Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil

O CORRESPONDENTE

10
Out20

Elogio de Mourão a torturador envergonha o país

Talis Andrade

ustra carvall.jpg

 

por Janio de Freitas

- - -

Ao elogiar o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra numa entrevista à Deutsche Welle, o vice-presidente Hamilton Mourão envergonhou o Brasil no estrangeiro e constrangeu o brasileiro dentro do seu país. A fala é vergonhosa porque estrangeiros esclarecidos, como o entrevistador que ouviu Mourão, sabem que o militar elogiado por ele é uma espécie de símbolo da tortura no Brasil. A declaração é constrangedora porque a chapa eleita em 2018 como uma opção à esquerda larápia representada pelo PT se esforça para demonstrar ao eleitorado do seu país que não é conservadora, mas atrasada, arcaica.

A dupla Bolsonaro-Mourão prevaleceu na sucessão passada porque 57 milhões de brasileiros quiseram dar uma guinada à direita. Beleza. Um dos princípios mais belos da democracia é a alternância no poder. O problema é que, sempre que falam sobre o período militar, o presidente e o vice agem como se cuspissem no prato em que comeram para chegar ao poder. Bolsonaro e Mourão negam a própria existência da ditadura. Tratam Brilhante Ustra como herói nacional.

Estava entendido que a chapa vencedora em 2018 levaria o governo para a direita. Mas é improvável que todos os 57 milhões de eleitores que votaram na dupla avalizem a tentativa de dar uma marcha à ré na história. "Ustra era homem de honra que respeitava os direitos humanos dos seus subordinados", disse Mourão. Ora, não há honra na tortura.

Em 2013, arrastado a contragosto para um depoimento na Comissão da Verdade, o coronel Ustra disse aos membros do colegiado: "Quem deveria estar aqui é o Exército brasileiro, não eu". Ustra nunca foi repreendido em sua carreira militar. Isso é uma parte da história com a qual o Exército tem que lidar. O que não parece razoável é que Mourão queira acrescentar ao constrangimento uma dose de desfaçatez. 

Mourão declarou que é preciso "esperar que a história faça a sua parte." Enquanto espera, o vice-presidente do Brasil deveria cogitar a hipótese de fazer imediatamente a sua parte. Se, como general, admira o torturador, convém confessar sua idolatria apenas para o espelho. 

Aroeira Ustra.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub