Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

09
Mai18

Marcerllo Siciliano e pm Orlando Oliveira de Araújo assassinos de Marielle

Talis Andrade

Testemunha envolve vereador e miliciano no assassinato 

 

marielle 1.jpg 

marielle 2.jpg 

vereador-marcello-siciliano-rj.jpg

feliciano 3.jpg

feliciano coronel bento.jpg

 

 

 

 

Yahoo - Um homem procurou a polícia para contar que o vereador do Rio Marcello Siciliano e Orlando Oliveira de Araújo, ex-PM preso sob acusação de chefiar uma milícia, queriam a morte da vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada no dia 14 de março, junto com o motorista Anderson Gomes. A informação foi revelada pelo jornal O Globo nesta terça-feira.

 

Em encontros, eles teriam conversado sobre o trabalho da vereadora e os “prejuízos” que suas iniciativas teriam causado no avanço de grupos paramilitares em comunidades de Jacarepaguá.

 

O homem, que deu seu testemunho em troca de proteção, trabalhou para um dos mais violentos grupos paramilitares do Rio. Ele conta ter sido obrigado a trabalhar como segurança de Orlando, por aproximadamente dois anos, depois que o criminoso tomou a comunidade onde o delator instalava equipamentos de TV a cabo.

 

Em três depoimentos à Polícia Civil, ele forneceu detalhes de como a execução teria sido planejada, deu informações sobre datas, horários e até locais onde o vereador e o miliciano, que hoje cumpre pena em Bangu 9, teriam se reunido.

 

A testemunha contou ter presenciado pelo menos quatro conversas entre o político e o ex-policial, que, mesmo preso, ainda chefia uma milícia. Ele também forneceu nomes de quatro homens que teriam sido escolhidos para executar o crime.

 

“Precisamos resolver isso logo”

 

De acordo com o delator, as conversas entre os dois teriam começado em junho do ano passado. Ele conta ter presenciado um encontro entre o vereador e o ex-PM em um restaurante e ouviu os dois falando sobre Marielle.

 

“Eu estava numa mesa, a uma distância de pouco mais de um metro dos dois. Eles estavam sentados numa mesa ao lado. O vereador falou alto: ‘Tem que ver a situação da Marielle. A mulher está me atrapalhando’. Depois, bateu forte com a mão na mesa e gritou: ‘Marielle, p… do Freixo”. Depois, olhando para o ex-PM, disse: ‘Precisamos resolver isso logo”, afirmou a testemunha, referindo-se a um menção feita ao deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), de quem Marielle foi assessora durante a CPI das Milícias, na Assembleia Legislativa do Rio.

 

Segundo ele, a desavença entre Siciliano e Marielle foi motivada pela expansão das ações comunitárias da parlamentar na Zona Oeste e sua crescente influência em áreas de interesse da milícia, mas que ainda seriam controladas pelo tráfico.

 

Uma das brigas, disse ele, envolvia comunidades em Jacarepaguá. A testemunha explicou que o ex-PM é dono da comunidade Vila Sapê, em Curicica, que trava uma guerra com os traficantes da Cidade de Deus. Segundo a testemunha, a vereadora passou a apoiar os moradores da Cidade de Deus e comprou briga com o ex-PM e o vereador, que tem uma parte do seu reduto eleitoral na região. “Ela peitava o miliciano e o vereador”, revelou.

 

Crime planejado da cadeia


A testemunha contou também que, um mês antes do atentado, o ex-PM, já preso, teria dado a ordem para o crime da cela de Bangu 9. Primeiro, teria mandando que homens de sua confiança providenciassem a clonagem de um carro.

 

Ele afirmou que um homem identificado como Thiago Macaco foi encarregado de fazer o levantamento dos hábitos da vereadora: onde ela costumava ir, o local que frequentava e todos os trajetos que Marielle usava ao sair da Câmara de Vereadores.