Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

30
Abr21

Falta alguém em Nuremberg

Talis Andrade

mortos  covid.jpg

 

 

por Alex Solnik

- - -

O título do conhecido livro do jornalista David Nasser – “Falta alguém em Nuremberg” - me veio à cabeça depois de assistir à sessão de hoje da CPI da Covid.

O subtítulo “Torturas da Polícia de Filinto Strubling Muller” também vem a calhar.

O caso é que, como foi anunciado hoje, as oitivas da CPI vão começar na semana que vem: terça-feira, Mandetta e Teich; quarta, Pazuello; quinta, Queiroga e Antônio Barra Torres. Todos como testemunhas, não investigados.

O presidente da CPI, Omar Aziz, gosta de repetir que não serão investigadas pessoas, e sim fatos, mas isso é impossível, porque os fatos não acontecem por vontade própria, as pessoas é que os produzem.

Mas ele tem razão ao dizer que não é a CPI que julga os responsáveis, não se trata de um tribunal.

É ela, porém, que fornece os fatos potencialmente criminosos, por meio de informações de vários órgãos do governo e dos depoimentos das testemunhas.

As testemunhas não são investigadas, mas podem ser até presas em flagrante se faltarem com a verdade.

Eu sei que a constituição não permite à CPI convocar para depor presidente da República, mas nesse caso seria imprescindível porque por trás de cada depoimento de cada ministro da Saúde há uma pessoa em comum: Bolsonaro.

O governo só teve ministro da Saúde enquanto Mandetta comandava; quando foi demitido quem assumiu foi o próprio Bolsonaro, porque a condição para ser ministro era obedecer às suas diretrizes e não às da OMS. Teich rejeitou a cloroquina e caiu. A exceção foi Pazuello: obedecia a Bolsonaro de olhos fechados (“um manda, outro obedece”), mas foi derrubado pelo escândalo da falta de oxigênio em Manaus.

bolsonaro mais de 400 mil mortos.jpg

 

Bolsonaro deveria ser convocado a depor como testemunha. Se prestasse falso testemunho – o que costuma fazer dia sim, outro também – sairia algemado.

A CPI vai, de qualquer modo, redundar num julgamento no final.

Se estivesse vivo, David Nasser poderia escrever um novo livro com o mesmo nome: “Falta alguém em Nuremberg”.

Com novo subtítulo: “Torturas da Política de Bolsonaro"Capa do jornal Folha de Pernambuco 30/04/2021

Capa do jornal Jornal do Commercio 30/04/2021
 
Capa do jornal O Povo 30/04/2021
Capa do jornal Metro Jornal São Paulo 30/04/2021
26
Abr21

O homem do telhado de vidro

Talis Andrade

 

por Alex Solnik

- - -

Qual é a possibilidade estatística de haver mais de uma pessoa chamada Jair, com histórico de relacionamento com Adriano da Nóbrega e que mora numa casa toda envidraçada? E que, ainda por cima, tem telhado de vidro?

Diante dessa dúvida a Polícia Civil do Rio de Janeiro suspendeu o grampo de membros da quadrilha do chefe do “Escritório do Crime”.

Ela não pode investigar o "homem da casa de vidro" citado nas conversas. 

22
Mar21

Discurso de Bolsonaro mata bolsonaristas

Talis Andrade

 

por Alex Solnik /Jornalistas pela Democracia

- - -

Não há dúvida que incentivo à aglomeração e a negligência com o lockdown e a proteção pessoal, como uso de máscaras e higiene das mãos aumentam o número de contaminados e, consequentemente, de óbitos.

Quem adere, portanto, ao discurso e aos exemplos disseminados pelo presidente da República corre mais riscos de se infectar e morrer do que quem os rejeita.

Não há dúvida que quem se deixa seduzir por esse discurso e esses exemplos são apoiadores do presidente.

Ou seja: as principais vítimas do discurso de Bolsonaro são os bolsonaristas.

A boçalidade é tanta que Bolsonaro está exterminando seus eleitores.

18
Mar21

Genocida é um psicopata no poder

Talis Andrade

 

bom dia genocida.jpg

 

por Alex Solnik /247

- - -

Ausência de sentimento de piedade.

Falta de valores morais e éticos.

Incapacidade de se reconhecer culpado.

Não sentem remorso nem arrependimento.

São agressivos, mal-educados, provocadores.

Oferecem dificuldade em circunstâncias militares: desacatam, desobedecem.

Se acham acima de tudo e de todos.

São pouco inteligentes.

Antissociais.

Seu foco é o benefício próprio.

Rancorosos, vingativos.

Como chefia, são tiranos.

Nada os detém, salvo reprimenda enérgica, judicial ou legal.

O psiquiatra alemão Kurt Schneider resume desse modo as características dos psicopatas em seu livro “Personalidades psicopáticas” citado em artigo do psiquiatra forense Guido Palomba na Folha de S. Paulo de hoje.

Diz Palomba que os psicopatas não têm cura “porque a origem do mal é orgânica e irremovível”. “Não raro sofreram lesões cerebrais na fase intrauterina ou em tenra idade”.

Informa que Bolsonaro nasceu de uma gravidez complicada, reconhecida por sua mãe, dona Olinda, que atribuiu o nascimento a Deus, em razão do que o batizou Jair Messias.

“Gravidezes complicadas são causas de sofrimento cerebral e de consequentes distúrbios de comportamento na adultícia – para Schneider e todos dedicados à psiquiatria”, conclui o psiquiatra forense brasileiro.

As características dos psicopatas são as mesmas dos genocidas.

Nem todo psicopata é um genocida, mas todo genocida é um psicopata.

Genocida é um psicopata no poder.

bom dia.jpg

 

21
Jan21

Estado de defesa? Só se for contra Bolsonaro

Talis Andrade

 

por Alex Solnik

- - -

Como se não bastasse o caos na saúde pública, Bolsonaro resolveu dobrar a aposta no caos institucional declarando, sem que alguém tenha perguntado, que as Forças Armadas decidem entre ditadura e democracia. 

Por isso deu a impressão que o objetivo foi tirar Doria das manchetes. Ou ao menos dividi-las com ele no dia em que começou a vacinar.

O chefe da PGR, que está mais a serviço do presidente da República que do estado brasileiro, instado a investigar a atuação de Bolsonaro sobretudo na crise de Manaus, respondeu atirando: acenou com a possibilidade de o presidente decretar estado de defesa.  

Diz o artigo 136 da constituição que “o presidente pode - ouvido o Conselho da República e o Conselho de Defesa Nacional - decretar estado de defesa para preservar ou prontamente restabelecer, em locais restritos e determinados, a ordem pública ou a paz social ameaçadas por grave e iminente instabilidade institucional ou atingidas por calamidades”. 

Têm razão os que se preocupam com esse artigo. 

Por 30 dias - numa determinada região, não em todo o território nacional - prorrogáveis por mais 30, ficam proibidas reuniões, cartas e telefones e internet podem ser censurados, prisões arbitrárias (por crimes contra o estado) podem ocorrer por no máximo 10 dias.

Mas Bolsonaro só pode fazer isso se o Congresso aprovar, por maioria absoluta.  

Onde o procurador Augusto Aras viu a ordem pública e a paz ameaçadas por grave e iminente instabilidade institucional ou atingidas por calamidade e quem as ameaça? 

Se alguém ameaçou a ordem pública em Manaus foram os bolsonaristas que impediram lockdown na passagem do ano, atendendo à orientação de Bolsonaro.

No entanto, em nenhum momento, durante a pandemia, em qualquer lugar do Brasil, mesmo em Manaus, jamais houve qualquer episódio que caracterizasse ameaça à estabilidade institucional. 

Instabilidade institucional quem está provocando é o próprio Bolsonaro, com suas declarações golpistas e anti-vacina.

Logo, ele teria de decretar o estado de defesa contra si próprio.

O estado brasileiro é que tem de se proteger de Bolsonaro.

 

19
Out20

Não tem corrupção no governo? E Cuecagate é o que?

Talis Andrade

 

por Alex Solnik

- - -

O caso do senador das cuecas, o Cuecagate, tem esse lado humorístico, esse viés Porta dos Fundos, que todo mundo adora, mas é muito mais sério do que isso porque envolve corrupção no governo, sim.

Essa conversa do Bolsonaro de que não é corrupção no governo dele não é verdade.

Ele próprio confirmou que os ministérios fazem parte do governo e os indícios de corrupção da qual o senador Chico Rodrigues emergiu como a ponta do iceberg estão no ministério da Saude.

Os R$17 mil (segundo as mais recentes informações) que estavam na sua cueca são parte da verba de R$13,9 bilhões que o ministério da Saúde deveria ter distribuído para emendas parlamentares a todos os senadores, a fim de serem utilizados para combate ao covid-19.

Aprovada em março pelo Congresso Nacional, a verba deveria obedecer a critérios de distribuição, tais como a quantidade de doentes nas cidades, a disponibilidade de leitos UTI, etc, mas, em vez disso, foram privilegiados os aliados de Bolsonaro, cada um tendo recebido R$30 milhões.

O dobro do que os senadores têm direito a receber por ano.

Parlamentares do PT e da Rede foram excluídos da partilha.

O senador Chico Rodrigues, que iria receber R$20 milhões, reclamou e acabou recebendo R$30 milhões, apesar de ser ficha suja: seu mandato de governador de Roraima foi cassado, em 2014, por gastos irregulares na campanha de 2010, em que se elegeu vice e posteriormente substituiu o titular.

Mesmo ficha suja, foi escolhido por Bolsonaro para ser vice-líder do governo. Eram amigos de mais de duas décadas, o que os dois assumem num vídeo que circula nas redes, no qual Bolsonaro diz que os dois têm “quase uma união estável”.

A Polícia Federal já flagrou uma de suas negociatas, com a empresa Quantum, que forneceu testes rápidos de covid-19 para Roraima com sobrepreço de R$1 milhão.

Não só o senador tem que ser – e está sendo – investigado. Também o ministério da Saúde demanda um pente-fino.

Por que não foram seguidos na distribuição da verba os critérios determinados pelos parlamentares? Por ordem de quem? Por que a distribuição não contemplou a todos? Como a verba foi empregada?

O outro elo que une Bolsonaro ao cuecagate é Léo Índio, primo de um dos filhos do presidente, que tinha o segundo maior salário no gabinete do senador.

A princípio, pensei que ele perderia o emprego. Depois me convenci que não, pois o suplente de Chico Rodrigues é seu filho e seu filho não iria demitir um parente de Bolsonaro.

Mas eis que o próprio Léo Índio se demitiu ainda ontem, desistindo de uma boquinha de R$22 mil mensais.

É claro que não vai ser difícil para ele arrumar outra colocação no mesmo patamar, mesmo em tempos de pandemia.

cuecagate.jpg

 

11
Set20

Procuradores de pelo em ovo

Talis Andrade

 

por Alex Solnik

- - -

A capacidade de alguns procuradores do Ministério Público Federal de procurar (e achar) pelo em ovo é inesgotável.

Senão, vejamos.

Afirmam que a Fecomercio pagou despesas da defesa do ex-presidente Lula.

Baseados em quê?

A secretária de Zanin, advogado de Lula e da Fecomercio cobrou, certamente por engano, da Fecomercio, reembolso de R$1424 por uma passagem de avião Brasília-São Paulo no dia 1o. de fevereiro de 2017, quando o advogado compareceu a uma audiência da delação de Delcídio do Amaral.

O provável erro da secretária levou o MPF a dizer na peça de acusação a Zanin e outros advogados que “muitas vezes os interesses patrocinados claramente não eram de nenhuma das entidades do sistema S”.

Muitas vezes? Qual foi a segunda? Há recibo de algum outro reembolso?

E mais: reembolso de uma passagem de avião significa “interesse patrocinado”?

Alguém em sã consciência imagina ter havido um acordo para a Fecomercio bancar despesas de Zanin com Lula sete anos depois de Lula deixar o poder? Que vantagem a Fecomercio levaria?

O erro de uma funcionária produz ilações que podem ser feitas por autores de telenovelas, não por procuradores da República.

Mais forçação de barra do que essa para envolver Lula numa questão que passa a milhares de quilômetros dele não existe.

Devem estar se retorcendo no túmulo os constitucionalistas que criaram o MPF na constituição de 1988 para serem os defensores do interesse público.

Jamais o fizeram desconfiando que um dia seria usado para fins de perseguição política.

Jamais o fariam se soubessem que criavam o mecanismo de uma nova Inquisição, que joga na fogueira a torto e a direito tanto culpados quanto inocentes.

O espírito persecutório do Ministério Público contaminou a Lava Jato e vice-versa.

Não basta enfraquecer ou extinguir a Lava Jato, é preciso colocar freios na sanha de vários Torquemadas que corrompem o MPF, com Lava Jato ou sem Lava Jato.

 

01
Set20

Saída de Dallagnol antecipa fim da Lava Jato

Talis Andrade

lava jato moro cabeça 1.jpeg

 

 

por Alex Solnik

- - -

O procurador Deltan Dallagnol percebeu o cenário desfarovável e resolveu se antecipar ao procurador Augusto Aras. Antes que este anuncie a dissolução da força tarefa e, portanto, o fim da Operação Lava Jato, provavelmente na próxima semana, ele pediu o boné. Saiu para não ser saído.

Sem Moro, a Lava Jato perdeu metade do poder. Agora fica sem os 50% que restavam. Ou seja: com seu gesto, Dallagnol também antecipou o anúncio do fim da Lava Jato.

Sem Moro e sem Dallangol não tem Lava Jato.

Malgrado as desgraças em série que a Lava Jato produziu para a indústria e para a democracia brasileiras, já vai tarde, portanto, é impossível deixar de enxergar um movimento político pró governo no cerco de Aras ao feudo Moro-Dallagnol.

Certamente Aras não foi movido por sentimento de lealdade ao estado de direito que levava surras da Lava Jato e sim por lealdade ao presidente da República, o que, convenhamos não é papel de um Procurador Geral da República.

Acabar com a Lava Jato era o sonho de consumo de líderes do Centrão que foram ou são alvos da operação. Ficarão eternamente gratos a Bolsonaro.

Como teriam ficado gratos a Dilma. E não a teriam derrubado.

lava jato ongArmandinho.jpg

 

21
Ago20

Moro é o pai do dossiê. Mendonça é a mãe

Talis Andrade

aroeira moro faroeste.jpg

 

 

por Alex Solnik

- - -

Os ministros Gilmar Mendes e Edson Fachin deram uma imensa contribuição para o esclarecimento e identificação dos autores do dossiê do Ministério da Justiça.

Informaram eles que o pedido de informações que foi o pontapé inicial do relatório espúrio é de 24 de abril, último dia de Sérgio Moro no Ministério da Justiça.

Fica óbvio, portanto, que seu último ato como ministro foi fazer o pedido de informações junto à SEOPI – Secretaria de Operações Integradas, criada por ele.

Não há dúvida que ele é o pai do dossiê.

Ao assumir a Justiça no lugar de Moro, André Mendonça trocou o diretor de Inteligência da SEOPI, indicado por Moro, nomeando o coronel Libório.

O coronel Libório foi exonerado por Mendonça no dia 3 de agosto, quando estourou o escândalo do dossiê, o que deixou claro que o coronel foi o autor da lista macartista e Mendonça queria lavar as mãos.

Embora os ministros do STF não tenham responsabilizado os autores do dossiê, apenas proibiram que outros sejam elaborados, está óbvio, por esse roteiro, que os principais responsáveis são Sérgio Moro, André Mendonça e o coronel Libório.

Moro é o pai, pois engravidou o dossiê e Mendonça é a mãe, pois foi quem o gerou.

 

 

 

 

 

 

28
Mai20

Sem fake news, Bolsonaro não governa nem se reelege

Talis Andrade

mor cabo soldado escrivão eduardo bolsonaro.jpg

 

 

por Alex Solnik

Bolsonaro acusou o golpe provocado pelas ações realizadas ontem pela Polícia Federal contra autores, financiadores e disseminadores de fake News e ameaças contra os 11 do Supremo. Convocou o ministério para debater a reação ao STF. Espero que a reunião tenha sido gravada.

Estou usando a palavra “golpe” não por ser algo fora do rito legal o que está acontecendo com ele. Não. O sentido de “golpe” é que é algo que o abala, porque o que Alexandre de Moraes fez ontem foi enfraquecer o governo e as próximas eleições de Bolsonaro, se é que vão haver. Quero dizer para ele, não para os demais candidatos.

Vamos examinar a questão juntos.

Moraes mandou fazer busca e apreensão, inclusive de armas na casa do notório Roberto Jefferson, useiro e vezeiro em caluniar o STF, dentre outros possíveis delitos.

Quem é Jefferson? Um dos líderes do Centrão, presidente do PTB, com quem Bolsonaro estava ou precisava negociar, o que agora fica difícil – ou vai negociar com um cara investigado pela Justiça.

E tem outra: Jefferson imaginava que sob a proteção de Bolsonaro estaria seguro. Viu que não está. Vale a pena aliar-se a quem não o protege?

Se as conversas com o centrão miarem, vai ficar difícil reunir os 171 votos necessários para sobreviver a um impeachment ou autorização para investigação do STF.

Quem foi o outro atingido? Na verdade, outros. Mas o símbolo deles, o embaixador é o empresário Luciano Hang, notório puxa-saco de Bolsonaro, envolvido até o pescoço na divulgação de mensagens de ódio e possível financiador ilegal da campanha de 2018.

 

A fim de tirar a dúvida, Moraes mandou quebrar os sigilos bancários de Hang e companhia de julho de 2018 para cá, ou seja, pegando o período da campanha eleitoral. Se tiver alguma prova de que ele ou outros empresários financiaram fakenews durante a campanha isso pode dar financiamento ilegal de campanha e aí o rolo pode ser grande porque isso pode levar à cassação da chapa Bolsonaro-Mourão.

E aí alguém poderá dizer: mas aí não é perigoso os militares darem um golpe?  Acho que não. Os militares que estão no governo vestiram terno no lugar da farda, não têm tanques nem tropas. Podem de vez em quando ameaçar-nos a nós, os civis, mas eles são leões sem dentes.

Nenhum dos Três Poderes tem armas. Nem Executivo, nem Legislativo, nem Judiciário. Se as tivessem não poderiam conviver harmonicamente e independentemente como manda a constituição. Um deles sempre subjugaria os demais.

Por esse motivo, o governo Bolsonaro não tem tanques nem tropas, quem as tem são as Forças Armadas, e estas não obedecem a governos, mas ao estado.

Quando as Forças Armadas estão a serviço de um governo, isso se chama ditadura.

É impensável imaginar que as Forças Armadas interviriam caso o TSE cassasse a chapa Bolsonaro-Mourão, essa situação não daria pretexto a uma intervenção militar, pois o estado, nesse caso, não estaria sob ameaça como esteve, de acordo com a visão deles, em 1964.

Mas, voltando a Moraes. Além de atingir aliados de Bolsonaro e financiadores prováveis de sua campanha e de fake-news, ele atingiu também os autores das fake News, das calúnias, dos ataques de ódio, que são o sustentáculo do governo.

Sem fake News Bolsonaro não governa nem se elege. E quem as produz é o gabinete do ódio. Ou seja: sem o gabinete do ódio para insuflar e propagar ódio, violência e fake News, para ameaçar adversários, afrontar instituições, distorcer fatos, fazer a tal “guerra cultural” não tem governo Bolsonaro.

E mais: é muito provável que nos próximos desdobramentos o alvo seja Carlos Bolsonaro, apontado por muita gente, como os deputados Joice Hasselmann e Alexandre Frota, como chefe do gabinete do ódio, o que, convenhamos é segredo de Polichinelo, pois ele frequenta com desenvoltura o gabinete do papi, onde o gabinete do ódio “trabalha”.

Provavelmente Bolsonaro vai agir como a leoa que protege os filhotes, vai tentar produzir uma crise institucional, vai ameaçar com ditadura, mas não vai funcionar. Os truques são velhos e os antecedentes de sua prole não jogam a favor.

Militares não vão dar golpe para proteger o filho do presidente acusado de crime a pretexto de que isso desestabiliza o governo.

As Forças Armadas só entram em campo se o estado está sob ameaça, não o governo.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub