Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

19
Jul21

Bolsonaro e a "facada" de Adélio Bispo

Talis Andrade

Autocracia do ego | Humor Político – Rir pra não chorar

 

por DW

O presidente Jair Bolsonaro recebeu alta na manhã deste domingo (18/07), após apresentar passar quatro dias internado no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, para tratar uma obstrução intestinal.

Segundo boletim divulgado pelo hospital, Bolsonaro vai seguir recebendo acompanhamento ambulatorial após receber alta. A nota, porém, não informa se o presidente está completamente recuperado da moléstia.

"O senhor Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, teve alta hoje do Hospital Vila Nova Star, da Rede D'Or. Ele estava internado desde a quarta-feira, 14 de julho, para tratar um quadro de suboclusão intestinal. Ele seguirá com acompanhamento ambulatorial pela equipe médica assistente", diz a nota divulgada pelo hospital.

Bolsonaro deixou o hospital por volta de 9h40. Na saída, falou com jornalistas - sem usar máscara. Ele aproveitou a ocasião para defender as medidas tomadas pelo seu governo na gestão da pandemia, incluindo a promoção de drogas ineficazes contra a covid-19. O presidente disse que "tratam como criminoso quem fala em cloroquina e ivermectina" - duas drogas já desacreditadas no uso contra a covid-19. "Tudo que eu falo se volta contra mim como se eu fosse um genocida", disse Bolsonaro.

Contrário a medidas de isolamento e costumaz crítico de vacinas, Bolsonaro ainda citou a proxalutamida, que se tornou a nova ideia fixa do presidente nos últimos meses, afirmando que vai instruir o Ministério da Saúde a elaborar um estudo sobre a ação do fármaco contra covid-19.

A Proxalutamida foi desenvolvida na China para o tratamento de câncer de próstata e de mama, e também não tem eficácia comprovada contra o coronavírus. Um estudo citado pelo presidente para defender o remédio também já levantou suspeitas de fraude, segundo o jornal O Globo.

Bolsonaro ainda atacou a CPI da Pandemia, que tem investigado a gestão governamental da crise sanitária e suspeitas de corrupção na compra de vacinas envolvendo militares bolsonaristas e aliados do presidente.

"Querem derrubar o governo? Já disse, só Deus me tira daquela cadeira. Será que não entenderam que só deus me tira daquela cadeira", disse Bolsonaro.

Logo depois de falar com jornalistas, Bolsonaro foi para o aeroporto de Congonhas e seguiu num voo para Brasília. A agenda do presidente não mostra compromissos para este domingo e segunda-feira.

Internação

O presidente foi levado inicialmente para o Hospital das Forças Armadas, em Brasília, na madrugada da última quarta-feira, após sentir dores abdominais. Bolsonaro ainda vinha sofrendo há mais de uma semana com um quadro de soluço persistente. No mesmo dia, foi transferido para São Paulo.

Seu cirurgião, Antonio Luiz Macedo, disse que a obstrução está relacionada ao histórico de saúde do presidente, que inclui a facada que ele levou durante a campanha eleitoral de 2018 e as cirurgias subsequentes.

Esses procedimentos afetaram o intestino, que se tornou mais sensível a aderências, o que pode gerar obstruções com a ingestão de alimentos mais espessos e mal mastigados, disse o médico. Bolsonaro já passou por quatro cirurgias após o atentado de 2018.

Com a popularidade em queda vertiginosa, Bolsonaro explorou a internação de maneira midiática. As redes sociais de Bolsonaro mostraram fotografias do presidente prostrado no leito do hospital. Outras imagens divulgadas mostraram Bolsonaro caminhando sem máscara pelo hospital e cumprimentando outros pacientes.

Nas redes sociais, influencers bolsonaristas tentaram pintar o presidente de extrema direita como uma espécie de mártir e ainda espalharam mirabolantes teorias conspiratórias sobre o estado de saúde de Bolsonaro, sugerindo até que ele havia sido envenenado. As contas de Bolsonaro, controladas pelo seu filho, o vereador Carlos, também publicaram no período ataques à CPI da Pandemia e chegaram a ligar falsamente o PT ao ataque a faca que o presidente sofreu em 2018.

AtentadoÚltimas Notícias – Página: 1557 – Badalo

Bolsonaro foi alvo de um ataque com faca em 6 de setembro de 2018, quando participava de um ato de campanha em Juiz de Fora (MG). Após o atentado, ele fez uma cirurgia inicial na Santa Casa de Juiz de Fora e depois uma segunda, em São Paulo. Ele permaneceu três semanas internado e recebeu alta no final de setembro.

Em janeiro de 2019, já ocupando a presidência, ele foi novamente submetido a uma cirurgia para a retirada de uma bolsa de colostomia e reconstrução do trânsito intestinal. Em setembro daquele ano, o presidente passou pela quarta cirurgia, desta vez para tratar uma hérnia que apareceu no local das intervenções anteriores.

O agressor de Bolsonaro, Adélio Bispo de Oliveira, foi preso logo depois do atentado. A investigação da Polícia Federal concluiu que Adélio agiu sozinho. Uma juíza também ordenou a quebra do sigilo de dados de celulares de Adélio.

Em maio de 2019, um juiz da 3ª vara da Justiça Federal em Juiz de Fora decidiu que Adélio Bispo não poderia ser punido criminalmente em razão de sofrer transtorno mental.

A decisão foi tomada com base em avaliações psiquiátricas, inclusive com uma entrevista feita por um médico indicado pela defesa de Bolsonaro.

O juiz do caso ainda aplicou em Adélio o mecanismo da "absolvição imprópria", previsto quando uma pessoa não pode ser condenada por ser inimputável, e determinou a internação do agressor por tempo indeterminado na Penitenciária Federal de Segurança Máxima de Campo Grande (MS).

Bolsonaro, que desde o atentado alimenta dúvidas sobre as conclusões do inquérito da PF e costuma sugerir que Adélio fazia parte de uma conspiração, não apresentou nenhum recurso dentro do prazo contra a decisão.

A Gazeta Digital: Uma sucessão de facadas

13
Abr21

Bolsonaro ataca comunismo imaginário e convoca seus seguidores para a guerra: “prepare-se”

Talis Andrade

ccc pega comunista.jpg

 

A proclamação da República foi para destronar a corrupção. 

A Revolução de Trinta foi para fuzilar a corrupção.

O golpe do Estado Novo foi para acabar com o comunismo imaginário.

A campanha de Janio Quadros a presidente foi para varrer a corrupção.

O golpe militar de 1964 foi contra a corrupção e o comunismo imaginário.

A campanha de Collor a presidente foi para desbancar a corrupção dos marajás.

O golpe de 2016 contra a corrupção imaginária das pedaladas, o antipetismo, e o counismo imaginário.

O golpe de 2018 para que Lula preso, por imaginária corrupção, não participasse das eleições, garantido a eleição do candidato dos generais comandados por Villas Boas. 

Jair Bolsonaro resolveu atacar a esquerda, o comunismo imaginário e os governadores, após ter uma conversa divulgada pelo senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), em que pede mudanças nos rumos da investigação da CPI da Pandemia, além do impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal e a abertura de uma investigação contra chefes de executivos estaduais e prefeitos. 

comunismo imaginário.jpg

 

"Se a facada tivesse sido fatal, hoje você teria como Presidente Haddad ou Ciro. Sua liberdade, certamente, não mais existiria. […] Hoje você está tendo uma amostra do que é o comunismo e quem são os protótipos de ditadores, aqueles que decretam proibição de cultos, toque de recolher, expropriação de imóveis, restrições a deslocamentos etc…"
 
Bolsonaro, no Facebook, sem citar Kennedy, repete a frase erradamente: "Pergunte o que cada um de nós poderá fazer pelo Brasil e sua liberdade", para ameaçar: "E ... prepare-se".
 
Aliás, quando o Ministério da Justiça do governo Bolsonaro vai permitir que Adelio Bispo conceda entrevista? Para contar a estória da canivetada. 
 
Não pergunte o que seu país pode fazer por você. Pergunte o que você pode fazer por seu país.... Frase de John F. Kennedy.

20
Fev21

Clube Militar defende deputado Daniel Silveira e pergunta por Adelio que o governo Bolsonaro protege e esconde

Talis Andrade

Adélio Bispo de Oliveira é escoltado por policiais federais em aeroporto de Juiz

Polícia Federal dos governos Temer/Bolsonaro prende Adelio Bispo de Oliveira

 

O Clube Militar publicou uma nota sobre o caso do deputado federal Daniel Silveira (PSL), que foi preso pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta semana, “sem entrar no mérito das palavras” dirigidas aos integrantes da Corte.

Daniel Silveira está sendo julgado pelas palavras de baixo calão. Pela apologia do ódio, da ditadura, da violência. Pelas ameaças ao Supremo Tribunal Federal, ao Estado Democrático de Direito. Pelas ameaças golpista e de morte. Pela defesa da barbárie, do famigerado, nazi-fascista, cruel, desumano AI-5 contra a Paz, a Liberdade, a Democracia, a Fraternidade, a Igualdade, a Civilidade.

Os militares fizeram uma série de questionamentos, apontando para que tais práticas realizadas pelo STF (prisão de Daniel Silveira) deveriam ser exercidas também contra a esquerda. E indaga: "Por que ameaças abertas contra a vida do Presidente da República não são também tratadas como crime inafiançável?". Uma pergunta que o Ministro da Justiça de Jair Bolsonaro pode responder. E mais: "Por que os equipamentos do Adelio e de seus aliados não são periciados?" Pela incompetência da Polícia Federal e dos serviços de informação e inteligência do governo Jair Bolsonaro. Mais de dois anos de apuração, de inquirição, seguindo pistas, vestígios, e o governo bolsonarista não descobre neca de pitibiriba da vida de Adelio. Tudo que se sabe foi descoberto pelo jornalismo investigativo. Quem esconde e abriga Adélio Bispo de Oliveira é o governo federal. E o governo aliado de Minas Gerais. A oposição sempre quis saber por que Adelio treinava no mesmo clube de tiro dos filhos de Jair Bolsonaro? Por que Adelio atirador treinado preferiu usar um canivete para ferir de morte o então candidato a presidente? Por que preso por uma multidão fanática não foi linchado?  Por que certas mortes misteriosas seguem o rastro do Adelio. São crimes federais, investigados pelo governo Bolsonaro. Parece que Jair Bolsonaro e filhos Zero 1 senador, Zero 2 vereador do Rio de Janeiro, Zero 3 deputado federal preferem desconhecer ou esconder a verdade... Por que Adelio é proibido de dar entrevista à imprensa? Por quê?  Que médicos assinaram atestados da loucura de Adelio?  

habeas corpus.jpg

 

Contra a prisão do ex-soldado Daniel Silveira pelos poderes civis do Supremo Tribunal Federal e Câmara dos Deputados, o Clube Militar, saudoso dos anos de chumbo, atira o seguinte manifesto:

"Sem entrar no mérito das palavras dirigidas aos integrantes do STF, pelo Deputado Daniel Silveira, colocamos aqui algumas reflexões:

1. Por que outros pronunciamentos semelhantes, porém ditos por políticos e jornalistas de centro esquerda não são tratados como crime?

2. Por que ameaças abertas contra a vida do Presidente da República não são também tratadas como crime inafiançável? [Qualquer pessoa que ameaça a vida do Presidente da República deve ser presa. O Clube Militar não cita nenhum nome...]

3. Por que a liberdade de expressão só se aplica a esses mesmos indivíduos de centro esquerda?

4. Por que esses supostos crimes praticados pelos apoiadores do Presidente recebem alta prioridade nas investigações, enquanto crimes cometidos por aliados ideológicos ou denúncias contra os próprios Ministros do STF ficam sem investigação ou aguardando a prescrição? 

5. Por que o Ministro Marco Aurélio ameaçou os Deputados, dizendo que em caso de relaxamento da prisão do Deputado Daniel Silveira eles prestariam contas com o povo, nas urnas, em 2022? Quem informou ao ilustre ministro que a população apoia as arbitrariedades do STF?

6. Por que os ilustres Ministros do STF pensam que apoiar o Regime Militar que foi instaurado a partir de 1964 é crime quando uma grande  parcela da população tem saudades daquela época? A Democracia que temos hoje no Brasil começou em 1964....

7. Por que os amparados pelo Poder Judiciário continuam sendo os criminosos já condenados? Esses, em sua grande maioria, enquanto puderem sustentar os melhores advogados, jamais cumprirão suas penas, podendo, inclusive, realizar passeios fora do Brasil, enquanto os que usam suas línguas para falar não podem nem sair de casa (os de direita, é claro).

8. Por que os equipamentos do Adelio e de seus aliados não são periciados? [Faltou denunciar quais 'aliados'...]

9. Finalmente, para não citar outras dezenas de exemplos, o crime propalado pelo STF e seus aliados de esquerda é referente a ameaças verbais, ou, na realidade, é por ser o acusado apoiador daquele que foi eleito pelo povo para governar o Brasil?"

 

 

 

17
Jun20

É muita incompetência da Polícia Federal, confessa Weintraub: “Até hoje a gente não sabe quem mandou matar o presidente Bolsonaro”

Talis Andrade

 

deus acima facada.jpg

A partir de uma notícia da República de Curitiba - Um grupo reduzido de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro fez um protesto neste domingo (14) na área central de Brasília. Depois se reuniram no Setor Militar Urbano (no Forte Apache) e na Praça do Buriti – em frente à sede do governo do Distrito Federal.

O grupo recebeu o apoio do ministro da Educação, Abraham Weintraub. Que reiterou: os ministros do STF são "vagabundos".Image

 

Weintraub comentou a situação que vive o presidente Bolsonaro, e relembrou o caso Adélio:

O presidente Bolsonaro é exatamente isso que ele mostra. É um cara parecido com a gente, ele não tem frescuras. Mas as pessoas têm que entender que ele é uma pessoa, ele não é o todo poderoso. Ele está enfrentando um monte de instituições. Está cercado, tem um monte de gente em volta dele. Então, é uma batalha. Ele levou uma facada, inclusive, né? Até hoje a gente não sabe quem mandou matar o presidente Bolsonaro. Pra vocês terem a dimensão do quão poderosa é essa máquina, de quão poderosas são essas pessoas que estão se opondo, você concorda? (…) abriram o celular de um montão de gente por muito menos, do Adélio ainda está fechado

É muita incompetência do governo Bolsonaro. Dos serviços de inteligência, notadamente da ABIN. Das diferentes polícias federais, principalmente da PF. 

O atentado aconteceu em Minas Gerais, que tem um governador amigo de Bolsonaro, Romeu Zema, que comanda as polícias estaduais civil e militar que, também, investigaram o atentado.

Será que Weintraub queria nomear reitores como interventor para investigar o Adélio? 

Remédio de doudo é outro na porta. Bolsonaro devia nomear Weintraub ministro da Justiça e Segurança, para analisar a cabeça de Adélio. Talvez em uma sessão de hipnose

 

17
Fev20

Com Moro e Bolsonaro, proteção às milícias e ao crime é política de Estado

Talis Andrade

adriano pelicano enterro miliciano .jpg

 

por Jeferson Miola

O principal defensor do miliciano Adriano da Nóbrega não é nenhum advogado renomado; é ninguém menos que Jair Bolsonaro – o presidente do Brasil que age como chefe de milícia e advogado de miliciano.

Em comunicado publicado no facebook que evidencia a total ausência de decoro e a absoluta incompatibilidade com o cargo presidencial, o Bolsonaro defensor do excludente de ilicitude [licença para matar] veste um disfarce de defensor dos direitos humanos para reclamar que a polícia da Bahia “não procurou preservar a vida de um foragido, e sim sua provável execução sumária”.

O “foragido” a que Bolsonaro se refere com inusitada candura é ninguém menos que o miliciano Adriano da Nóbrega, contra quem existia um alerta de captura internacional da Interpol. A despeito, contudo, de Adriano ser um procurado internacional, o ministro bolsonarista Sérgio Moro surpreendentemente excluiu o miliciano ligado aos Bolsonaro da lista de bandidos mais procurados do país [sic].

No argumento de defesa do miliciano, Bolsonaro citou como atenuante que “O então tenente Adriano [que Bolsonaro chama de heróifoi condecorado em 2005”.

Embora declare não ter relações com Adriano, o que é uma mentira grosseira, Bolsonaro atua como quem conhece em detalhes a trajetória criminal do miliciano cuja mãe e esposa trabalharam no gabinete do filho Flávio na ALERJ até dezembro de 2018: “Até a data de sua execução, 09 de fevereiro de 2020, nenhuma sentença condenatória transitou em julgado em desfavor do mesmo”, disse ele.

bolsonaro queiroz.jpg

 

Para alimentar a matilha bolsonarista sedenta de ódio e para também desviar a atenção sobre o essencial, que é o notório interesse dos Bolsonaro no silêncio do miliciano mediante sua eliminação física, Bolsonaro mentiu e fez imputações delirantes a Lula, ao PT e a petistas.

O PT rebateu duramente as mentiras e truques baixos do Bolsonaro [ler aqui]. O governador petista Rui Costa, entretanto, continua devendo esclarecimentos sobre os enigmas que cercam a morte de Adriano, que o próprio Moro reconheceu tratar-se de assassinato [aqui e aqui].

A execução do Adriano e a obscuridade que cerca sua eliminação não é um episódio isolado do governo Bolsonaro, mas é um fato que carrega a marca registrada do universo bolsonarista: silenciamentos, sumiços, fugas, execuções, mentiras, manipulações, falcatruas, assassinatos etc – ou seja, uma realidade típica de máfias e esquemas criminosos incrustados no coração do poder.

É possível fazer-se um amplo inventário de fatos escabrosos que envolvem os Bolsonaro e que, por incrível coincidência, se tornam opacos: o sumiço do Fabrício Queiroz e seus familiares; a manipulação da investigação do assassinato da Marielle; a perícia farsesca do MP/RJ na gravação da portaria do condomínio Vivendas da Barra; o isolamento de Ronnie Lessa, vizinho de Bolsonaro acusado de assassinar Marielle; a presença de Carlos Bolsonaro no Vivendas da Barra [e não em sessão da Câmara de Vereadores, que ele usa como álibi] no mesmo momento em que os assassinos da Marielle ultimavam os preparativos do crime; a presença de Adélio Bispo no mesmo clube de tiro freqüentado por Carlos e Eduardo Bolsonaro em SC; a incomunicabilidade de Adélio Bispo em presídio federal e as mortes de um morador e da proprietária da pensão onde Adélio se hospedou em Juiz de Fora nos dias precedentes à suposta facada; o sinistro confronto entre as polícias de SP e MG no estacionamento do hospital de Juiz de Fora onde Bolsonaro recebeu atendimento; o laranjal do PSL do ministro do Turismo em MG; o tráfico internacional de 39 Kg de cocaína em avião da frota presidencial; a prevaricação do Moro para deixar o terrorista Eduardo Fauzi, do PSL, fugir do país depois de perpetrar atentado a bombas contra a sede do Porta dos Fundos etc.

labirintob marielle vivendas da barra ronnie lessa

 

O diferencial em relação a estes fatos catalogados acima e a execução do Adriano é que com o miliciano capturado vivo se poderia talvez descobrir a fundo os negócios obscuros dos Bolsonaro na política e na criminalidade.

A execução do Adriano, por isso, tem características de um empreendimento meticulosamente planejado para a queima deste arquivo incômodo para os Bolsonaro, a começar pelo álibi de ser morto pela “polícia do governo petista” da Bahia [aqui].

Adriano pode ter sido fisgado pela mensagem “tranquilizadora” de Moro de que não constava da lista de bandidos procurados e, portanto, pode ter relaxado as precauções de fuga [aqui].

Matar Adriano não significa combater as milícias; mas, muito ao contrário, significa eliminar um fator de dificuldade para os interesses mafioso-milicianos dedicados a ilícitos variados, como controle de territórios urbanos, jogo do bicho, lavagem de dinheiro, peculato, venda de serviços clandestinos [gás, internet, luz] e assassinatos por encomenda.

Com Moro e Bolsonaro, a proteção às milícias e ao crime é uma política de Estado. Ainda que pertençam a facções distintas e possam ter conflitos pontuais, Moro e Bolsonaro estão unidos na corrupção dos sistemas policial e de justiça do país.

Moro e Bolsonaro “são uma coisa só”, como diz Rosângela Moro, esposa do ministro e sócia de Carlos Zucolotto, o padrinho do casal Moro que cobrou US$ 5 milhões de propina de Tacla Duran para facilitar um acordo de delação premiada com os procuradores da organização criminosa de Curitiba, como Gilmar Mendes denomina a força-tarefa da Lava Jato.

Como se vê, não é por acaso ou por mera coincidência que essa gente anda junto.

 

 
04
Fev20

Inacreditável: MP fez ‘recomendação’ para que procuradores cumpram a lei!

Talis Andrade

 

poder___vladimir_kazanevsky.jpg

 

por Fernando Brito

Tijolaço

Como dizia o Jack Palance: “Acredite, se quiser”.

Porque é incrível, fantástico, extraordinário que a Corregedoria Nacional do Ministério Público tenha editado uma recomendação para que os Procuradores da República – gente formada, concursada e ganhando os tubos – deixe de praticar os atos que, sabe qualquer estudante de primeiro ano de Direito – são exclusivos dos juízes.

Dá-se, a resolução, ao trabalho de elencá-los, para os distraídos: “decretação de prisão preventiva; decretação de prisão temporária; determinação de busca e apreensão; revogação ou relaxamento de prisão; expedição de alvará de soltura; decretação de interceptação telefônica; decretação ou afastamento de sigilo de processos jurisdicionais; demais atos privativos do Poder Judiciário”.

Procurador prende, solta, grampeia, manda dar batida desde quando?

A resposta é simples, desde quando, sob a cobertura de Sergio Moro, a Força Tarefa da Lava Jato começou a ensinar ao MP que todo tipo de arbítrio valia a pena e ia, afinal, ser confirmado pela autoridade judicial.

O mais incrível é que um Ministério Público que se levanta contra a lei de abuso de autoridade precisa ser formalmente lembrado, pelos seus próprios pares, de que não pode abusar da autoridade.

Podem recomendar à vontade. Enquanto não houver punição para procuradores que fazem isso – e o que provocou esta situação saiu incólume do abuso – nada vai adiantar e a instituição, elevada pelos democratas nos anos 80, vai chafurdar na lama em que os abusadores a colocaram.

01
Out19

Assessor de deputado do PSL cita Janot e dispara arma em foto de Lula

Talis Andrade
 
O policial civil e assessor parlamentar José Alberto Bastos Vieira Junior, conhecido como Inspetor Alberto, lotado no gabinete do deputado André Fernandes de Moura (PSL-CE), divulgou neste domingo um vídeo, atirando dez vezes em uma fotografia do ex-presidente Lula da Silva, com o seguinte conselho para o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot:
 

inspetor alberto -da-policia-civil ceará.png

Essa apologia ao crime do assessor de um deputado de Bolsonaro ficará impune?
Que providências serão tomadas pelo Legislativo, pela Justiça?
Esse cara possui a mesma fúria assassina de um Janot, de um Adélio Bispo de Oliveira. É preciso investigar, pelo menos, a sanidade desse sujeito. E também a motivação de contratá-lo do deputado José Alberto Bastos Vieira Júnior.

Lula está para ser solto, e esse sujeito representa um perigo real.

Alberto coleciona postagens favoráveis ao presidente Jair Bolsonaro. Dias atrás, também publicou uma imagem em que critica a ativista ambiental sueca Greta Thunberg, de 16 anos, chamando-a de “nutella comunista” e ordenando que ela “cale a boca”. Na descrição de seu perfil, Alberto se define como “cristão”, “armamentista” e “olavista”.

Informa o Diário do Nordeste: Em meio a conflitos no partido, o deputado estadual André Fernandes foi destituído da presidência do PSL em Fortaleza. O parlamentar acusa correligionários de usarem “máscara”, terem sido eleitos nas “costas” do presidente Jair Bolsonaro e, agora, atuarem contra o Governo Federal. Já lideranças do partido no Estado não escondem o “trabalho” que ele vem dando ao se envolver em polêmicas na Assembleia Legislativa. 

Nesta semana, o deputado estadual acusou colegas parlamentares de integrarem facções criminosas. Também no início da semana, André Fernandes recebeu críticas de movimentos de direita após aprovar, na Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia, a admissibilidade da concessão de título de cidadania cearense para um dos fundadores do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST). 

 

 

01
Set19

Casal Michelle e Bolsonaro é a metáfora perfeita do crime no poder

Talis Andrade

michele bolsonaro boneco .jpg

Bonecos gigantes de Olinda

por Jeferson Miola                                

A reportagem da revista Veja com revelações espantosas sobre o histórico criminal da família da primeira-dama Michelle Bolsonaro é uma metáfora perfeita do crime no poder. É a imagem de um país destroçado e comandado pela cultura e pela lógica do crime e dos esquemas milicianos.

Não bastasse a coleção de casos escabrosos que seguem sem a devida apuração – sumiço do Queiroz, laranjal do PSL, Adélio Bispo, tráfico internacional de cocaína em avião presidencial, traficante de armas e assassino da Marielle vizinho de condomínio do Bolsonaro – o país é ainda aturdido com informações sobre os antecedentes criminais da família da primeira-dama.

Conhecendo-se os vínculos do Bolsonaro com o Escritório do Crime, com o submundo das milícias e com o porão do sistema, é impossível imaginar uma união matrimonial dele com alguém com atributos familiares diferentes dos da Michelle.

O submundo é o universo social e cultural do clã Bolsonaro; é o lugar onde ele estabelece os negócios, as relações sociais e as amizades íntimas. O submundo é sua fonte de vida.

Neste submundo, figuras como Fabrício Queiroz ocupam postos-chave em esquemas de corrupção e desvios; e figuras como o miliciano Adriano da Nóbrega são homenageadas pela trajetória de extermínio de pessoas.

Bolsonaro age como o chefão do crime no poder: remove o delegado da Receita Federal do Porto de Itaguaí em decisão que confere liberdade de ação para as milícias numa das principais áreas de tráfico de armas e drogas do Rio; substitui o Superintendente da Polícia Federal no Rio para impedir a investigação dos crimes do filho Flávio com o comparsa Queiroz; e coloca na chefia do Ministério Público um procurador comprometido em engavetar denúncias contra o clã e que, inclusive, já foi processado por falsificar assinatura de advogado em processo judicial [aqui].

imperio família bolsonaro.jpg

 

A revista Veja revelou que [aqui]:

[i] em 1988 a mãe da primeira-dama Michelle Bolsonaro foi indiciada por falsidade ideológica. Maria das Graças Firmo Ferreira fraudou certidão de nascimento e obteve duplo CPF. Com a prescrição do crime depois de 5 anos, ela acabou não sendo presa;

[ii] em 1997 Maria Aparecida Firmo Ferreira, avó de Michelle, foi presa aos 55 anos e cumpriu 3 anos de reclusão em regime fechado por tráfico de substância derivada da cocaína, e, finalmente, que

[iii] João Batista Firmo Ferreira, sargento aposentado da PM de Brasília e, segundo a reportagem, o tio preferido de Michele e um dos poucos familiares convidados para a posse de Bolsonaro em 1º de janeiro, está preso na Penitenciária da Papuda desde maio passado por integrar a milícia que atua na venda ilegal de lotes no Sol Nascente, região onde vive a família da Michele. Segundo a reportagem, o tio da Michelle atuava “como o braço armado da quadrilha, dando suporte ao negócio irregular através de ameaças e até eliminação de desafetos”.

A reportagem menciona, ainda, que Ibraim Firmo Ferreira, avô de Michelle, foi assassinado em 2015, porém não descreve circunstâncias e motivação do seu assassinato.

 

mio família bolsonaro.jpg

 

18
Jul19

Fim do caso Adélio amplia suspeitas sobre a 'facada' contra Bolsonaro

Talis Andrade

Defesa de Bolsonaro decidiu não recorrer

bolsonaro suástica facada .jpg

facada.jpg

bolsonaro facada.jpg

 

Jornal GGN – Aumentam as suspeitas a respeito do atentado sofrido pelo presidente Jair Bolsonaro, após sua defesa e o Ministério Público decidirem não recorrer da sentença que considerou o autor do atentado, Adélio Bispo de Oliveira, inimputável, ou “excludente de culpabilidade”, devido às suas condições mentais.

O atentado à facada contra o então candidato à Presidência aconteceu em 6 de setembro de 2018. Após o crime, as pesquisas sobre intenção de voto registraram uma melhora de desempenho de Bolsonaro no 2º turno das eleições. O Ibope, por exemplo, mostrou que, em agosto, sua pesquisa apontava 20% de votos para o candidato do PSL. Em setembro, o volume passou para 26%, sendo que que quatro pontos percentuais vieram logo após o atentado.

A pesquisa FSB, encomendada pelo BTG Pactual, também registrou o mesmo fenômeno, mostrando que Bolsonaro chegou a 30% das intenções de voto logo após o atentado. Já o Datafolha mostrou que o então candidato cresceu cinco pontos, passando de 15%, em agosto, para 20% em setembro, também após a facada.

O juiz federal Bruno Savino, da 3ª Vara Federal da Justiça em Juiz de Fora, absolveu Adélio Bispo de Oliveira por “inimputabilidade excludente da culpabilidade” há cerca de um mês. Em nota, divulgada nesta semana, o Tribunal afirma que “a sentença transitou em julgado”, ou seja, estão esgotados os prazos para recursos porque a defesa de Bolsonaro e o Ministério Público não recorreram a decisão que absolveu Adélio.

Leia a íntegra no GGN

adelio-bispo.jpg

bolsonaro pós facada.jpg

deus acima facada.jpg

 

14
Mai19

Carlos Bolsonaro esteve em clube de tiro no mesmo período que Adélio, o homem que esfaqueou seu pai

Talis Andrade

carlos bolsonaro e adélio .jpg

Carlos-Bolsonaro.jpg

 

por Pedro Zambarda de Araujo 

___

DCM - Carlos Bolsonaro esteve no clube de tiro .38 nos dias 7, 8 e 9 de julho de 2018, antes da campanha presidencial do pai.

Quem estava no mesmo local nessas datas?

Adélio Bispo, o homem que deu a facada em Bolsonaro em Juiz de Fora.

As informações são de um perfil no Twitter, que recuperou, entre outras coisas, prints do Instagram.

As postagens resgatam dados do G1 e das redes do próprio Carlos.

Adélio chegou em 5 de julho e foi para São José, na Grande Florianópolis, onde fica o clube, para onde se dirigiu, se cadastrou e treinou por cerca de uma hora, conforme relataram à imprensa os funcionários do local.

O .38 é frequentado pelos filhos de Bolsonaro.

Eduardo, por exemplo, esteve lá em 18 de maio e em muitas outras oportunidades, como mostra reportagem do DCM.

Carlos se refugiou no lugar quando brigou com o pai depois que foi obrigado a retirar do canal do YouTube oficial da presidência um vídeo idiota de Olavo de Carvalho.

Adélio ficou em Santa Catarina até 20 de agosto e, de lá, foi para Juiz de Fora.

A facada aconteceu em 6 de setembro de 2018, dois meses depois.

 

Novo encontro

No dia da facada, Carlos Bolsonaro estava em Juiz de Fora. Foi a única viagem que fez na campanha do pai

bebianno pan.png

.
 
Renato Rovai, no dia 19 de fevereiro, escreveu na Revista Forum:
 
Em uma longa entrevista à Rádio Jovem Pan, Gustavo Bebianno resolveu dizer, de forma no mínimo suspeita, que Carlos Bolsonaro mal participava da campanha e que a única viagem que fez foi para Juiz de Fora, cidade onde Bolsonaro sofreu o atentado; em política ninguém diz nada por acaso
  

“Ele nunca viajou conosco. A única viagem que Carlos fez foi justamente a da facada”

 

 

 

Em uma longa entrevista ao programa “Os Pingos nos Is”, da rádio Jovem Pan, na noite desta terça-feira (19), o ex-ministro Gustavo Bebianno resolveu dizer, de maneira no mínimo suspeita, que Carlos Bolsonaro, aquele que o chamou de mentiroso, mal participou da campanha de seu pai e que a única viagem que fez com a equipe foi para Juiz de Fora (MG), cidade onde Jair Bolsonaro sofreu a facada, em setembro.

facada.jpg

 

Por que Bebianno soltou essa declaração em um programa de audiência nacional depois de ser escorraçado do governo? Seria a declaração uma senha de que seria capaz de trazer à tona revelações mais graves?

Como se sabe, em política ninguém diz nada por acaso. Será que a declaração teria alguma ligação com as dúvidas que ainda hoje pairam sobre a facada?

bolsonaro facada.jpg

 

Há de se registrar ainda que, após o beijo de Judas, Bebianno passou a tecer elogios a Jair Bolsonaro, dizendo que ele não era o “homem bomba”, que não atacaria o presidente e que tem certeza de que o capitão da reserva fará um bom governo. Disse Bebianno:

bolsonaro-mostrou-cicatriz-de-facada-no-sbt-brasil

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub