Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

10
Abr21

Por 9 votos a 2, STF rejeita cultos da morte

Talis Andrade

vacinação fé.jpg

 

por Altamiro Borges

- - -

Jair Bolsonaro detesta ser tachado de genocida e Kassio Nunes Marques, o "novato" do Supremo Tribunal Federal (STF), não gosta de ser rotulado de negacionista. Mas a sua sentença monocrática e absurda para liberar cultos, missas – e dízimos – foi tratada como negacionista e obscurantista pela absoluta maioria dos ministros do STF. Ela foi derrotada por nove votos a dois em julgamento nesta quinta-feira (9). 

Votaram contra a realização de eventos religiosos presenciais os ministros Gilmar Mendes, relator do processo; Alexandre de Moraes; Edson Fachin; Luis Roberto Barroso; Rosa Weber; Cármen Lúcia; Ricardo Lewandowski; Marco Aurélio; e Luiz Fux. Apenas Kassio Nunes Marques e Dias Toffoli foram a favor do pedido apresentado pela sinistra Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure). 

Além do genocida Jair Bolsonaro e do “novato” negacionista do STF, outras duas figuras patéticas foram derrotadas no julgamento. O advogado-geral da União (AGU), André Mendonça, e o procurador-geral da República (PGR), Augusto Aras. Com argumentos levianos e falaciosos, eles defenderam a reabertura dos templos e até citaram trechos da Bíblia. Os dois oportunistas almejam a vaguinha no Supremo prometida pelo presidente a um servo “terrivelmente evangélico”. 

"Aglomeração é um ato de falta de fé"

Na votação, os nove ministros não sucumbiram diante da pressão do “capetão”, dos mercadores de religião e de algumas emissoras de televisão – como a TV Record. Todos argumentaram que seria um crime permitir os cultos presenciais no pior momento da pandemia da Covid-19 no Brasil, com mais de 4 mil mortes diárias e hospitais sem leitos. Todos fizeram a defesa da vida, enfatizando que as igrejas e templos são locais de ampla disseminação do coronavírus. 

"Aglomeração é um ato de descrença, de falta de fé”, alertou a ministra Cármen Lucia. Já Alexandre de Moraes afirmou que “mesmo na Idade Média os grandes líderes religiosos defenderam, no momento das pandemias, o fechamento de igrejas. A necessidade de isolamento. Defenderam a transformação de igrejas e templos em hospitais”.

redenção.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub