Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

02
Jan21

Não vamos nadar para morrer na praia

Talis Andrade

crime de contagio.jpg

 

por Fernando Brito

- - -

Com um mergulho e algumas braçadas, para reunir-se com alienados e negacionistas que se espremiam na areia e no mar de Praia Grande (SP), começou a terceira temporada a série “Como destruir uma Nação”, estrelada por Jair Bolsonaro, coadjuvado por um grande elenco de nulidades de paletó e de farda, com a produção da mídia e de gente que ama o dinheiro acima de tudo, inclusiva da humanidade e de seu próprio país.

O Estadão, um de seus agora envergonhados pais – quem não se lembra que o aceitou como “uma escolha difícil” contra Fernando Haddad? – hoje se dedica a contar as horas – 17,5 mil ,diz – que falta para que nos livremos desta desgraça na chefia de um país no qual não se pode, absolutamente, falar em comando.

Mão é a única “Madalena” do pedaço. Hoje mesmo, Merval Pereira, o que achava que “as instituições” iam domar Jair Bolsonaro, revive o sonho udenista de que um candidato “punhos de renda” da nova UDN – Doria ou Sergio Moro, ou vice-versa e juntos e misturados – possa fazer frente ao ex-capitão e que uma candidatura Lula em 2022, que teria evitado, é do interesse de Bolsonaro, que se beneficiaria do antipetismo.

Há, também, as “madalenas” ditas de esquerda. Ciro, o ególatra, que resolveu a “escolha difícil” com um bilhete aéreo para Paris e Tarso Genro, que pede a João Doria para liderar uma frente antibolsonaro, de forma deprimente, como se faltassem a este país alternativas que não um dândi que represente a gente “de modos” contra um desclassificado, embora faça essencialmente o mesmo.

Usam como argumento o “populismo” de Bolsonaro, esquecidos que Doria fantasiava-se com roupas de gari, embora, como mostrou em suas férias em Miami, goste mesmo é de um cashmère.

Não têm ideia do que será o confronto que se dará ano que vem.

Não será daqueles em que baste vencer nas urnas.

Será que não viram o que se passou nos EUA com a derrota de Donald Trump e sua recusa em admiti-la? Acham que as Forças Armadas brasileiras, com sua história de intervencionismo, comportar-se-á como as norte-americanas, virgens em matéria de intervenção sobre o poder civil?

A retirada de Jair Bolsonaro do governo é um processo político-eleitoral, mas não só.

Envolve sinalizações claras no Judiciário, no Legislativo e nas Forças Armadas de que o resultado eleitoral será respeitado.

E exige um resultado eleitoral que não se alcançará se não houver uma candidatura de forte apelo e base popular, com um significado ancorado na memória e na realidade.

Porque isso Bolsonaro já o fez e, embora minoritárias, suas tropas egoístas e primitivas estão por toda parte, até mesmo nas águas da Praia Grande.

os-peixes-banho-de-bolsonaro-1080-1080.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub