Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

Por que o brasileiro continua um analfabeto político? Como conviver com a ameaça de uma intervenção militar? Este Correspondente tenta buscar respostas na leitura dos jornais

O CORRESPONDENTE

21
Mar20

França confrontada com o drama dos sem teto expostos ao coronavírus

Talis Andrade
Uma mulher sem teto recebe ajuda em Montpellier, sul da França, em 18 mars de 2020.
Uma mulher sem teto recebe ajuda em Montpellier, sul da França, em 18 mars de 2020. SYLVAIN THOMAS / AFP

 

Proteger-se e respeitar o confinamento é muitas vezes impossível para os sem teto na França, particularmente para milhares de migrantes, cuja vida diária depende de associações, seja para alojamento, higiene ou alimentação. Muitas Ongs estão revoltadas e pedem o fim de batidas policiais contra os moradores de rua no país.

Na quinta-feira (19), o governo francês encaminhou pedidos de quartos de hotel e a abertura de quase 300 centros de alojamento com quartos individuais até o final da semana.

Desde segunda-feira, (16), todas as associações que ajudam os exilados, exceto as mandatadas pelo Estado, tiveram que interromper totalmente ou parcialmente suas atividades.

Os voluntários estão confinados ou não têm autorização para deslocamentos. Muitas associações também suspenderam a ajuda para impedir a propagação do vírus.

Para Priscila, uma angolana que desembarcou há três meses em Paris, tudo mudou no início da semana. Em vez de ficar alojada em um centro de acolhimento, ela teve que passar várias noites em um hospital em uma cadeira, sozinha, desde às 6 da manhã.

"Procurei centros de acolhimento, mas infelizmente todas estavam fechados", explicou. “À noite, fui interpelada pela polícia porque não tinha o documento (do governo) para poder estar na rua. Eu disse a eles que era uma sem teto e é por isso que estou aqui. Depois, eles foram embora", contou.

Priscila também conseguiu um quarto de hotel na noite de quinta-feira, mas diante de suas necessidades, ela ainda não tem certeza de que não vai voltar às ruas nos próximos dias.

Julie Lavayssière da ONG Utopia 56 em Paris, aponta uma das dificuldades com essa população, mesmo com os pedidos de abertura dos centros de acolhimento.

"É improvável que, em alguns tipos de alojamento, haja distribuição de alimentos", alerta Julie. “Então, de fato, eles (sem teto) estarão completamente isolados em lugares que não conhecem e sem ninguém para informá-los e garantir que tudo esteja indo bem e que eles possam ter acesso à comida", destaca.

Apelo das Ongs

Durante vários dias, as associações vêm exigindo medidas do governo para assumir a responsabilidade pelo alojamento dos refugiados e migrantes.

Em entrevista à AFP, Florent Gueguen, diretor geral da Federação dos Atores da Solidariedade (FAS), que reúne 800 associações de luta contra a pobreza, contou seu apelo às autoridades: “Pedimos orientações claras aos secretários de segurança para parar imediatamente as sanções contra os sem teto”.

A FAS disse ter recebido queixas encaminhadas por seus voluntários em cidades como Lyon (leste) e Bayonne (sudoeste). Por uma rede social, a Secretaria de Segurança Pública de Lyon, depois de ter feito uma investigação interna, negou que tenha emitido multa contra os moradores de rua.

Na França, desde terça-feira, o governo decretou um confinamento da população e autoriza a saída dos moradores de seus domicílios em apenas cinco circunstâncias, sempre de posse de um documento oficial disponibilizado nos sites do governo. A multa para quem não cumprir a medida pode chegar a 135 euros.

As Ongs alertaram diversas vezes as autoridades francesas que os sem teto têm dificuldades de cumprir as exigências, bem como as medidas de proteção para evitar o contágio.Um grupo de 24 Ongs, lançou ainda um alerta de urgência sanitária e indica que 3.500 pessoas moram atualmente nas ruas na região onde se encontra a capital, Paris.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub