Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

30
Jul20

Perversa desigualdade social escancarada pela pandemia

Talis Andrade

alianca-pelo-brasil- partido bolsonaro.jpg

 

 

VI - Retrato do Brasil, em impasse perigoso

por Luiz Filgueiras e Graça Druck 

- - -

 

Conclusão

O momento político atual pode ser resumido por duas constatações:

1 - a pandemia acelerou a mudança de conjuntura, com Bolsonaro e o seu governo passando prioritariamente a se defender, enquanto as forças antifascistas assumiram a ofensiva; e

2 - apesar disso, Bolsonaro e o seu governo demonstram ainda capacidade de resistência, que pode ser vencida se a ofensiva antifascista não esmorecer, não cair no atual “canto da sereia” de Bolsonaro de que tem a intenção de se conciliar com os outros poderes da República.

A resiliência de Bolsonaro e de seu governo, que está lhe dando uma sobrevida, apesar de todas as barbaridades já cometidas, decorre de múltiplas fontes, sendo as três primeiras, na prática política concreta, inseparáveis: 1- acima de tudo, dos interesses do grande capital contemplados nas reformas e políticas neoliberais encaminhadas pelo Ministro da Economia; 2 - da tática camaleônica da direita neoliberal (que exerce uma oposição seletiva ao governo Bolsonaro); 3 - da preocupação dos dois sujeitos anteriores com o protagonismo das forças políticas antifascistas e antineoliberais (identificadas como o inimigo estratégico principal);  4 - da existência de um movimento neofascista atuante e belicoso, embora em processo de enfraquecimento; 5 - da identificação e apoio da extrema direita militar tradicional, sempre projetando o seu desejo de tutelar a sociedade através da ameaça de uma intervenção; 6 - do comprometimento das principais igrejas evangélicas neopentecostais com ambas as faces do governo Bolsonaro: o neofascismo e o neoliberalismo e 7- da falta de uma forte convicção das forças de esquerda de que, de fato, já passou a hora de parar Bolsonaro e o seu governo – embora haja, retoricamente, esse consenso entre elas.

Portanto, se está diante de uma situação muito complexa, reforçada mais ainda com a recente aproximação de Bolsonaro e a “velha política”, o onipresente e famigerado Centrão – agora em sua versão mais baixa. Por tudo isso, embora Bolsonaro se encontre momentaneamente nas cordas, o jogo ainda está sendo jogado. A superação de sua resiliência, que levará a sua queda e, principalmente, implique uma saída favorável às forças populares, não será resultado apenas das ações da direita neoliberal – comprometida, em última instância, com esse governo.

Embora essas ações (efetivadas, principalmente, através do protagonismo do Judiciário e da mídia corporativa, além de decisões e medidas do parlamento), sejam importantes para fustigar, isolar e impor limites à Bolsonaro e ao seu governo, colocando-os na defensiva, o “xeque mate” político só poderá resultar, em última instância, da capacidade das forças antifascistas e antineoliberais de conseguir ganhar corpo e organização, aglutinando e dirigindo, em um movimento de rua, a ampla maioria da sociedade brasileira – vítima da violência política-econômica-social-racial-cultural do governo neofascista-neoliberal de Jair Bolsonaro.

De qualquer sorte, para além da atual conjuntura, o futuro pós-pandemia, no mundo e também no Brasil, não será simplesmente um retorno à situação anterior. Antes de tudo, o combate ao vírus evidenciou, claramente, a importância de se ter um sistema público de saúde universal, efetivamente aparelhado e funcionando. Também evidenciou, num plano mais geral, e mais do que nas anteriores crises econômicas estrito senso, a importância fundamental do Estado e de suas políticas para reduzir os seus efeitos mais deletérios e garantir a sustentação e o apoio aos mais vulneráveis.

Subjacente às duas evidências, uma terceira se impôs: o mantra neoliberal de que “o Estado não tem dinheiro” (daí o permanente ajuste fiscal e as políticas de austeridade), como se ele fosse semelhante a uma empresa ou família, caiu por terra. Em todos os países, os respectivos Estados criaram (fabricaram) dinheiro e gastaram, utilizando-se de políticas fiscais e monetárias. Até o FMI, através de um dos seus relatórios mais recentes, propõe uma política de déficit fiscal para enfrentar a recessão mundial em andamento.

Todas essas evidências, assim como a perversa desigualdade social escancarada pela forma diferenciada como o vírus atingiu diferentes segmentos da população, estarão, provavelmente, no centro do debate e das disputas políticas futuras – contribuindo para aprofundar a crise de hegemonia do neoliberalismo.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub