Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

12
Set18

Sergio Moro fatura indevidamente a detenção de Beto Richa: A Lava Jato não prende tucano

Talis Andrade

 

 

Relação com a Lava Jato. A prisão de Beto Richa e familiares foi ação do Gaeco. "Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná". foi desencadeada simultânea e paralelamente com a 53ª Fase da Lava Jato, a Operação Piloto, que apura irregularidades na licitação de duplicação da PR-323.

 

O fato gerou desinformação, uma vez que a prisão de Richa chegou a ser entendida como pela Lava Jato. De acordo com o procurador Leonir Batisti, do Gaeco, no entanto, "ocorreu uma grande coincidência".

 

Disse mais Leonir Batisti: "Ninguém vai acreditar, mas foi apenas uma coincidência, uma ação não tem relação com a outra".

 

Sentada nas investigações que denunciavam a quadrilha de Beto Richa, a Lava Jato tramou a queda de Dilma Rousseff, fez Michel Temer presidente, prendeu Lula, e nunca chegou perto dos familiares do governador Tucano do  Paraná. Para Lava Jato, Richa era um intocável. 

 

Preso Beto Richa por um juiz estadual, a Corriola de Curitiba - com a ajuda da imprensa golpista e vendida - vem cantar vantagem:

 

"Ao prender cúpula do governo tucano no Paraná, Lava Jato rechaça tese de parcialidade."

 

carlos fernando.jpg

Pousando para o foto, Carlos Fernando dos Santos Lima canta lorotas que, parelha com Moro desde o assalto ao BanEstado, jamais, em tempo algum, pediu a prisão de um Richa 

 

Escrevem os porta-vozes Roger Pereira e Fernando Garcel: A prisão de Deonilson Roldo, ex-chefe de gabinete do governo do Paraná, em investigação que envolve o ex-governador Beto Richa (PSDB), é a primeira ofensiva da Força-Tarefa da Operação Lava Jato do Paraná contra membros do PSDB. Para um dos coordenadores da operação no Ministério Público Federal (MPF), Carlos Fernando dos Santos Lima, a operação de hoje coloca fim aos questionamentos sobre a imparcialidade de operação e à tese de perseguição adotada por membros do PT.

 

“A Lava Jato é uma investigação apartidária. A gente já tinha chegado em pessoas de diversos partidos. Infelizmente o foro privilegiado é um obstáculo e nesse caso, pela perda do foro do ex-governador, podemos dar continuidade e mostra que uma investigação no primeiro grau pode dar resultado. Nós não escolhemos esses alvos”, disse o procurador, em entrevista coletiva na manhã desta terça-feira.

 

Para a Força-Tarefa, as 53ª fase da operação até agora mostram o quanto a corrupção contaminou o modo de fazer política no Brasil, independente da linha ideológica e do partido político.

 

“É importante lembrar que a lava jato é uma investigação que mostra como a política é financiada no Brasil. Não faz diferença o governo federal, estadual e municipal. O Paraná não é diferente do que foi descoberto em todo o país. Outras investigações demonstram que esse tipo de esquema já existia em outros estados”, contou.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub