Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O CORRESPONDENTE

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

Os melhores textos dos jornalistas livres do Brasil. As melhores charges. Compartilhe

O CORRESPONDENTE

10
Nov23

‘É preciso que Israel inicie a descolonização da Palestina’, afirma liderança judaica

Talis Andrade

 

Em entrevista exclusiva, Shajar Goldwaser, líder Coletivo Vozes Judaicas por Libertação, aponta para a necessidade de que o estado de Israel reconheça que a prática colonialista em relação à Palestina deve ser interrompida e que a solução de dois estados pode não ser o melhor caminho, uma vez que a política de ocupação que o governo Netanyahu busca ampliar deixou cicatrizes profundas na geografia, e até mesmo na relação entre israelenses e palestinos.

Shajar nasceu em Jerusalém, cresceu na Argentina e no Brasil. É formado em Relações Internacionais, e é ativista membro da SEDQ, Global Jewish Network for Justice.

Para NINJA, Goldwaser destaca a importância de distinguir entre a idealização inicial do sionismo pelos pensadores sionistas no início do século 20 e a manifestação real dessa ideologia. De acordo com ele, o sionismo foi concebido como uma busca por segurança para os judeus, mas, na prática, transformou-se em uma colonização europeia no território árabe-palestino, resultando na destruição da cultura e tradições locais.

O coletivo destaca a intenção legítima de judeus em combater o antissemitismo e criar um lugar seguro para conviver, mas questiona se essa aspiração justifica a colonização de outro povo. Shajar explica que seu movimento busca contribuir para a descolonização dos palestinos e destaca a necessidade de separar os interesses geopolíticos dos valores judaicos.

 

Repúdio a Netanyahu

Recentes pesquisas indicam que a maioria da população israelense não vê mais Netanyahu como a pessoa adequada para liderar o país. Entretanto, Goldwaser ressalta a necessidade de uma mudança mais profunda na perspectiva política, destacando as limitações das eleições em Israel, onde a população palestina tem uma representação política mínima e não tem poder de influenciar significativamente as decisões.

“Fico feliz, mas há um ponto importante, que é justamente a virada de perspectiva que, por exemplo, nosso coletivo propõe. Porque quando falamos em eleições em Israel, estamos falando de eleições em que participa apenas a população do território considerado, os palestinos chamam de “Territórios de 48″, onde a maioria da população é judaica”, afirma Shajar.

 

Desafios e perspectivas para uma resolução justa

Sobre uma resolução justa para pôr fim ao histórico de conflitos, Goldwaser enfatiza que a solução deve ser escolhida pela população palestina. O movimento judaico não deveria buscar impor uma resolução, mas permitir que os palestinos determinem seu próprio caminho, visando uma descolonização completa (continua)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub