Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

12
Mai18

Justiça golpista forjou provas para condenar Lula

Talis Andrade

Laudo pericial da Polícia Federal inocentou Lula

 

O advogado Tácla Duran sempre afirmou que os sistemas usados pela operação lava-jato foram adulterados e que nunca teve o nome do ex-presidente nas planilhas ou sistemas ligados a empresa, mesmo com laudo em mãos Sergio Moro condenou Lula com provas falsas.

 

Alguns dados usados pela operação não foram acessados conforme foi noticiado pelo jornal o globo, segundo o jornal os peritos criminais da PF estão quebrando a cabeça e tentando desenvolver uma interface paralela para ter acesso integral ao sistema My Web Day, que registrava pagamento de propinas da empresa.

1 tacla.png 

Fac-símile de notícia do jornal O Globo 

 

Em 23 de fevereiro de 2018 quase um mês depois do julgamento de Lula no TRF-4 um laudo da Polícia Federal foi divulgado pela Folha de São Paulo, o laudo indicou que houve destruição de dados em sistemas da Odebrecht. Peritos da PF analisaram os sistemas Drousys e MyWebDay a pedido do juiz Sergio Moro.


A destruição dos dados, segundo o laudo, ocorreu em 22 de junho de 2015, três dias após a prisão de Marcelo Odebrecht na 14ª fase da Lava Jato.

 

Os peritos relatam que foi utilizado um comando cuja principal função é sobrescrever arquivos com dados aleatórios, destruindo o conteúdo original.

 

O documento foi anexado aos autos do processo em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é acusado de ter favorecido a empreiteira em troca de favores como a compra de um terreno para o Instituto Lula.

 

A defesa de Lula solicitou que os peritos respondessem se há lançamentos que permitam relacionar os valores dos imóveis indicados na denúncia a contratos firmados entre a empresa e a Petrobras, conforme acusa o Ministério Público.


Os peritos não conseguiram esclarecer o significado do código. Eles afirmam, ainda, que o material não permitiu identificar a obra específica dos recursos atribuídos ao codinome, que seria referente aos gastos com um imóvel, mas não poderiam atestar que seria destinado ao Instituto Lula.

 

tacla 2.png

 Fac-símile do Twitter de Tacla Duran

 


Sobre a autenticidade dos arquivos eletrônicos disponibilizados pela Odebrecht ao Ministério Público Federal, o laudo afirma que, dos 1.912.667 arquivos, apenas 842, ou 0,043%, apresentam não conformidade.

 

A defesa do ex-presidente Lula afirma que a perícia não estabeleceu qualquer vínculo entre contratos da Petrobras e os imóveis citados da denúncia e que não indicou pagamentos indevidos ao petista.

 

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu que o juiz federal Sergio Moro considere imprestáveis os dados obtidos pela Operação Lava Jato ligados ao sistema de pagamento de propinas da Odebrecht, chamado "MyWebDay”.

 

3 tacla.png

 Fac-símile do Twitter de Tacla Duran

 

 

O pedido tem como base os laudos de três perícias contratadas pelos defensores do petista, que questionam a autenticidade dos documentos.

 

Revista Veja também noticiou que na avaliação dos principais auxiliares de Rogério Galloro, embora contenha dados relevantes, a maior parte dos depoimentos dos executivos da Odebrecht é repleta de informações inconsistentes, incompletas e, em alguns casos, falsas.

 

Como é possível que um processo em que se usa provas forjadas, falsas e mentirosas possa ter seguido adiante sem que haja a anulação de uma condenação injusta? Infelizmente a resposta é simples, queriam prender Lula para que não fosse presidente, Lula é de fato um preso político.

 

Edição Selena Martins