Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

20
Jun18

Os falsos testemunhos dos bandidos Youssef e Paulo Roberto Costa que vivem no luxo e na luxúria

Talis Andrade

Gleisi Hoffmann livre das calúnias

 

“Não há nos autos elementos externos de corroboração que confirmem, de forma independente e segura, as informações prestadas pelos colaboradores premiados em seus depoimentos”, votou o ministro Lewandowski

 

mariano moro gleise .jpg

 

 

 

Brasil de Fato - O colegiado da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, na noite desta terça-feira (19), pela absolvição da presidenta nacional do PT, a senadora Gleisi Hoffmann, das acusações de corrupção e lavagem de dinheiro provenientes da força tarefa da Lava Jato.

 

Segundo a denúncia, a campanha eleitoral de Gleisi em 2010 teria recebido R$ 1 milhão desviados de contratos da Petrobras. No entendimento dos ministros, porém, a acusação, baseada apenas em delações premiadas, não apresentou provas que a sustentassem.

 

O ex-ministro Paulo Bernardo e o empresário Ernesto Kugler também eram acusados.

 

Os ministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski os julgaram inocentes de todas as acusações. O relator da ação, Edson Fachin, e o revisor, Celso de Mello, também votaram pela absolvição dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, mas consideraram que houve crime de Caixa 2 na campanha de Gleisi.

 

Rodrigo Bittencourt Mudrovitsch, advogado de Gleisi, ressaltou em sua defesa que a ação penal foi sustentada por “palavras confusas e contraditórias de delatores”. Ele argumentou que apenas as delações de Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa não podem sustentar uma acusação, uma vez que ambos já teriam mentido em delações anteriores.

 

Em seu voto, Lewandowski afirmou que “não há nos autos elementos externos de corroboração que confirmem, de forma independente e segura, as informações prestadas pelos colaboradores premiados em seus depoimentos”. O ministro Gilmar Mendes afirmou que as evidências apresentadas nos autos eram “raquíticas e inconclusivas”.

Edição: Diego Sartorato

 

lava-jato-doleiro-petrobras.jpg

 

 

P.S. Os colaborados premiados Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa são mentirosos contumazes sempre escalados para os julgamentos que envolvem petistas na Lava Jato de Curitibba.

 

Por Sergio Moro, Youssef e Paulo Roberto Costa estão perdoados de todos os crimes, e libertos gozam hoje uma luxuosa vida em comes & bebes com suas amantes e amigos do crime. Não se sabe com que dinheiro bancam nababescas vivendas, e uma dispendiosa corte de serviçais e serviços de segurança. 

 

Os dois bandidos tiveram suas delações negociadas pelo advogado Antonio Figueiredo Basto, que está cada vez mais rico com a Lava Jato.

 

As delações lavam dinheiro do crime, e deixam livres bandidos da perniciosidade de Youssef, capo dos tráficos de drogas, de diamantes e moedas. 

youssef-playbloy-taciana-camargo.gif

taciana-camargo-dolares.jpg

Taiana de Sousa Camargo 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub