Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

05
Out19

O castelo da Lava Jato era de areia

Talis Andrade

reizinho.jpg

 

 

por Fernando Brito

Quem “pegou” primeiro o significado da imagem da capa da Veja com Sergio Moro foi o jornalista Luís Costa Pinto.

“O ex-juiz, apequenado, está desconfortável na cadeira – ela, visivelmente, não é para alguém com a estatura dele: observem que os pés por um milímetro não ficam balançando no ar. Para sentar ali, diz o mobiliário histórico [do Ministério da Justiça], tem de ser maior em tudo do que essa ameba disforme e sem núcleo pensante.

De fato, na entrevista, Sergio Moro mostra ser capaz de dizer tudo o que vai agradar os ouvidos do chefe Bolsonaro: que não é candidato em 2022, que não tem pretensão política alguma, que nunca teve problemas de relacionamento com o presidente e que jamais esteve perto de demissão.

A sinceridade de Sergio Moro equivale à sua imparcialidade como julgador. E ambas valem coisa alguma.

O fato objetivo é que, desde que deixou o castelo da Lava jato, onde imperava sem que alguém abrisse o bico para contestá-lo, Sergio Moro só fez encolher.

superministro virou miniministro ou, já dizem alguns, mimimiministro, porque repete o discurso triunfalista da sua cruzada enquanto sofre derrotas sucessivas.

Serve, apenas, para dar uma minguante legitimidade jurídica ao discurso brutal de Jair Bolsonaro sobre liberação de armas e assassinatos policiais.

Sem as suas armas jurídicas – prender, humilhar, acusar e condenar – viu-se na condição que Maquiavel apontou ao frei Girolamo Savonarela, ao qual tantas vezes foi comparado em seu fundamentalismo, “que fracassou na sua tentativa de reforma quando o povo passou a não acreditar nele, e ele não possuía os meios de conservar firmes os que nele haviam acreditado, nem de conseguir que os incrédulos cressem”.

Pois os incrédulos não passaram a crer e os que diziam crer, por medo, já não temem e – ainda sem que confessem – e já não creem.

É que, como observou Costa Pinto, seus pés não estão no chão, nem a cabeça à altura da coroa.

moro rei_adnael.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub