Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

10
Jul22

Não vamos falar sobre assédio dos generais?

Talis Andrade

www.brasil247.com - { imgCaption }}

por Ayrton Centeno

- - -

Pedro Maluco ou, conforme o cartório, Pedro Duarte Guimarães, então presidente da Caixa, foi o personagem da semana passada mas continua sendo protagonista nesta, mesmo após seu encontro com a guilhotina. Maluco virou ex mas a destruição que produziu nos princípios mais elementares de convivência em um ambiente de trabalho prossegue trazendo vítimas à tona.

Revirando-se as entranhas do banco, descobre-se que o vírus do bolsonarismo transformou o constrangimento em política corporativa com direito ao acobertamento militante por parte de diretores e à omissão de órgãos que deveriam zelar pela instituição. Ao ponto de uma das vítimas falar em “dezenas de Pedro Guimarães” e na naturalização da cultura do assédio.

Mas falamos em assédio – sexual e moral – do ex-presidente da Caixa, amigo do peito de Jair Bolsonaro, parceirão de lives e pescarias, mas deixamos encoberto outro tipo de assédio, constante e impune: o assédio sobre a democracia.

Encarapitados no Planalto, os generais palacianos não perdem oportunidade de importunar a débil e imperfeita democracia brasileira. Dá-se o assédio político e ideológico contra um dos instrumentos democráticos por excelência: as eleições. Tentam alvejá-las por uma presumida fragilidade nunca demonstrada nos últimos 90 anos.

Levantam dúvidas, dão pitacos e invocam o direito de arbitrar a lisura do pleito deste ano. Mas qual é mesmo a expertise da caserna no métier? Certamente não será maior do que a do Ministério da Agricultura e Pecuária. Ou da Saúde. Quem sabe a do Turismo?

O mais notável é que, se a gente der uma espiada na história destes tristes trópicos, a contribuição que as Forças Armadas podem oferecer às eleições rivaliza com aquela dada pelo general Pazuello no enfrentamento da covid-19.

Senão vejamos: em 1964, os generais assediaram a democracia, removendo um presidente eleito pelo voto popular. E acabaram com as eleições para presidente durante 21 anos. Quando a população saiu às ruas cantando “Um, dois, três, quatro, cinco mil, queremos eleger o presidente do Brasil”, a reação do regime foi mover os deputados que comiam nas mãos do generalato para derrotar a emenda Dante de Oliveira em 25 de abril de 1984.

Dois dias antes da votação das “Diretas Já”, o general João Figueiredo, então no poder, suspendeu o direito de reunião, decretou estado de emergência em Brasília e arredores e botou a tropa na rua.

Refulgia à frente de seis mil soldados e 116 tanques e carros de combate, o comandante militar do Planalto, general Newton Cruz, montado em um cavalo branco. Na Esplanada dos Ministérios, diante do buzinaço promovido por quem queria eleições sem demora, o general chicoteava os carros e desafiava: “Buzina agora, seu filho da puta!”

Sendo generosos, com a maior boa vontade, podemos dizer que os fardados sofrem de uma dificuldade bastante óbvia para lidar com eleições. Então, o assanhamento para instruir o TSE sobre como conduzir suas próprias atribuições pode não ser muito proveitoso. Alguns sinais estão nos ares.

A desconfiança do povo nas Forças Armadas subiu, segundo levantamento deste mês do Instituto da Democracia. O grupo de eleitores que diz não confiar nos militares chegou a 29,2%, enquanto aqueles que confiam muito somam 24,9%.

Compulsivo assediador da democracia, Bolsonaro já disse que as Forças Armadas “não farão papel de idiota” nas eleições.

Talvez o maior papel de idiota seja respaldar um energúmeno na elaboração do caos, desonrando-se ao lidar com uma tarefa com a qual não têm e nunca tiveram a menor afinidade.

General diz que Bolsonaro é refém de facção

 
 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub