Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

08
Dez20

Milícia influencia operações de batalhões da PM contra o tráfico em várias cidades do Rio

Talis Andrade

milicia- à prova de bala .jpg

 

 

Jornal Extra - Em Magé, na Baixada Fluminense, o chefe da milícia local era informante do batalhão. Por trás das dicas sobre paradeiros de traficantes, havia o interesse do miliciano em avançar sobre os domínios dos rivais. Em Itaboraí, na Região Metropolitana, paramilitares e PMs faziam operações conjuntas para matar traficantes. Já em Jacarepaguá, Zona Oeste da capital, a milícia, para garantir que não seria incomodada, avisava a PMs do quartel local, com antecedência, dia e hora em que iriam invadir favelas dominadas pelo tráfico.

Investigações da Polícia Civil e do Ministério Público escancaram como a milícia exerce uma influência silenciosa nas escolhas da segurança pública do Estado do Rio. Como mostram os inquéritos obtidos pelo EXTRA, a interferência vai desde um direcionamento para que as ações operacionais dos batalhões sigam os interesses dos paramilitares até o fechamento de acordos com agentes para garantir que não interfiram em invasões.

Ligações telefônicas gravadas com autorização da Justiça revelam que André Cosme da Costa Franco, o André Careca, além de chefiar a milícia que dominava os bairros de Suruí e Praia de Mauá, em Magé, passava informações a policiais do batalhão da cidade, o 34º BPM, sobre a atuação de traficantes na região. Com base nos dados, os agentes faziam operações que culminavam em prisões e apreensões de drogas e armas — e enfraqueciam os rivais de Careca no controle na região.

Na manhã de 30 de junho de 2019, Careca passou as coordenadas de uma boca de fumo a um PM identificado apenas como “Soares” e ainda combinou que iria ajudá-lo, mandando um comparsa comprar drogas, para facilitar o flagrante: “É só ver a hora em que está começando que eu mando o moleque comprar”, diz o miliciano. “A hora em que você falar que está montado, eu vou”, responde o PM.

Já em 6 de setembro de 2019, após Careca passar nomes, características físicas e localização exata de traficantes, o PM o convida para participar da operação: “Vamos no carro à paisana”, diz. Antes de desligarem, o miliciano ainda pergunta se o PM quer um carro emprestado para usar na ação.

Após investigações, André Careca e outros oito integrantes da milícia de Magé foram presos, no último dia 9, numa operação da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) e do MP. Além do chefe, foi alvo da ação o soldado do 34º BPM André Ribeiro Lopes do Nascimento, filho do vereador do município André Antônio Lopes. Segundo o inquérito, o policial militar vendia à milícia armas apreendidas em operações.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub