Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

14
Nov20

Outros estados podem ser vítimas de apagão

Talis Andrade

 

amapá.jpg

 

“Hoje somos nós no Amapá, amanhã nossos vizinhos Acre e Roraima, ou como aconteceu em 2018 no Nordeste e Centro-Sul do País”, diz Jedilson Santa Bárbara de Oliveira, presidente do Stiu-AP (Sindicato dos Urbanitários do Amapá)

 

por Rafael Tatemoto

Jedilson Santa Bárbara de Oliveira, presidente do Stiu-AP (Sindicato dos Urbanitários do Amapá), é enfático ao analisar o apagão ocorrido em seu estado: “O mercado errou e quem consertou foi o público”. E alerta que a privatização pode penalizar outras localidades.

O representante dos trabalhadores no setor elétrico lembrou que são os trabalhadores da Eletronorte – muitos vindos do Maranhão, Pará e Roraima – os principais responsáveis pelos esforços de reestabelecimento da eletricidade no Amapá. Em sua visão, há uma ligação direta entre o apagão e a privatização parcial ocorrida no estado.

“A correlação é bem clara. A Isolux opera uma subestação. Faltou fiscalização: quando a empresa é pública a canetada vem, quando é privada fecham os olhos”, critica. “Como se admite que, em uma eventualidade, não ter material reserva para recompor o sistema? Isso mostra o caos que uma empresa privada pode trazer à população. Hoje somos nós no Amapá, amanhã nossos vizinhos Acre e Roraima, ou como aconteceu em 2018 no Nordeste e Centro-Sul do País”.

Para o sindicalista, o acontecimento no Amapá deve servir de exemplo em um momento em que o Governo Federal não esconde sua intenção de privatizar a Eletrobras.

“Fica o alerta para o Governo Federal, para Paulo Guedes, para o Congresso que tenha sensibilidade de ver o quanto o setor elétrico é estratégico. O privado aumenta o preço da tarifa e deixa a população no escuro”, resume.

Por conta do apagão, usuários passaram a relatar os preços abusivos cobrados no Amapá. Segundo Oliveira, o preço alto da energia não é um problema novo no estado e, novamente, diz respeito às sinalizações de que a privatização avançará, o que leva à uma tentativa de entregar a distribuição de eletricidade em condições favoráveis para o mercado.

ENERGIA.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub