Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

06
Jan21

O Brasil está quebrado?

Talis Andrade

bolsonaro nada.jpg

 

por Chico Vigilante

- - -

Em mais uma de suas declarações, que parecem espontâneas e inesperadas, mas são meticulosamente planejadas, o Jair Capiroto Bolsonaro falou que “o Brasil está quebrado. Eu não posso fazer nada”. A intenção dele é pautar o povo e a mídia. Nesta semana, pessoas de todos os segmentos e origens repetirão e discutirão a quebra do país. 

Se fosse um presidente sério, sua declaração faria desabar as ações na Bolsa e aumentar violentamente os juros futuros e o dólar. Aconteceu o contrário. A Bolsa, que caía pela manhã, subiu um pouco e o dólar, que subia mais de 1%, estabilizou-se. Nada a ver com a declaração, nem para o bem nem para o mal. O mercado não dá muita bola pra ele.

Já que ele quer pautar, aceitemos a pauta, pois ela interessa ao povo brasileiro, que não entende muito de orçamento público e estratégia econômica, nem tem obrigação de entender.

Quando Lula tomou posse, o Brasil tinha apenas 37 bilhões de dólares de reservas cambiais, sendo que uns vinte bilhões eram um empréstimo-ponte do FMI. O Brasil estava de joelhos diante dos especuladores internacionais. Quando Dilma foi apeada pelo golpe de 2016, dispunha de 364 bilhões de dólares. Isso não caiu do céu. Esse seguro contra crises cambiais foi acumulado em 13 anos de gestão responsável.

O Tesouro Nacional, que gerencia o caixa da Nação (exclusive reservas internacionais) tinha menos de R$ 40 bilhões para pagar as contas internas. No final do governo Dilma, eram cerca de R$ 400 bilhões.

Isso foi acumulado com responsabilidade fiscal, mas fazendo programas sociais e de infraestrutura em todas as áreas de governo. Se fossemos citar, teríamos que gastar umas quatro laudas deste texto. Pagamos nossa dívida com o FMI e ainda emprestamos cerca de US$10 bilhões ao fundo. 

Bolsonaro passou 28 anos no Congresso Nacional e não se deu ao trabalho de aprender o que é Orçamento da União e como ele se relaciona com as dívidas e as decisões macroeconômicas. Se prevalecesse a tese da gripezinha e da mísera ajuda de R$200 de auxílio emergencial, a economia estaria ainda pior e a arrecadação da União, estados e municípios na lona. Por incrível que pareça, a oposição salvou Bolsonaro e o Brasil, ao derrotar o Guedes, o Posto Ipiranga que está sem combustível.

Quando Lula tomou posse na Presidência da República, em 2003, os jornalistas perguntavam a ele e aos ministros como ele iria governar, se o Brasil estava quebrado e a inflação e o dólar ameaçavam sair totalmente do controle. Simples: usar as potencialidades do país e conclamar a união do povo (empresários, sindicalistas, universidades, movimentos, etc.) a remar para o mesmo lado, o do crescimento. Criou o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, elaborou programas sociais, orientou os bancos públicos, a Petrobrás, a Eletrobrás e demais estruturas públicas a investir no crescimento com distribuição de renda. Combateu a fome e a miséria. Projetou a expansão da saúde e educação públicas.

Bolsonaro e Guedes fazem o contrário: desagregam, propalam mentiras e boatos, brigam com a ciência, desafiam a verdade. 

Por isso, ainda que eu saiba que o objetivo é pautar, essa pauta deve ser repelida. 

No começo da pandemia, eu já escrevi que existiam muitas alternativas, em relação ao crédito e aos tributos para arrecadar mais, dos ricos, e desonerar os pobres, em uma reforma tributária de mudanças por leis ordinárias (nem precisa mudar a Constituição). Reforma esta que os muito ricos temem, por pura ignorância, pois a dinamização da economia de baixo pra cima gera lucros relevantes também para os de cima. Lula e Dilma provaram isso com o Bolsa Família e o aumento real do Salário Mínimo. O auxílio emergencial também provou. Nunca os supermercados venderam tanto, especialmente os pequenos, das periferias.

O Brasil não está quebrado, mas a lógica desse governo está quebrada. Não tem compromisso com o desenvolvimento, não tem empatia com o povo pobre, desrespeita diariamente a aflição dos que não sabem como sobreviverão, sem vacina, com segunda onda, sem emprego nem auxílio do governo, a partir deste mês.

Cabe à Câmara dos Deputados entender que já deu. Os crimes de responsabilidade são muitos. Os requerimentos de processo de impedimento desse lamentável presidente estão às dezenas na presidência da Casa.

Cabe ao povo manifestar-se: Fora Bolsonaro! Ou tiramos esse irresponsável ou o Brasil pode quebrar!!!

Leis da física

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub