Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

08
Dez20

Hoje, Dia da Justiça, deputados lembram mil dias do assassinato da vereadora Marielle Franco

Talis Andrade

Della Senta Advocacia - Advogado empresarial - Campo Grande - 8 fotos |  Facebook

A vice-líder do Psol, deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS), foi à tribuna lembrar nesta terça-feira (8), Dia da Justiça, os mil dias passados desde o assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, mortos em uma emboscada no Rio de Janeiro em março de 2018. Vestindo uma camiseta com os dizeres “Quem mandou matar Marielle”, a deputada lembrou que o mandante do crime ainda não foi revelado, assim como os motivos que levaram ao assassinato.

“São mil dias sem a companheira Marielle Franco e sem o Anderson Gomes. São mil dias sem justiça em nosso País, são mil dias de impunidade, sem que Estado brasileiro responda quem mandou matar a nossa companheira, amiga, vereadora, mulher negra, combativa, generosa, dona de um sorriso do tamanho do mundo”, disse Melchionna.

A deputada também criticou as notícias falsas espalhadas contra a vereadora Marielle Franco e cobrou a punição dos culpados. Dois ex-policiais militares suspeitos de executar o crime estão presos, mas ainda não foram julgados. Os acusados são ligados a milícias no Rio de Janeiro.

Melchionna lembrou ainda as ameaças de morte dirigidas recentemente a outras parlamentares como Talíria Petrone e as vereadoras Duda Salabert, de Belo Horizonte, e Carol Dartora, de Curitiba. E destacou que punir os envolvidos no assassinato de Marielle Franco significa salvar a vida de outras vítimas da violência política.

 

Repercussão

O pronunciamento da deputada repercutiu entre os parlamentares de oposição. O deputado José Guimarães (PT-CE) afirmou que o assassinato da vereadora Marielle é um crime político que está impune. “Estamos irmanados nesta luta para esclarecer e identificar quem são os mandantes deste absurdo crime”, disse.

A líder do PCdoB, deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), também se aliou ao Psol. “Nossa solidariedade a todas as vítimas como Marielle Franco, uma mulher da política vítima exatamente de um assassinato político”, disse.

Para a deputada Érika Kokay (PT-DF), o assassinato de Marielle é uma tentativa de calar as ideias de um grupo. “São mil marielles que nascem todos os dias com ânsia de construirmos uma sociedade mais justa”, afirmou.

O deputado André Figueiredo (PDT-CE) também cobrou o esclarecimento do crime. “Queremos, é claro, que a morte de Marielle Franco possa ser esclarecida, para que a democracia não tenha uma página tão obscura dentro do nosso cenário já de tantas dificuldades”, avaliou.

A deputada Joenia Wapichana (Rede-RR) afirmou que Parlamento agir no combate à violência.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub