Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

08
Set20

Lula fala ao país o que o país desaprendeu a ouvir

Talis Andrade

lula_livre__alex_falco.jpeg

 

 

por Fernando Brito

- - -

É estranho que, na data nacional do Brasil, não seja o presidente da República, mas um líder – que, do ponto de vista formal está afastado das disputas políticas por uma perseguição judicial – seja o único que tenha tomado a iniciativa de se posicionar sobre os problemas e desafios de um país que está mergulhado numa gravíssima crise sanitária e econômica, talvez a maior de sua história.

Embora, na sua fala de 23 minutos, Lula tenha abordado um conjunto de temas sanitários, econômicos e sociais, o que mais chama a atenção é algo a que nos desacostumamos a ouvir dos políticos: a ideia de um projeto para o país, um discurso articulado sobre a vida nacional e seus problemas e soluções.

Contra o que diz, os adeptos do bolsonarismo nada dizem senão arremessar uma tempestade de insultos com os mesmo conceitos com que, quatro anos atrás, o powerpoint de Deltan Dallagnol envenenou o debate político no país. Conceitos que, aliás, foram revistos em todas as instâncias judiciais, exceto aquelas que se acorrentaram ao plano de Sergio Moro de usar a Justiça para fazer uma carreira política que, agora, parece ter sido morta pelo homem que levou ao poder.

Mas o mais importante é que, neste país dos xingamentos rasos, das ideias estapafúrdias, dos projetos de destruição em massa do povo e da soberania nacional, da negação da civilidade e da ciência, ouviu-se alguém dizer que é preciso reconstruir o Brasil.

Não é preciso achar Lula perfeito. Mas é imperioso que se o veja como a referência restante de um período em que o Brasil apostou na soberania, no desenvolvimento, na inclusão e na justiça social como o peças necessárias e indispensáveis a que este país e seu povo tenham um futuro que não sejam a fragmentação e a vassalagem.

Assista e leia aqui

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub