Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

28
Abr18

Protesto em Paris marca um mês do assassinato de Marielle Franco

Talis Andrade

marielle_franco_paris_1.jpg

 

Manifestantes se reuniram diante da prefeitura de Paris para lembrar um ano da morte de Marielle Franco

 

RFI/Paloma Varón

---
Dezenas de pessoas se reuniram neste sábado (14) diante da prefeitura de Paris em um protesto em homenagem à vereadora brasileira Marielle Franco, assassinada há um mês. O grupo pede justiça após o crime, que permanece impune.

Cerca de 40 pessoas, brasileiros e franceses, compareceram ao ato diante da prefeitura da capital francesa. O prédio expõe em sua porta, há algumas semanas, uma foto da vereadora brasileira, acompanhada da mensagem “Paris não esquece Marielle Franco”.

Carregando bandeiras do Brasil com faixas pretas representando o luto, os participantes do protesto deste sábado empunhavam cartazes com frases como “Quem mandou matar Marielle?”, ou ainda “Stop Killing Us – Black, Woman, LGBT” (Parem de nos matar – Mulheres, Negros e LGBT). Velas também foram acesas e um minuto de silêncio foi observado.

Paris já foi palco de outros protestos após o assassinato da vereadora. Três dias após sua morte, um grupo de cerca de 200 brasileiros e franceses se reuniu em frente à Ópera da cidade para uma marcha intitulada “Justiça para Marielle Franco”. Manifestações de solidariedade também foram registradas em outras cidades europeias.

Logo após o assassinato, a imprensa internacional se interessou pelo caso. Alguns jornais especularam sobre a motivação política do da morte da brasileira, enquanto a mídia francesa apontou que o ativismo da vereadora “incomodava a polícia, o governo e os militares no Brasil”.

 

marielle_franco_paris_2.jpg

Foto de Marielle Franco está exposta diante da prefeitura de Paris, onde foi realizado o protesto um mês após o assassinato da vereadora brasileira

 

Autores ainda não foram punidos

Na sexta-feira (13), a Anistia Internacional pediu novamente ao governo brasileiro que esclareça o assassinato da vereadora. “A sociedade precisa saber quem matou Marielle e por quê. A cada dia que passa e este caso permanece sem respostas, o risco e ameaças em torno dos defensores e defensoras de direitos humanos aumentam”,declarou Jurema Werneck, diretora-executiva da Anistia Internacional Brasil.

“O assassinato de uma vereadora, defensora de direitos humanos, ativista dos movimentos LGBTI e das favelas, negra e lésbica, tem, claramente, a intenção de silenciar sua voz e de gerar medo e insegurança. Mas vamos continuar levantando nossas vozes. Desde que Marielle foi morta, as pessoas no Brasil e em todo o mundo, se mobilizaram e não descansarão até que a verdade seja conhecida e a justiça seja feita. Eles tentaram nos calar, mas nós mostramos que não estamos com medo”,concluiu a diretora da Anistia.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub