Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

10
Nov23

‘É preciso que Israel inicie a descolonização da Palestina’, afirma liderança judaica - II

Talis Andrade

Foto: Debbie Hill/ UPI

Vídeo entrevista: Liderança de movimento judaico em defesa da libertação palestina critica o modelo sionista ampliado pelas ocupações lideradas por Netanyahu

 

NINJA: O que é antissionismo?

Shajar Goldwaser: Para entender o sionismo, é muito importante fazer uma distinção entre o que é o sionismo que foi idealizado pelos pensadores sionistas lá atrás e o que é o sionismo real, o que de fato aconteceu. O sionismo foi uma ideologia que surgiu lá atrás, no início do século 20, com a intenção de buscar um espaço no qual os judeus pudessem viver em segurança e não correrem risco de extermínio.

Essa foi a ideia original. Isso foi o que motivou os judeus a colonizarem a Palestina. Isso não é necessariamente o que aconteceu; na verdade, muito pelo contrário.

O sionismo, quando se expressou de forma concreta, manifestou-se como uma colonização europeia em um território árabe, palestino, no Oriente Médio. A primeira coisa para entender o sionismo, para muitas pessoas da comunidade judaica, pode representar um movimento de autodeterminação, um movimento de libertação, um movimento de combate ao antissemitismo. Porém, do ponto de vista concreto e dos palestinos, esse movimento significa a colonização de sua terra, de seu modo de vida, a destruição de sua cultura, a destruição de suas tradições.

Então, o que procuramos trazer de inovador para o debate é tentar entender que sim, existe uma intenção por parte dos judeus de combater o antissemitismo, de buscar criar um lugar seguro para conviver no planeta, junto a todas as outras pessoas, mas que isso não deve necessariamente acontecer pagando o preço da colonização de outro povo. E como podemos não só reverter essa situação, mas também contribuir com a descolonização desse povo perante o Estado de Israel, que se demonstrou, obviamente, como um projeto político, econômico e que representa interesses geopolíticos da Europa e dos Estados Unidos, e, portanto, acaba por si só a essência do projeto, a própria judaicidade desse projeto.

O judaísmo é uma cultura que busca solidariedade, que busca se adequar a diferentes contextos, conseguiu, inclusive, participar e contribuir culturalmente, cientificamente e economicamente. Então, na verdade, nosso coletivo tem como objetivo primário ser solidário à causa palestina, ser solidário ao processo de descolonização da Palestina. Ao mesmo tempo, vemos que é importante reconhecer que talvez, lá atrás, tenha havido alguma intenção positiva por parte daquelas pessoas que saíram de suas casas porque estavam sendo perseguidas. Essas pessoas talvez não fossem mal intencionadas, mas de fato cometeram um crime, e esse crime vem se perpetuando por mais de 78 anos. Está na hora de dizer chega, pois esse crime acaba manchando o próprio judaísmo, deixando-o refém desses interesses geopolíticos de grandes potências.

 

NINJA: Uma pesquisa recente do Instituto Laza revelou que 73% da população não vê mais Netanyahu como a pessoa certa para liderar Israel. Outra pesquisa conduzida pelo Canal 13 de Israel mostrou que 76% dos entrevistados acreditam que Netanyahu deveria renunciar e 64% da mesma pesquisa apoiam a realização de eleições imediatamente após o conflito. Como você analisa isso?

Shajar Goldwaser: Fico feliz com essa notícia, porque de fato ele é uma pessoa abertamente racista. Ele é abertamente islamofóbico. Ele deu declarações horríveis nos últimos tempos, deixando clara sua intenção pelo extermínio do povo palestino e pela destruição total de Gaza.

Mas há um ponto importante, que é justamente a virada de perspectiva que, por exemplo, nosso coletivo propõe. Porque quando falamos em eleições em Israel, estamos falando de eleições em que participa apenas a população do território considerado, os palestinos chamam de “Territórios de 48”, onde a maioria da população é judaica. A maioria do parlamento é judaica. Nunca houve um primeiro-ministro que não fosse judeu, e há uma pequena minoria árabe, de palestinos, que habitam dentro de Israel, que tem direito a voto, mas uma mera bancada parlamentar que não consegue atuar politicamente, porque nunca é colocada nem nas coalizões de direita, nem nas coalizões de esquerda. Porém, o estado israelense legisla, ele controla uma população muito maior, que não tem a possibilidade de votar contra Netanyahu. Por exemplo, a população na Faixa de Gaza.

 

NINJA: Sabemos que a resolução 194 da ONU nunca foi cumprida efetivamente. Então, na visão de vocês, qual seria uma resolução justa?

Shajar Goldwaser: Um dos principais pontos do nosso coletivo é entender que uma resolução justa para esse conflito, que na verdade é uma colonização, será uma resolução escolhida pela população palestina. Não cabe a nós, judeus, decidir qual é o caminho correto a ser tomado. Afinal, a partir do momento que propomos uma resolução, mantemos a colonização dos palestinos. É muito importante dar oportunidade aos palestinos de viverem uma descolonização completa. A resolução partirá dos palestinos.

Eu vou aproveitar para fazer uma crítica ao porquê não acreditamos em um modelo de dois estados. Se for ver de fato a composição do território geográfico e ver o que de fato está acontecendo hoje na Palestina, é possível observar que não há essa possibilidade, porque o processo de colonização israelense gerou uma situação na qual está completamente misturada a população judaica e a população palestina. Segregada, mas entrelaçada. Para construir os dois estados naquilo, teria que ter uma engenharia de Estado, que nos faz perguntar qual é o real sentido de uma dessas populações estar segregada.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub