Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

08
Jul18

Mulher de Sérgio Moro abre empresa para dar cursos e palestras

Talis Andrade

 

carlos-zucolotto-jr-sergio-moro-rosangela-moro-e-a

 Carlos Zucolotto o primeiro da esquerda...

Tecla-Duran-Rosangela-e-Moro.jpg

 Tacla Durán na foto da esquerda...

 

A advogada Rosângela Moro, esposa do juiz Sergio Moro, abriu uma empresa de cursos e palestras. Na documentação da firma, ela aparece como sócia dos advogados Carlos Zucolotto Junior, Guilherme Henn e Fernando Mânica. A empresa de palestras, nomeada HZM2, está registrada em Curitiba, segundo informa a coluna Painel.

 

"Rosângela é casada com Moro em regime de comunhão parcial de bens. Procurada, disse que se tratava de um assunto pessoal que preferia não comentar.

 

Zucolotto, amigo do casal, era também sócio de uma banca de advocácia com Rosângela, e foi acusado de vender delação premiada por cinco milhões de dólares. Este seria o preço para o advogado Rodrigo Tacla Durán. Para um empresário, cem vezes mais. Tacla prestava serviços para a Odebrecht, não fez delação, e fugiu para a Espanha. Todos os proprietários e principais executivos da Odebrecht assinaram delação mais do que premiada com a liberdade e legalização dos bens adquiridos ilicitamente. Leia mais

 

Deputados do PT, PCB, PSOL e outros partidos de esquerda anunciaram uma CPI para investigar a venda de delação premiada, redução de sentenças e outros crimes da chamada corriola de Curitiba, pela prática do direito paralelo,  do lawfare partidário, inclusive com sequestro de testemunhas, assédio judicial e tortura psicológica.

 

Esta nova sociedade Rosângela/Zucolotto uma demonstração pública de descaso com a Câmara dos Deputados, um desafio, uma desmoralizão para os 191 parlamentares que assinaram requerimento para a instalação da CPI das Delações.

 

O número mínimo de assinaturas para requerer comissões de investigação é de 171, ou um terço da Casa.

 

Os deputados que assinaram pela abertura da CPI das Delações apontam como fatos concretos a serem investigados a venda de sentenças por advogados e procuradores do Ministério Público.

 

Um dos idealizadores da CPI, o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), denuncia a existência da “indústria da delação” no âmbito da lava jato. “Trata-se de uma articulada estrutura de venda de proteções, em relações subterrâneas entre juízes, procuradores e advogados”, afirma o petista.

 

“Durante os trabalhos desenvolvidos pela CPMI da JBS, após oitiva de diversos depoentes, evidenciou-se que em muitos acordos foram cometidos abusos, com o oferecimento de benefícios que não possuem embasamento legal ou constitucional, além da questionável atuação de procuradores da República que oferecem e cobram por influência para facilitação do fechamento de tais acordos em sede de grandes operações”, diz um trecho do requerimento protocolado na quarta (30).

 

“Penso que o grande problema continua a ser o fato de o MP substituir o Poder Judiciário ao impor pena e estabelecer o modo de cumprimento das penas. Essa é uma atribuição exclusiva do Poder Judiciário. O Ministério Público está se posicionando como um superpoder, usurpando uma função que é do Judiciário”, disse o criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay.

 

Para começar a funcionar, a CPI das Delações tem que receber um “impulso” de Rodrigo Maia — sempre considerado a “bola da vez” na Lava Jato.

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D