Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

20
Fev22

Programa nuclear brasileiro paralisado pelos governos entreguistas e lava jato

Talis Andrade

angra 3.jpeg

Lava Jato entreguista paralizou construção da terceira usina nuclear

 

Em novembro de 2012 eu publicava: A terra vista à noite do espaço, a luz indica riqueza; a escuridão, pobreza. 

Veja a energia nuclear que ilumina a Europa e os Estados Unidos. E o apagão da África e da América do Sul.

Usinas

Em 201l, a pobreza do programa nuclear brasileira previa a construção de quatro usinas, e o deputado federal José Chaves reivindicava uma para Pernambuco. E discursou no Congresso Nacional:

“Quaisquer que sejam as políticas e estratégias adotadas após a crise econômico-financeira global, estamos convencidos de que a energia continuará sendo o insumo básico para a retomada do processo de desenvolvimento. No Brasil não será diferente. Hoje, nossa capacidade instalada de geração elétrica é de 100.000 MW. Desse total, 75% são de origem hidráulica e o restante, térmica, número que confirma a vocação hidrelétrica brasileira.

Por outro lado, a angústia causada pelo aquecimento global atingiu as raias do paroxismo e há até quem duvide da origem antropogênica dos chamados gases de efeito estufa e, ante o enorme risco para o planeta, optamos pelo princípio do in dubio pro reo. Portanto, o caminho mais sensato é a preservação do verde, com vistas a poupar o meio ambiente e reduzir a carbonização da nossa sociedade. Em face disso, no Brasil, há uma verdadeira guerra santa contra as hidrelétricas, onde falar em reservatórios de grande porte soa como blasfêmia.

A esse propósito, ressalte-se que, até 1995, esses reservatórios nos garantiam o suprimento de energia, mesmo na ocorrência de cinco anos sucessivos de chuvas escassas. Atualmente, essa garantia pouco passa de um ano. Já que a regularização pela via da reserva de água foi inviabilizada, resta-nos a opção da geração térmica. As térmicas convencionais a combustão produzem gases de efeito estufa, o que não acontece quando são acionadas por energia nuclear.

Apesar do ímpeto inicial, mas de forma tímida, o Brasil somente ingressou na era nuclear em fins da década de 70, com a construção das usinas de Angra I e Angra II. Enquanto isso, há mais de 20 anos, a usina de Angra III aguarda a decisão de ser construída. Agora, pelas sinalizações do governo federal, a ideia de reativação do programa nuclear brasileiro aponta para a construção de quatro novas usinas, duas delas no Nordeste. A importância dessas usinas na região é indiscutível. A economia nordestina vive um momento histórico. Orgulhamo-nos das taxas de crescimento superiores à media nacional. Pernambuco, por exemplo, com o Complexo Industrial e Portuário de Suape, é um exemplo concreto dessa arrancada.

A Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) opera com uma capacidade instalada de 10.000 MW. A potência média assegurada é de cerca de 6.000 MW. A demanda máxima registrada em março de 2010 atingiu os 10.000 MW. Tais números indicam a urgência da implantação de geração adicional de energia na região, sem a qual corremos o risco de ver interrompido o momento econômico favorável.

Esse investimento é condição essencial para que o Nordeste continue a se desenvolver nos mesmos níveis que se vêm registrando mais recentemente.

E a decisão de instalação das usinas depende exclusivamente do governo federal".

Veio a Lava Jato, um projeto do atraso, a serviço da espionagem dos Estados Unidos, paralisou a construção de Angra 3, e as quatro usinas programadas continuam uma promessa para um futuro governo nacionalista. 

 
08
Fev22

TCU investiga sumiço de documentos de acordo de leniência homologado por Moro com empreiteira Andrade Gutierrez

Talis Andrade

sergio moro farsa.jpg

 

247 - O ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Bruno Dantas determinou a abertura de uma investigação interna para apurar o desaparecimento de documentos referentes ao acordo de leniência firmado entre a empreiteira Andrade Gutierrez e a Justiça, homologado pelo ex-juiz Sergio Moro (Podemos) em 2016. A informação é de Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo.

A construtora, acusada de irregularidades na construção de obras como a usina de Angra dos Reis, no Rio de Janeiro, entregou os papéis ao tribunal como parte de sua defesa.

Parte dos documentos, porém, sumiram na Secretaria Extraordinária de Infraestrutura (Seinfra Operações), a mesma que defende o arquivamento do processo que investiga a suposta atuação de Moro na consultoria Alvarez & Marsal.

"O desaparecimento de documentos é fato que merece apuração, inclusive para que não se torne algo corriqueiro", diz Dantas em despacho. Diretor da Seinfra Operações, André Amaral Burle de Castro diz que há falhas 'generalizadas' nos procedimentos de recepção e guarda de arquivos sigilosos não digitalizáveis do TCU. 

 

23
Fev21

Quando procurador alertou que EUA poderiam quebrar a Odebrecht, que tinha 150 mil empregados, chefe da Lava Jato em Curitiba respondeu: “Kkkk”

Talis Andrade

A Lava Jato faz campanha política — Conversa Afiada

 

O  chefe da Força Tarefa da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, foi alertado pelo colega Orlando Martello de que os Estados Unidos poderiam quebrar a Odebrecht, se tivessem acesso a todas as informações que os investigadores brasileiros, suiços e norte-americanos trocavam, em cooperação informal.

Apesar da construtora brasileira empregar à época cerca de 150 mil pessoas, principalmente no Brasil, Deltan respondeu simplesmente: “Kkkk”.

A troca de mensagens faz parte de um novo lote de arquivos analisados pelo perito da defesa do ex-presidente Lula, encaminhados ao ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal.

Na conversa por aplicativo, Deltan sugeriu a Orlando que entregasse aos investigadores dos Estados Unidos os números de contas bancárias da Odebrecht em vários paises do mundo, para que os norte-americanos verificassem se a empresa estava escondendo informações.

Orlando respondeu acreditar que seria preciso autorização dos suiços para fazer isso. “Acho que os americanos quebram a empresa”, disse, ao que Deltan respondeu com uma risada digital.

“Kkkk”.

A Odebrecht, agora rebatizada Novonor, era uma das principais empresas do Brasil, com expertise que permitiu a ela construir estádios de futebol, hidrelétricas e aeroportos.

As informações repassadas informalmente por Dallagnol e seus colegas eram de grande valia para que autoridades americanas acionassem o Foreign Corrupt Practices Act (FCPA), que pode ser usado contra qualquer empresa listada em bolsa de valores nos Estados Unidos.

A Odebrecht e sua empresa na área petroquímica, a Braskem, fecharam acordo de leniência de U$ 3,5 bilhões com Estados Unidos, Brasil e Suiça — hoje o equivalente a R$ 20 bilhões.

Originalmente, autoridades norte-americanas informaram em documento que a multa aplicada somente à Odebrecht poderia ficar entre U$ 6 e 12 bilhões.

Entre 2014 e 2017, a Odebrecht demitiu mais de 100 mil funcionários.

Nos documentos oficiais do acordo, não está claro quais informações repassadas informalmente por Deltan Dallagnol foram utilizadas pelos Estados Unidos para extrair dinheiro da Odebrecht (VER ABAIXO, EM INGLÊS).

De acordo com a defesa de Lula, a discussão sobre o racha do dinheiro obtido através de acordos de leniência se deu informalmente, entre promotores dos três países, sem passar pelo Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI) do Ministério da Justiça, o que atentaria contra “a própria soberania do país”.

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos monitorou internamente a Odebrecht de fevereiro de 2017 a novembro de 2020, um acesso extraordinário a uma empresa de alta tecnologia que o Brasil jamais teria, por exemplo, para monitorar a Boeing ou a Microsoft.

Publicado originalmente no Viomundo.

05
Jan21

Militar condenado na Lava Jato diz que foi preso por interesses do exterior

Talis Andrade

Ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva

Ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva

Considerado o pai do programa nuclear do País, o ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva, 78 anos, que já está solto após ser condenado a 43 anos de prisão na Lava Jato, apontou interesses internacionais na sua reclusão. "A parte nuclear gera rejeição na comunidade internacional"

 

A autodenominada Lava Jato da autodenominada Liga da Justiça da autodenominada República de Curitiba é uma organização criminosa servil ao imperialismo dos Estados Unidos, promovendo serviços de quinta-coluna, de espionagem, de destruição de empresas, prisão de líderes nacionalistas e golpe de estado e eleições de cartas marcadas para colocar no presidência do Brasil políticos da extrema direita, o ex-secretário de Segurança de São Paulo, nomeado na primeira vez durante a ditadura militar, Michel Temer, e o ex-capitão Jair Bolsonaro, 28 anos deputado do baixo clero, do centrão, da bancada da bala da velha política. 

Publica o portal 247: Acusado de receber propina de R$ 4,5 milhões de empreiteiras que tinham obras em Angra 3, o ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva, que ficou preso por dois anos, apontou interesses internacionais por causa da sua detenção. Considerado o pai do programa nuclear do País, o almirante de 78 anos recebeu uma das maiores condenações da Lava Jato: 43 anos de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e organização criminosa. Solto no mês passado, ele ficou isolado em uma cela e disse que aprendeu a comer com as mãos.

Questionado pelo jornal Folha de S.Paulo sobre por que haveria interesse internacional em sua prisão, ele citou o programa nuclear. "Tudo o que eu fiz [na área nuclear] desagradou. Qual o maior noticiário que tem hoje? A Coreia do Norte e suas atividades nucleares. A parte nuclear gera rejeição na comunidade internacional. E o Brasil ser potência nuclear desagrada. Disso eu não tenho a menor dúvida", disse.

O militar destacou que houve uma "influência forte, ideológica" do exterior nas investigações. "Não posso provar mas tenho um sentimento muito forte. Houve interesse internacional".

De acordo com o almirante, o Brasil fez bem em não desenvolver a bomba atômica. "Eu acho que fez. O artefato nuclear é arma de destruição de massa e inibidora de concentração de força. Mas, no nosso caso, se tivéssemos a bomba, desbalancearíamos a América Latina, suscitando apreensões".

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub