Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

24
Abr19

Major Ronald Paulo Alves Pereira, milionário construtor de prédios e mais prédios da milícia intocável do Rio de Janeiro

Talis Andrade

Rio-das-Pedras.jpg

 

 

Morreram no desabamento de dois prédios, em Muzema, 23 pessoas. 
Dos oito feridos, três permanecem internados.


A Prefeitura anunciou que vai demolir imediatamente pelo menos três prédios no condomínio Figueiras do Itanhangá, que ficam ao lado dos dois que desabaram. Mais 15 prédios deverão ser demolidos, pois não possuem licença de construção.


Onde a milícia Escritório do Crime foi arranjar milhões e milhões de reais para construir prédios e mais prédios?


Será que a polícia quer saber mesmo de onde saiu tanto dinheiro?


Desabamentos em Muzema são tragédias anunciadas, massacres que permanecerão impunes.

 

Quase toda a quadrilha, que atua no Rio das Pedras, principalmente em Muzema, já foi presa na Operação os Intocáveis. A justiça estadual faz que não sabe. O juiz Bretas, da justiça federal e da lava jato, faz que não sabe. O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, faz que não sabe. O prefeito Crivella faz que não sabe. Vereadores do governo e da oposição nem aí. Deputados estaduais e federais do governo e da oposição nem ai. Os três senadores do Rio calados, cúmplices pelo silêncio covarde e oportuno e governista. 


Nada mais governo, mais oficial, mais PM, mais Assembléia Legislativa do RJ, mais Câmara Municipal do RJ, que a milícia Escritório do Crime.

neilima milicia.jpg

 

Transcrevo do G1:

Os prédios que desabaram em Muzema, no bairro do Itanhangá, na Zona Oeste do Rio, foram construídos pela milícia, segundo a prefeitura. O chefe da milícia na região, segundo investigações do Ministério Público, é o major Ronald Paulo Alves Pereira, um dos alvos da operação Os Intocáveis, preso no início do ano.

ronald paulo alves pereira, major pm.jpg

ronald paulo alves pereira vulgo maj ronald ou tar

ronald paulo alves pereira preso operação os int

 

Os criminosos dominam a venda de imóveis irregulares na região — além de praticar agiotagem e venda ilegal de serviços como luz, gás e TV a cabo. O major também é investigado por envolvimento no Escritório do Crime — grupo de matadores profissionais suspeito de executar várias pessoas no Rio.

 

A Prefeitura afirma que os prédios que caíram eram irregulares e que mandou interditá-los, mas uma liminar da Justiça impediu a demolição. Paralelamente, a Polícia Civil diz que a região é explorada pela milícia.

 

Temos investigações na Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente que essas organizações criminosas vêm atuando com grilagem, desmatamento, parcelamento irregular de solo e diversos crimes ambientais", disse o delegado Antonio Ricardo à TV Globo em outubro.
 
 
 
 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub