Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

09
Mai18

Tacla Durán tem provas contra Sergio Moro e a "panela de Curitiba"

Talis Andrade

tacla mafia.jpg

 

Tacla Durán em depoimento prestado no Senado Federal escancara o balcão de vendas de delações premiadas. Zucolotto negocia multas. Juiz Sérgio Moro mentiu quando afirmou “peremptoriamente” que Durán e Zucolotto nunca tiveram contato. Zucolotto padrinho de casamento de Moro e sócio de uma banca que já teve a esposa do juiz Rosângela Moro 

 

 

Forum - Tacla Durán assumiu, em depoimento à CPI da JBS, nesta quinta-feira (30), que procurou o advogado Carlos Zucolotto Jr., por saber de sua proximidade com o juiz Sérgio Moro e da chamada “panela de Curitiba”. “Eu o contratei porque ele tinha acesso às autoridades de Curitiba. Contratei uma pessoa que pudesse negociar melhor”.

 

Zucolotto é padrinho de casamento de Moro e sócio de uma banca que já teve a esposa do juiz, Rosângela Moro.

 

Mais adiante, o deputado Paulo Pimenta insiste que ele tenha, então, contratado o advogado “por saber que ele tinha acesso às pessoas que podiam ajudar a viabilizar a sua delação, é isso?”. Duran respondeu que sim. “Eu imaginei que tivesse. E ele confirmou que tinha”.

 

Mais à frente, Pimenta insiste se ele tem como provar que tenha tido contato com Zucolotto, pois o próprio Moro nega isto “peremptoriamente”. Tacla responde: “Sim, eu troquei as mensagens com ele, eu encaminhei pro relatório pericial e a sequência dos fatos que se desencadearam a partir desta conversa comprova que a conversa aconteceu”.

 

A partir dai, Tacla afirma que as provas apresentadas por ele foram todas periciadas pela Associação Espanhola de Peritos, que é o órgão responsável pelas perícias na Espanha, e foi comprovado que nada havia sido adulterado nos documentos.