Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

04
Out22

Quem são as mulheres indígenas eleitas deputadas em 2022?

Talis Andrade

Célia Xakriabá (Foto: Divulgação)Célia Xakriabá é a primeira indígena deputada federal em Minas Gerais 

 

Apontada como uma das 100 pessoas mais influentes do mundo pela revista americana Time, Sônia Guajajara (PSOL) obteve 156.695 votos, tornando-se a deputada federal indígena mais votada neste pleito. Juliana Cardoso (PT), afroindígena, somou 125.517 votos, enquanto Célia Xakriabá (PSOL) conquistou 101.154 votos.

Joenia Wapichana (Rede), que em 2018 foi eleita deputada federal e tornou-se a primeira mulher indígena a ocupar o cargo em 194 anos de história da Câmara dos Deputados, não conseguiu a reeleição.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ao todo, 186 indígenas se candidataram nas eleições 2022.

Em 2019, Joenia Wapichana (Rede) foi eleita deputada federal e a primeira mulher indígena a ocupar o cargo em 194 anos de história da Casa (Foto: Reprodução/ Instagram)

Em 2018, Joenia Wapichana (Rede) foi eleita deputada federal e a primeira mulher indígena a ocupar o cargo 

Sônia Guajajara

Sônia é do povo Guajajara/Tenetehara, que habita as áreas das Terras Indígenas Araribóia, no Maranhão. Deixou sua aldeia para estudar ainda jovem, se formou em Letras, Enfermagem e é especialista em Educação Especial pela Universidade Estadual do Maranhão. Sônia é ativista, já foi candidata a vice-presidente na eleição de 2018, com Guilherme Boulos pelo PSOL,  e atua como coordenadora da APIB – Articulação dos Povos Indígenas do Brasil.

Sua vida é dedicada a combater a invisibilidade dos povos originários, além da preservação da Amazônia. Em 2019, ela discursou na Cúpula do Clima da ONU em Nova York, reforçando a importância da manutenção do meio ambiente.

"São Paulo, nós conseguimos! A primeira mulher indígena eleita como deputada federal por SP vai aldear o Congresso Nacional. Muito, muito obrigada pela confiança. Estou muito feliz e consciente da missão que terei em representar vocês em Brasília! Vamos aldear mentes e corações, e construir um novo Brasil. Seguimos juntes", comemorou ela nas redes sociais após a vitória.

+ Mulheres no Mundo: Unindo tradição e tecnologia, mulheres indígenas lideram enfrentamento à pandemia

 

Célia Xakriabá

A professora ativista do povo Xakriabá, de Minas Gerais, Célia Xakriabá(PSOL), também marcou a história sendo a primeira mulher indígena a ser eleita deputada federal no estado. Desde os 25 anos, Célia dedica-se à luta pelos direitos das línguas indígenas ameaçadas, reestruturação do sistema educacional, além de fazer parte da Bancada do Cocar, que busca mudar a sub-representação dos povos originários dentro da política.

"Hoje entramos pra história! Primeira deputada federal indígena eleita pelo estado de Minas Gerais e iniciamos um novo momento da história da democracia neste país com a eleição de pelo menos 3 mulheres indígenas para o Congresso Nacional. Vamos com tudo para esse novo ciclo de luta, ARIÃTÃ", comemorou nas redes sociais.

 

+POWER TRIP SUMMIT:  Célia Xakriabá: 'Muito se fala de amar a pátria, mas a mãe do Brasil é indígena'

Célia Xakriabá fala sobre a luta indígena no Power Trip Summit (Foto: Bléia Campos)

Célia Xakriabá fala sobre a luta indígena no Power Trip Summit (Foto: Bléia Campos

 

+ Cultura: A luta das indígenas pelo direito de existir com sua cultura

 

Juliana Cardoso

Educadora, ativista dos movimentos sociais e sindical, Juliana está em seu quarto mandato como vereadora pelo PT em São Paulo, e já presidiu a Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal.

"São Paulo fez história e levou uma mulher petista, afroindígena, feminista e de luta para Brasília! Gratidão pelos mais de 125.000 votos que nossa candidatura de sonhos, resistência e luta recebeu!", escreveu ela em comemoração. [Marie Claire, transcrevi trechos]

Juliana Cardoso (Foto: Divulgação)

Juliana Cardoso 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub