Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

22
Abr21

Jornal francês diz que EUA treinaram a Lava Jato para se beneficiar

Talis Andrade

pode sair moro debaixo bandeira estados unidos.jpe

 

Reportagem argumenta que os norte-americanos tiveram impacto fundamental na Lava Jato

Grasielle Castro/Metrópoles
 
Os Estados Unidos teriam alimentado e usado a Operação Lava Jato em benefício próprio, segundo reportagem do jornal francês Le Monde. O texto, publicado no sábado (10/4), destrincha ações do governo americano que teriam tido impacto fundamental na maior ação de combate à corrupção no país.
 

Entre as táticas que teriam sido ensinadas pelos Estados Unidos e importadas para o Brasil estão as delações premiadas e o envolvimento social na causa. “Para que o Judiciário possa condenar alguém por corrupção, é preciso que o povo odeie essa pessoa“, teria orientado a agentes da Polícia Federal, em 2009, Karine Moreno-Taxman, da embaixada dos EUA.

“A sociedade deve sentir que ele realmente abusou de seu cargo e exigir sua condenação”, seguiu a especialista em combate à lavagem de dinheiro e ao terrorismo na conferência anual dos agentes da Polícia Federal brasileira, em Fortaleza.

A doutrina norte-americana incluiria também formação de grupos de trabalho e compartilhamento “informal” de informações.

Os autores da reportagem, Nicolas Bourcier e Gaspard Estrada, diretor-executivo do Observatório Político da América Latina e do Caribe (Opalc) da universidade Sciences Po de Paris, fazem um histórico que começa com incômodo das autoridades norte-americanas em 2007, no governo Bush, com a falta de colaboração de diplomatas brasileiros no programa de combate ao terrorismo.

A partir desse ponto, eles mostram como agentes teriam driblado a posição oficial do Itamaraty ao buscar órgãos de combate à corrupção e oferecer treinamento.

Uma das peças-chave dessa história é o ex-ministro e ex-juiz Sergio Moro, que foi convidado em 2007 para participar de encontro com departamento de relações internacionais nos EUA.

De acordo com eles, em 2015, em meio à crise política no Brasil, Leslie Backshies, chefe da unidade internacional do FBI e encarregada de ajudar a operação no Brasil, teria afirmado que “os agentes devem estar cientes de todas as ramificações políticas potenciais desses casos, de como casos de corrupção internacional podem ter efeitos importantes e influenciar as eleições e cenário econômico”.

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub