Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

28
Mar18

Por que a Lava Jato desistiu de investigar o bilionário tráfico de diamantes para perseguir Lula?

Talis Andrade

Paixao retrata youssef doleiro.jpg

 Paixão retrata Youssef, o doleiro dos traficantes de diamantes e de moedas, que pegou mais de cem anos de cadeia e foi perdoado pelo Moro desde o assalto ao BanEstado

 

A CPI do BanEstado investigou o tráfico de diamantes. O juiz Sergio Moro e a Polícia Federal também não pegaram nenhum traficante.

 

Bannho de sangue. O tráfico de diamantes no Brasil resulta em mortes. Em várias chacinas escondidas e impunes. 

 

A exploração de diamantes em Rondônia, em 2004, provocou o massacre de 29 garimpeiros. 

 

O holocausto indígena não consta de nenhuma contagem. 

 

Pouca gente sabe: o Brasil possui as maiores jazidas de diamantes do mundo. Leia aqui , na Folha de S. Paulo, sobre o garimpo liegal. 

 

Perguntou a revista Época: Por que o Brasil deixa a maior jazida de diamantes do país, na terra dos índios cintas-largas, entregue aos contrabandistas? Leia aqui

 

Somente em Laje, pesquisas geológicas indicam a presença de 15 formações rochosas vulcânicas de onde saem os diamantes, chamadas kimberlitos. Isso seria três vezes mais que as principais jazidas da África do Sul e Botsuana, os maiores produtores mundiais de diamantes. Mas todo esse potencial nacional está desperdiçado. Estima-se que o garimpo desordenado e ilegal consiga tirar cerca de R$ 100 milhões por ano de Laje. Se fosse uma mineração com recursos industriais, seria possível extrair rochas mais profundas e retirar até R$ 3 bilhões por ano.

 

A Operação Lava Jato, inicialmente, foi criada para investigar o tráfico de drogas e diamantes. Foi. Sergio Moro - delegado de polícia, promotor público, procurador dos acionistas estadunidenses da Petrobras, oficial de justiça - esqueceu os traficantes de moedas, de ouro, de diamantes, de drogas, para uma partidária fixação em pegar Lula.

 

Para tanto saiu distribuindo centenas de delações premiadas que, investigadas, provariam que a justi$$a de Moro é corrupta.

 

youssef-playbloy-taciana-camargo.gif

 O tráfico patrocina a vida livre de luxo e luxúria de Youssef

 

Quem me acompanha sabe que, no inicio, fui favorável a Lava Jato, mas percebi a farsa. Uma operação iniciada para investigar o tráfico de drogas e diamantes não pode mudar de rumo.

 

Se o Moro queria pegar, exclusivamente, o Lula, criasse uma segunda operação. Ele é o deus da justiça, o único juiz, os outros não são de nada, pela propaganda da imprensa. O todo poderoso ficou na fixação em Lula. Gastou tempo e muito dinheiro. Bote dinheiro nisso. O que conseguiu foi dividir o Brasil. A investigação não convence. A justiça humana não é uma questão de fé. De crença. A justiça é baseada em fatos reais, comprováveis.

 

É uma polícia de fritar bolinhos. Não é ficção. Relembre a palhaçada: Madrugada da sexta-feira 10, em Belo Horizonte. O dia ainda não clareou, mas 255 policiais federais e 50 agentes da Receita estão prestes a prender uma quadrilha de perigosos e milionários contrabandistas de diamantes. O maior deles é Hassan Ahmad, responsável por vendas ilegais para o Exterior de US$ 1 bilhão em pedras preciosas brasileiras.

 

Fortemente armados, 30 agentes se dividem. Enquanto um grupo fecha todas as entradas do Agmar Glass Tower, luxuoso prédio comercial situado no local de metro quadrado mais caro da capital mineira, outro pelotão, pelas escadas, chega ao bunker de Ahmad no 15º andar. No mesmo momento, mais 20 investigadores monitoram o Hotel Liberty, o cinco-estrelas onde mora o contrabandista. O cerco está fechado. Hora de pôr as mãos em Ahmad. Os policiais invadem as salas 1501 e 1502 de seu escritório de 134 metros quadrados e deparam com um sistema de segurança, tipo caixa-forte, com três portas de aço controladas eletronicamente. A certeza de que algo não estava no roteiro surge quando a tropa não encontra obstáculos ou sinais de resistência. As portas de segurança do bunker estão escancaradas. A quadrilha dava pistas de que sabia da operação ao deixar as chaves de dois cofres em cima da mesa, sem ativação dos segredos. Não havia dinheiro, nem diamantes, nem sombra de Ahmad. Atônitos, os agentes pegam o telefone e comunicam ao delegado-chefe da operação: “Doutor, o xeque fugiu.”

 

Este foi o segundo drible de Ahmad na polícia em menos de 48 horas. Leia mais aqui

 

Por que a Operação Lava Jato esconde o tráfico de diamantes?

 

Veja a desculpa fajuta do delegado Marcio Adriano Anselmo, o herói do Padilha, que criou uma série de filmes como mecanismo para eleger este ano um presidente que proteja o tráfico de diamantes e outros.  

tráfico peso da mídia por Latuf.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D