Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

17
Mar21

O adeus do "juiz laranjá" a Lula

Talis Andrade

 

liga da justiça.jpg

 

Tudo que a autodenominada Liga da Justiça de Curitiba falou e escreveu sobre o juiz Luiz Antonio Bonat estava certo.

Idem a autodenominada República de Curitiba. 

Idem os procuradores da autodenominada Lava Jato, principalmente quando tramavam a escolha de um "juiz laranja" para suceder Sérgio Moro, que largou o cargo de juiz de piso para ser super ministro da Justiça e da Segurança Pública do governo do capitão Jair Bolsonaro.

Como era esperado, Luiz Antonio Bonat, da 13ª Vara Federal de Curitiba, determinou o envio de 36 processos relacionados ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Justiça Federal do Distrito Federal. Bonat, porém, por extrema bondade, manteve o bloqueio de bens do ex-presidente. A informação é do jornal O Globo.

Entre os bens que permanecem indisponíveis estão um plano de previdência empresarial, no valor de R$ 7 milhões, R$ 600 mil em contas bancárias, dois veículos sem uso desde o ano de 2014, três imóveis e um sítio em Riacho Grande. Na lista também foi incluído o triplex do Guarujá, que foi alienado judicialmente. Para Bonat, o triplex é de Lula. Nem Dallagnol acredita nesse conto de vigário. Nem Moro. Bonat queria condenar Lula, em mais de 30 processos, mas foi impedido. Como se fosse laranja podre. 

Na semana passada, o ministro do Supremo tribunal Federal (STF) Edson Fachin anulou as condenações impostas a Lula pelo ex-juiz Sergio Moro, incluindo as decisões sobre os recebimentos das denúncias, e disse que a competência sobre a validação dos atos processuais compete á Justiça do Distrito Federal.

Bonat, porém, justificou a decisão de manter o bloqueio dos bens do ex-presidente alegando que as decisões anteriores foram tomadas em outros processos. 

"Tendo por base os estritos limites da decisão do Exmo. Ministro Edson Fachin, manterei os bloqueios durante a declinação, ficando o Juízo declinado responsável pela análise acerca da convalidação das decisões que autorizaram as constrições cautelares", escreveu em juridiquês. Foi um adeus. Para sorte de Lula, que jamais voltará a ouvir o nome desse Bonat que saiu do ostracismo, do anonimato, porque Moro acreditou que seria nomeado para uma cadeira na Suprema Justiça, quando já exercia um juízo universal. 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub