Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

03
Ago18

Papa Francisco: "O juiz inventa uma legislação para confirmar o processo de condenação antecipado"

Talis Andrade

papa francisco marinete silva.jpg

 

 

 

O papa Francisco recebeu nesta sexta (3) mais um grupo de brasileiros que o procuraram para denunciar a violação de direitos humanos no país e criticar a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os membros da comitiva foram Marinete Silva, mãe da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ), assassinada em março, a jurista Carol Proner, co-autora de um livro que critica a condenação do ex-presidente Lula, a pastora luterana Cibele Kuss e Paulo Sérgio Pinheiro, ex-ministro de Direitos Humanos e ex-coordenador da CNV (Comissão Nacional da Verdade).

 

O encontro ocorreu um dia após o papa receber o ex-embaixador brasileiro Celso Amorim, que entregou um livro sobre Lula, e recebeu de volta um bilhete do papa para o ex-presidente pedindo que o petista orasse por ele. "O papa está muito preocupado com a situação da América Latina e nos disse que está acompanhando tudo de perto", diz Carol Proner.

 

A advogada informou que foram entregues ao Papa dois livros: "A Resistência Internacional ao Golpe de 2016", (Canal6 Editora, 2016, com vários artigos, entrevistas e documentos) e "Comentários a uma Sentença Anunciada - o Processo Lula" (Projeto Editorial Práxis, 2017, com textos de vários juristas).

 

"Eu expliquei a ele que a forma como a Operação Lava Jato está sendo conduzida, com a flexibilização de provas, de forma seletiva, e com a mídia elegendo juízes heróis, acaba gerando injustiças", afirma ela. "Disse que o próprio Supremo Tribunal Federal violou um direito universal, que é o da presunção da inocência. Expliquei que isso prejudica não apenas o Lula mas milhares de pessoas que estão na mesma situação e que têm violado seus direitos de forma irreparável".

 

Proner afirma que o papa repetiu palavras semelhantes às de um discurso que fez em maio, sobre a forma como, segundo ele, "a mídia começa a falar mal das pessoas, dos dirigentes, e com a calúnia e a difamação essas pessoas ficam manchadas". No mesmo discurso, ele disse que "depois chega a Justiça, as condena e, no final, se faz um golpe de Estado".

 

De acordo com a advogada, desta vez ele afirmou que tem observado como "alguém acusado por corrupção através da mídia é destruído publicamente. Depois o juiz inventa uma legislação, não respeitando direitos, para confirmar o processo de condenação antecipado"

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub