Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

04
Mai20

Porque Moro é mais perigoso até do que Bolsonaro

Talis Andrade

desmoronando vaza_aziz.jpg

 

por Carlos Tautz

Córtex Político

___

 

À meia bomba desde que Sergio Moro foi instalado no Ministério da Justiça, a Lava Jato (LJ) ressuscitou na sexta-feira, 24 de abril, na plenitude de sua natureza político-midiática. Naquela data, o ex-juiz e chefe histórico da LJ abandonou o navio de Bolsonaro retomando aliados originais e colocou em marcha outra vez a sua estratégia de UDN do século 21, que ele opera na LJ desde 2014. Moro conectou sua renúncia ao timming da produção de notícias das Organizações Globo e hegemonizou a narrativa sobre o abandono do navio do Presidente. Ainda por cima, usou de sua prosódia sibilante para afirmar que o Presidente governa em causa própria e deu à sua renúncia ares de missão heróica.

Resultado: fixou na testa de Bolsonaro carimbo de traição da moralidade a la CBF, que orienta lavajatistas e bolsonaristas, e avançou algumas casas na campanha de 2022 contra seu principal adversário.

O roteiro da renúncia foi assim: Moro falou por uns 40 minutos, sem contestação, às 11 da manhã do dia 24. Recheou seu depoimento de graves acusações a Bolsonaro e fez sua versão imperar sozinha no noticiário amplamente hegemonizado pelos diversos veículos da Globo até às 17h daquele dia, quando um presidente, visivelmente choroso e defensivo também se pronunciou sem contestações.

Porém, desde a manhã os editores do Jornal Nacional (JN), o programa jornalístico de maior audiência da televisão brasileira, já caprichavam na edição que foi ao ar naquela noite, como desde 1969 reza o hábito da tradicional família brasileira. Ao pronunciar-se tão cedo, Moro deu à Globo tempo suficiente para confirmar ao longo do dia em todas as suas mídias a versão anti-Bolsonaro que seria cabalmente validada às 20 horas na estendida versão do JN – em geral, o JN tem de 40 a 50 minutos de duração. Naquela data, transmitiu mais de 1h30min para uns 40 milhões de espectadores.

As mensagens de presente e de futuro emitidas por Moro&Globo no JN foram claras:

  1. voltou o mítico herói da Lava-Jato – o mesmo que em um ano e quatro meses de Ministério da Justiça se omitiu quanto ao desaparecimento de Fabrício Queiroz, os assassinatos de Marielle Franco e do miliciano Adriano da Nóbrega e a gripezinhapandêmica; e
  2. o ex-juiz marcou um reencontro com seu eleitorado: “Independentemente de onde eu esteja (sic), eu sempre vou estar à disposição do País”. (Continua)

desmoro por genildo.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub