Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

19
Abr19

Justiça decreta prisão de três acusados pelo desabamento na Muzema e livra a cara da milícia Escritório do Crime

Talis Andrade

1_ze_rolo-.jpeg

 

 

Por Felipe Rebouças

___

A Justiça do Rio expediu mandados de prisão temporária dos três suspeitos de envolvimento no desabamento que deixou pelo menos 20 pessoas mortas na Muzema, comunidade da Zona Oeste do Rio. A polícia está à procura de José Bezerra de Lima, o Zé do Rolo, responsável pelas construções, Renato Siqueira Ribeiro e Rafael Gomes da Costa, que atuavam como corretores do empreendimento. A polícia ainda investiga a participação de milicianos na obra irregular.

desabamento muzema zé do rolo.jpg

Mais prédios que estão sendo construídos por Zé do Rolo que decidiu enfrentar a milícia Escritório do Crime, acusada de ordenar a morte de Marielle Franco

 

A delegada Adriana Belém, titular da 16ª DP (Barra da Tijuca), responsável pelas investigações, informou que policiais civis já estão nas ruas atrás dos três. "Vamos seguir apurando mais informações para chegar aos suspeitos. Enquanto isso vamos continuar colhendo provas e documentos para encaminhar à Justiça para responsabilizá-los por homicídio dolosos (quando há intenção) vezes vinte (número de vítimas fatais até o momento", afirma a delegada. "As pessoas construíram sonhos e eles receberam tragédias".

 

Zé do Rolo estaria foragido em Pernambuco ou Paraíba. Ora aparece com o nome de José Bezerra de Lima ou de Lira. Parece mais um bode expiatório. Dado como um grileiro que agia indepente da milícia Escritório do Crime, e continuar vivo... 

 

Publica Expresso: Zé do Rolo, de acordo com a investigação, contratou pessoal e comprou material para erguer os edifícios irregulares, e vinha lucrando com a venda dos apartamentos. Segundo moradores da Muzema, o Condomínio Figueiras do Itanhangá, onde ficavam os prédios, era uma espécie de “empreendimento fechado” dentro da comunidade, já que teria um esquema de administração independente do restante da favela, controlada por uma milícia, que usa da exploração imobiliária irregular como um dos seus principais negócios.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub