Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

02
Jun23

Empresa de aliado de Lira levou 67% dos contratos dos kits de robótica (vídeos)

Talis Andrade

 

Dinheiro encontrado em cofre pela PF durante a Operação Hefesto em Maceió, que investiga desvios de verba federal para educação — Foto: Divulgação

Dinheiro encontrado em cofre pela PF durante a Operação Hefesto em Maceió, que investiga desvios de verba federal para educação — Foto: Divulgação

Robótica ou roubótica?

Megalic está no centro da Operação Hefesto, desfechada pela PF e pela CGU. Além do dono da firma, um assessor da liderança do PP, partido do presidente da Câmara, é investigado pela participação no esquema de superfaturamento e lavagem de dinheiro

 

Renato Souza & Mariana Albuquerque /Correio Braziliense
 
- - -
 
Fontes da Polícia Federal (PF) e ligadas à Operação Hefesto afirmaram que 67% do orçamento para a compra do material de robótica para as escolas da rede pública alagoana foi enviado à Megalic, de Edmundo Catunda. A firma dos aliados do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), funcionava em uma pequena casa no bairro de Jatiúca, em Maceió, e estava registrada na Junta Comercial com capital social de R$ 1 milhão.
 
Empresário Edmundo Catunda
Edmundo Catunda / Foto: Vanessa Alencar / CM
 
 

"As citadas contratações teriam sido ilicitamente direcionadas a uma única empresa fornecedora dos equipamentos de robótica, por meio da inserção de especificações técnicas restritivas nos editais dos certames e de cerceamento à participação plena de outros licitantes", destacou a PF.

"A investigação identificou, ainda, que foram realizadas, pelos sócios da empresa fornecedora e por outros investigados, movimentações financeiras para pessoas físicas e jurídicas sem capacidade econômica e sem pertinência com o ramo de atividade de fornecimento de equipamentos de robótica, o que pode indicar a ocultação e dissimulação de bens, direitos e valores provenientes das atividades ilícitas", salientou a corporação.

Assessor dos Lira

Aliados de Lira são alvo de operação contra fraude em compra de kits de robótica
Lira e o ex-assessor Luciano Ferreira Cavalcante - Foto: Reprodução

 

Outras pessoas que têm alguma conexão com Lira também foram atingidas pela Operação Hefesto. Como Luciano Ferreira Cavalcante, lotado na liderança do PP na Câmara. Antes, ele foi servidor comissionado do escritório de apoio do então senador Benedito de Lira (PP-AL), pai do deputado. A mulher de Ferreira, Glaucia, também foi assessora de Lira e aparece na investigação.

Depois de Alagoas, Pernambuco foi o segundo estado que mais recebeu recursos para a compra de kits de robótica — 13% da verba investigada. No endereço de um dos alvos, em Brasília, os agentes da PF apreenderam uma grande quantidade de dinheiro em cédulas de R$ 50 e de R$ 100, dentro de uma mala.

A PF investiga, ainda, uma segunda fase do esquema, envolvendo a lavagem do dinheiro. Os policiais identificaram transações fracionadas, abaixo de R$ 50 mil, para burlar o sistema de alertas do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

O professor de Literatura Aplicada na UERJ João Cezar de Castro Rocha destaca que a Medida Provisória (MP), aprovada em comissão na Câmara, para reestruturar os ministérios, é inconstitucional e não faz parte das atribuições do Legislativo modificar o organograma do Executivo.

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), empregou ao longo de seus três mandatos na Casa, de 2011 a 2021, sete parentes de seu assessor parlamentar e amigo Djair Marcelino da Silva, conforme levantamento da Agência Pública. Djair é apontado como operador de um esquema de “rachadinhas” na Assembleia Legislativa de Alagoas, que teria sido liderado por Lira quando ele ainda era deputado estadual (2001-2007), de acordo com denúncia do Ministério Público Federal (MPF) de 2018, decorrente da Operação Taturana, deflagrada em 2007 pela Polícia Federal (PF). Além de Djair, atualmente apenas seu sobrinho, Luciano José Lessa de Oliveira, está lotado no gabinete do líder do Centrão como secretário parlamentar, mas a reportagem da Pública revela indícios de que ele dá expediente em outro local.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub