero, mas está cedido ao Ministério da Justiça e Segurança Pública.
 

Henrique Celso atuou como corregedor-geral da Infraero. Em 2011, ele foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) por supostamente aprovar contratos sem licitação firmados pela estatal em Mato Grosso, quando era procurador jurídico da empresa pública.

A requisição de Henrique Celso para o Ministério da Justiça e Segurança Pública foi efetivada, por tempo indeterminado, em setembro de 2020, por meio de documento publicado no Diário Oficial da União (DOU).

Em 2013, o procurador recebeu do Ministério da Defesa a condecoração da Ordem do Mérito Aeronáutico, no grau de cavaleiro. Essa premiação reconhece serviços prestados à Aeronáutica por personalidades civis e militares, organizações militares e instituições civis, brasileiras ou estrangeiras.

Entenda o caso

Segundo a Polícia Militar do DF (PMDF), na noite de sábado (24/7), ocorreu uma briga entre cunhados no Lago Sul, área nobre de Brasília. Filho da proprietária da casa, Henrique Celso disparou e acertou, acidentalmente, o braço de sua mãe.

O suspeito teria bebido e agredido, durante todo o dia, a própria esposa e a irmã. O cunhado de Henrique acabou investindo contra ele ao tentar intervir, mas a briga foi separada por um amigo da família. O servidor federal, então, pegou um revólver .38 e atirou pelo menos três vezes no amigo, acreditando ser o cunhado. Um dos disparos atingiu o braço da mãe, que foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF).

Após o incidente, o procurador teria se trancado em um quarto. Os policiais militares negociaram com o homem e o episódio de terror acabou com a prisão de Henrique Celso.

Ele estava com um arsenal de 10 armas de fogo e centenas de munições, em uma residência na QI 28 do Lago Sul, segundo a PMDF. Na segunda-feira (26/7), a juíza substituta Viviane Kazmierczak determinou a conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva, por violência doméstica e porte ilegal de arma de fogo.

“Há notícia de várias armas no local, além de mil munições apreendidas, cárcere privado e vítima efetivamente atingida por um disparo de arma de fogo, além das agressões físicas cometidas contra as outras vítimas mulheres. Nesse sentido, a conversão da prisão em flagrante em preventiva é medida imperiosa a fim de acautelar a segurança da vítima, bem como garantir a ordem pública”, escreveu a juíza.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub